A casa Afrânio do Amaral

Autores

  • Sergio de Simone Arquiteto e pesquisador membro do Laboratório Especial de História da Ciência do Instituto Butantan, especialista em História da Arte e da Cultura pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de Campinas –Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34749

Palavras-chave:

Arquitetura neocolonial, Cottage, Instituto Butantan, Afrânio do Amaral, Residências

Resumo

Este artigo discorre sobre a construção da residência do então diretor do Instituto Butantan, o cientista Afrânio do Amaral, erguida entre 1930 e 1931. Procura explicitar os motivos pelos quais foi erguida em relação aos aspectos culturais e arquitetônicos vigentes à época e suas implicações político-institucionais no contexto histórico que vigorou no início dos anos de 1930, em São Paulo. Procura-se identificar as várias razões que motivaram a sua construção, bem como apontar suas raízes artísticas à luz da documentação disponível no Núcleo de Documentação do Instituto Butantan e cotejá-las em relação aos personagens envolvidos, suas implicações familiares, a bibliografia disponível e investigações relativas à passagem de Afrânio por instituições norte-americanas.

Referências

ABREU Alzira Alves (org.). Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós 1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.

ALMEIDA, Adriana Mortara. A relação do público com o Museu do Instituto Butantan: Análise da exposição Na Natureza Não Existem Vilões. 1995. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

ALVES, Rogério N. Ferreira; RIGHI, Roberto. O programa funcional dos palacetes paulistanos no final do século XIX. ARQ.URB, n. 13, 2015. Disponível em: www.usjt.br/arq.urb/numero-13/7-rogerio-novakoski.pdf . Acesso em 21 out. 2018.

AMARAL, Afrânio do. Documentação Geral sobre o Instituto Butantan: extrato do relatório apresentado, em maio de 1928, ao governo paulista, sobre a situação do Instituto Butantan pelo Dr. Afrânio do Amaral. São Paulo, 1928, mimeo.

Cinco anos de reorganização do Instituto Butantan – à luz do seu 32º Relatório Anual. São Paulo: Instituto Butantan, 1933.

Serpentes em Crise: À Luz de uma legítima defesa no “Caso do Butantan". São Paulo: E. G. Revista dos tribunais, 1941.

AMARAL, Afrânio do. Depoimento 1977. Rio de Janeiro, FGV/CPDOC – História Oral, 1985. (História da Ciência – Convênio FINEP/CPDOC) Revisão autorizada em outubro de 1984. Entrevistadores Tjerk Frnaken e Maria Clara Mariani.

AMARAL, Aracy (org). Arquitetura neocolonial: América Latina, Caribe, Estados Unidos. São Paulo: Memorial da América Latina; México: Fondo de Cultura Económica, 1994.

BANHAM, Reyner. Teoria e projeto na primeira era da máquina. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BROTERO, Frederico de Barros. Descendência dos Barões de Souza Queiroz. Revista IHGSP, v. 57, p. 441-484, 1958. Disponível em: http://ihgsp.org.br/wp-content/uploads/2018/05/Revista-IHGSP-vol.-57-p%C3%A1g-441-484-descend%C3%AAncia-dos-Bar%C3%B5es-de-Souza-Queiroz-Frederico-de-Barros-Brotero.pdf. Acesso em: 22 de jul. 2018.

CALLEFFO, Myriam Elizabeth Velloso; FERNANDES, Suzana Cesar Gouveia. Bastidores da pesquisa sobre as cartas de Afrânio do Amaral na casa de Paulo Vanzolini. Cad. hist. ciênc., São Paulo, v. 9, n. 1, jun. 2013. Disponível em:

http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-76342013000100001&lng=pt&nrm=iso . Acesso em 15 jan. 2018.

CAMPOS, Eudes. Os Pais de Barros e a Imperial Cidade de São Paulo. Informativo Arquivo Histórico Municipal. PMSP/SMC/DPH. São Paulo, janeiro/fevereiro de 2008. Ano 3 N.16. Disponível em: http://www.arquiamigos.org.br/info/info16/i-estudos.htm. Acesso em 18 out. 2018.

