Surgimento do ensino veterinário na Bahia e suas condicionantes

Autores

  • Guilherme Augusto Vieira da Silva Doutorando do Programa de Ensino, Filosofia e História das Ciências-UFBA/UEFS.
  • Amilcar Baiardi Professor permanente do Programa de Ensino, Filosofia e História das Ciências-UFBA/UEFS, e Professor Titular da UFBA/UFRB.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34383

Palavras-chave:

Ciências Agrárias, Ensino Veterinário, Transformações Socioeconômicas e Culturais na Bahia

Resumo

O presente ensaio procura narrar os principais fatos históricos relacionados com o surgimento do ensino veterinário na Bahia, seja do ponto de vista da formação da comunidade científica e da construção institucional, como da influência dos fatores infra-estruturais e super-estruturais, que condicionaram o mesmo processo. A Bahia é retardatária em relação a outros estados brasileiros no que concerne à criação do ensino veterinário de nível superior. Em que pese houvesse intenção de criá-lo no fim do século XIX, somente setenta anos depois isto de fato se verifica, dentro de um processo de prosperidade e modernização que o estado foi palco, na passagem de uma economia agrário-exportadora para uma economia industrial, cujo marco foi a descoberta e a exploração de petróleo a partir de 1950.

Referências

Alice FJ. Dados bibliográficos. In: Anais da Academia Baiana de Medicina Veterinária, Brasília: Conselho Federal de Medicina Veterinária, 2004.
Araújo NA. A Escola Agrícola de São Bento das Lages e a institucionalização da agronomia no Brasil (1877-1930). [Dissertação] Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia, 2006.
Baiardi A. O Desenvolvimento da Atividade Científica no Brasil. In: Scliar, M. (Org.) Oswaldo Cruz e Carlos Chagas, o nascimento da Ciência no Brasil. 1 ed. São Paulo: Odysseus, 2003.
______. O Imperial Instituto Bahiano de Agricultura e as mudanças na agricultura e na agroindústria da Bahia na segunda metade do Século XIX In: Anais do III Congresso Brasileiro de História Econômica. Curitiba (PR). 1999: 58-69.
______. O Papel do Imperial Instituto Bahiano de Agricultura na Formação da Comunidade de Ciências Agrárias do Brasil. In: Primeiro Congresso Luso--Brasileiro de História da Ciência e da Técnica. Évora: Editora da Universidade de Évora, 2001.
______. Sociedade e Estado no apoio à ciência e tecnologia – uma análise histórica. São Paulo: Hucitec,1996.
______; Santos AV. O pioneirismo baiano na criação de fundação de amparo à pesquisa. In: Anais do Encontro Regional da Associação Nacional de Professores Universitários de História, Niterói: ANPUH, 2006.
Bernal JD. Historia social de la ciência. La Habana: Editorial de Ciencias Sociales, 1986.
Capdeville G. O ensino superior agrícola no Brasil. Revista Brasileira de estudos Pedagógicos. 1991 Set./Dez v(72): 229-261.
Dias ALM. A universidade e a modernização conservadora na Bahia: Edigard Santos, O Instituto de Matemática e Física e a Petrobrás. Revista da Sociedade Brasileira da História das Ciências. 2005. Jul./Dez. v(3), n(2): 125-145
Edler FC. O debate em torno da medicina experimental no segundo reinado. Hist., Ciên., Saúde-Manguinhos. 1996 Jul./Out. v(3), n(2) 284-299.
Germiniani CLB. A história da Medicina Veterinária no Brasil. Archives Veterinary Sciences. 1998 v(3):1-8.
Lloyd C. As estruturas da história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995. Maciel BB. Políticas culturais no Estado da Bahia 1945/1964. Centro de Estudos Multidisciplinares em Cultura. 2006 [acesso: 2008 Out 12]. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/arquivos/Pol_ticas_Culturais_da_Bahia_1945___1964___Bruno_III.pdf
Mendes J; Baiardi A. A construção do sistema estadual de C&TI na Bahia na segunda metade do século XX. In: Baiardi, A; Santos, AV dos Santos. (Orgs). A ciência e a sua institucionalização na Bahia: reflexões sobre a segunda metade do Século XX e diretrizes para o Século XXI. Cachoeira (BA)/ Salvador (BA): Mestrado em Ciências Sociais da UFRB/ Instituto Rômulo Almeida de Altos Estudos, 2010, p.39-60.
Neves EF. História regional e local: fragmentação e recomposição da história na crise da modernidade. Feira de Santana (BA): UEFS/Arcádia, 2002.
Pardi MC; Souza ER; Santos IF; Pardi HS. Ciência, higiene e tecnologia da carne. Goiânia (GO)/ Niterói (RJ): CEGRAF-UFG/EDUFF,1993.
Pinell P. Análise sociológica das políticas de saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2010.
Schuch LFD. Os desafios da Medicina Veterinária no terceiro milênio. [Monografia] Pelotas (RS). Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel da Universidade Federal de Pelotas, 2003.
Simões R. O capitalismo baiano e a filosofia na década de 40. In: Memória da Bahia: palestras/Museu Eugênio Teixeira Leal. Salvador (BA): AssembléiaLegislativa do Estado da Bahia, 2011.
Tavares LHD. História da Bahia. 11.ed..São Paulo/ Salvador (BA): Editorada UNESP/EDUFBA, 2008.
Torres GCV; LEAL A.J. Instituto Biológico da Bahia, primeira referência da Medicina Veterinária da Bahia, In: Anais do XXX Congresso Brasileiro de Medicina Veterinária. Manaus (AM), 2003. [1 CD ROM].
Torres GCV. A História da Escola de Medicina Veterinária da Universidade Federal da Bahia. Brasília: Conselho Federal de Medicina Veterinária, 2004.
Torres GCV; Casu MTAR. A Sociedade de Medicina Veterinária da Bahia e suas raízes; (texto não publicado,s/d)

Downloads

Publicado

2011-06-30

Como Citar

Silva, G. A. V. da, & Baiardi, A. (2011). Surgimento do ensino veterinário na Bahia e suas condicionantes. Cadernos De História Da Ciência, 7(1), 87–101. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34383