Entre arte e ciência: um relato sobre as contações de histórias realizadas no Instituto Butantan de 2009 a 2014

Autores

  • Juliane Quinteiro Novo Bióloga, pós-graduada em Museologia, Educação em Saúde, História da Ciência e Comunicação pelo Programa de Aprimoramento do Instituto Butantan, e especialista na Arte de Contar Histórias – Abordagens poética, literária e performática pela Casa Tombada e Faculdade de Conchas e atua como educadora no Museu Histórico do Instituto Butantan.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33857

Palavras-chave:

contação de história, ciências humanas, arte, educação, atividades humanas

Resumo

O Instituto Butantan é um órgão do Governo do Estado de São Paulo que atua na área da Saúde Pública com a produção de imunobiológicos, com o desenvolvimento de pesquisas científicas e com a promoção de ações culturais e de divulgação científica. Este relato de experiência descreve, de forma cronológica, como a arte de contar histórias foi utilizada pela equipe do educativo dos museus para instigar a curiosidade de assuntos científicos e de saúde pública e, assim, aproximar de forma lúdica os visitantes dos trabalhos desenvolvidos por esta instituição.

Referências

ARAUJO A.M., Taborda V.J. (seleção e introdução). Antologia ilustrada do folclore brasileiro: estórias e lendas paulistas. São Paulo: Gráfica e Editora EDIGRAF Ltda. 1963.
Barbosa CJ, Santos LR da S. Contação de histórias para crianças dos anos iniciais. Revista FACEVV, Vila Velha, 2009, 3. Disponível em: <http://unicnecosorio.cnec.br/wp-content/uploads/sites/52/2015/10/CONTA%C3%87%C3%83ODE-HIST%C3%93RIAS-PARACRIAN%C3%87AS-DOS-ANOS-INICIAIS.pdf> Acesso em: 8 fev 2018.
CAMARGO E.P., SANT’ANNA A.O. Institutos de pesquisa em saúde. Ciência Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, 2004; 9(2). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi81232004000200008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 fev. 2017. Experimentando a Arte Contemporânea: Educação. Direção: Marco Del Fiol, Jasmin Pinho. São Paulo: Mão Direita; Casa Redonda, 2011. Webvideo (25 min.) son., color. (VÍDEOBRASIL - SESCTV)
GIRARDELLO G. Voz, presença e imaginação: a narração de histórias e as crianças pequenas. In: FRITZEN C., CABRAL G.S. (orgs). Infância: imaginação e educação em debate. Campinas: Papirus; 2007. p. 39-58.
GIRARDELLO G. Imaginação: arte e ciência na infância. Pro-Posições. Campinas, 2011, 22(2), 72-92. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?cript=sci_arttext&pid=S0103-73072011000200007 Acesso em: 1 jul. 2016.
GRANDE S. A narração de Histórias e o teatro: a busca de uma arte sensível. In: LACOMBE A.L. de M. Teias de experiências: reflexões sobre
a formação de contadores de histórias. São Paulo: CMSB; 2013. p. 41-47.
IANNI O. Variações sobre arte e ciência. Tempo soc. São Paulo, 2004; 16(1):7-23. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/87S010300702004000100001>. Acesso em 1 jun 2016.
IBANEZ, N.; WEN, F.H.; FERNANDES, SC. G. Instituto Butantan: história institucional. Desenho metodológico para uma periodização preliminar.
Cadernos de História da Ciência, São Paulo, 2005; 1(1):115-144.
JACOBUCCI D.F.C. Contribuições dos espaços não-formais de educação para a Formação da cultura científica. Em Extensão, Uberlândia, 2008, 7(1). Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/revextensao/article/view/20390/0. Acesso em 2 jul 2016.
LORCA F.G. El maleficio de la mariposa. Madrid: Cátedra; 1999.
MARTINS L.C. (Coord.). Visitando o Instituto Butantan: guia para professores. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2012. p.3-5.
MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO. Percepção pública da ciência e tecnologia 2015. Ciência e tecnologia no olhar dos brasileiros. Sumário executivo. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos, 2015. Disponível em: <http://percepcaocti.cgee.org.br/wpontent/themes/cgee/files/sumario. pdf>. Acesso em: 25 ago 2017.
Moreira LM. O teatro em museus e centros de ciências: uma leitura na perspectiva da alfabetização científica. [Tese]. São Paulo (SP): Doutorado em Educação - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde4112013-114701/>. Acesso 19 Fev 2017.
NOVO J., TAKETA D.T.O., MAGALHÃES M.F., SANT’ANNA JUNIOR O., PEREIRA M.M.G. Storytelling as an strategy to awake curiosity concerning scientific matters: A report about the exhibition “As Serpentes que Roubaram a Noite” (The Snakes tht Stole the Night) presents at Butantan’s Vacation Week,
2014. Trabalho apresentado à 16ª Reunião 88 Científica Anual do Instituto Butantan, São Paulo, 2014.
MUNDURUKU D. As serpentes que roubaram a noite. São Paulo: Peirópolis; 2001.
PEDROSA G. No caminho com as histórias: do encontro ensimesmado e outras reflexões. In: LACOMBE A.L. de M. Teias de experiências: reflexões sobre a formação de contadores de histórias. São Paulo: CMSB, 2013. p. 73-79.
RUIZ D. Flofi, a nuvem teimosa. São Paulo: Evoluir Cultural; 2005.
SCALFI G.A.M., MICALDAS A. A arte de contar histórias como estratégia de divulgação da ciência para o público infantil. Educação, Ciência e Cultura, 2014; 19(1):107-21.
SOUSA O.L.; BERNARDINO A.D. A Contação de Histórias como estratégia pedagógica na educação infantil e ensino fundamental. Revista de Educação Educere et Educare. Cascavel, 2011; 6(12). Acessado em 04/02/2015. Disponível em: <erevista.unioeste.br/index.php/educereeteducare/article/.../4643/4891>.
TEIXEIRA AP. Contador de histórias: protagonista no mundo da imaginação. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Goiânia (GO): Curso de Artes Cênicas na modalidade Bacharelado - Universidade Federal de Goiás, 2006..Disponível em: <https://www.emac.ufg.br/up/269/o/Ana_Paula_Teixeira_TCC_corrigido_final.pdf>. Acesso em: 8 fev 2018.
TORRES S.M., TATTAMANZY A.L.L. Contação de histórias: resgate da memória e estímulo à imaginação. Revista eletrônica de crítica e teoria de literatura. Porto Alegre, 2008; 4(1):1-8.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

Novo, J. Q. (2016). Entre arte e ciência: um relato sobre as contações de histórias realizadas no Instituto Butantan de 2009 a 2014. Cadernos De História Da Ciência, 12(1), 64–88. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33857

Edição

Seção

Artigo Original