FABRIS, Annateresa (org.). O Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel;EDUSP, 1987.

FERNANDES, Suzana Cesar Gouveia. O Instituto Butantan de 1928 a 47: estratégias científicas e a busca de um modelo institucional para a saúde. 2011. Tese (Doutorado em História) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

FICHER, Sylvia. Os arquitetos da poli: Ensino e profissão em São Paulo. São Paulo: Fapesp; Edusp, 2005.

FORTUNA, Cristina Maria Mascarenhas. Memórias Históricas da Faculdade de Medicina da Bahia: Relativas aos anos de 1916 a 1923. Salvador: UFBA, 2010.

Memórias Históricas da Faculdade de Medicina da Bahia: 1925 – 1941. Vol. II (1925 – 1930). Salvador: UFBA, 2011.

HAYASHI, Marli Guimarães. Adhemar de Barros no Parlamento Paulista. Acervo Histórico, p. 2 - 11, 2005. Disponível em: www.al.sp.gov.br/repositorio/bibliotecaDigital/536_arquivo.pdf . Acesso em 21 de outubro de 2018.

IBANEZ, Nelson; WEN, Fan Hui; FERNANDES, Suzana C. G. Instituto Butantan: história institucional. Desenho metodológico para uma periodização preliminar. Cad. hist. ciênc., v. 1, n. 1, 2005. Disponível em http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-76342005000100011&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 21 out. 2018.

HOBSBAWM, Eric J. Era dos extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

A Era dos Impérios: 1875-1914. Rio de Janeiro: Paz & Terra, 1995.

HOMEM, Maria Cecília Naclério. O Palacete Paulistano: e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

IBANEZ, Nelson et al. De Instituto Soroterápico a Centro de Medicina Experimental: institucionalização do Butantan no período de 1920 a 1940. Cad. hist. ciênc., São Paulo, v. 2, n. 1, 2006. Disponível em:

<http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-76342006000100004&lng=pt&nrm=iso> Acesso em 04 jan. 2018.

JHONSON, Alan. How to restore and improve your Victorian House. London: David & Charles, 1991.

LEFÈVRE, José Eduardo de Assis. De beco a avenida: A história da rua São Luiz. São Paulo: Edusp, 2006

LEMOS, Carlos A. C. Alvenaria burguesa. São Paulo, Nobel, 1985.

LLOYD, Reginald (org.). Impressões do Brazil no Seculo Vinte. Londres: Lloyd's Greater Britain Publishing Company, Ltd., 1913.

MELLO, Joana. Ricardo Severo: da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira. São Paulo: Annablume, 2007.

MENEGUELLO, Cristina. Da ruína ao edifício: neogótico, reinterpretação e preservação do passado na Inglaterra vitoriana. 2000. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2000.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Victor Dubugras: Precursor da Arquitetura Moderna na América Latina. São Paulo: Via das Artes, 2005.

PACHECO, Maria Theresa de Medeiros. A Medicina Legal na Bahia. Início e evolução do ensino. Gaz. Méd. da Bahia, v. 77, n. 2, p. 139-157, Jul-Dez 2007.

PEVSNER, Nikolaus. Os pioneiros do desenho moderno: de William Morris a Walter Gropius. São Paulo: Martins Fontes, 1980.

PINHEIRO, Maria Lúcia Bressan. Neocolonial, Modernismo e Preservação do Patrimônio no Debate Cultural dos Anos 1920 no Brasil. São Paulo: EDUSP; FAPESP, 2011.

SÃO PAULO (ESTADO). O Caso do Instituto Butantan. São Paulo: Assembléia Legislativa do Estado de S. Paulo, 1936.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

de Simone, S. (2021). A casa Afrânio do Amaral. Cadernos De História Da Ciência, 14(1). https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34749