Criação e desenvolvimento do Laboratório de Genética no Instituto Butantan

A participação de Gerta von Ubisch

Autores

  • Mario Gustavo Mayer Centro de Memória, Instituto Butantan, pesquisador científico, biólogo, mestre
  • Eny Stanger Ferreira Centro de Memória, Instituto Butantan, Arquivista, bacharel em Biblioteconomia
  • Nelson Ibañez Professor Adjunto da FCM da Santa Casa de São Paulo, médico sanitarista, livre docente pela FSP USP SP

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34751

Palavras-chave:

Gerta von Ubisch, História da ciência, Laboratório de Genética, Instituto Butantan

Resumo

O presente artigo apresenta a primeira inserção formal da disciplina de Genética no Instituto Butantan evidenciada pela criação do Laboratório de Citologia, Embriologia & Genética Experimental, em 1935, durante a primeira gestão de Afrânio do Amaral (1928-38) como diretor do instituto. Mais especificamente, analisa-se a montagem desse laboratório e os frutos da pesquisa realizada pela geneticista alemã de origem judaica Gerta (também Gertrud) von Ubisch, a primeira mulher a ter a licença para lecionar na Universidade de Heidelberg e, ex-assistente de Carl Correns, um dos responsáveis pela redescoberta das Leis de Mendel. Além dos motivos de sua emigração e breve história na Alemanha, este artigo relata as propostas iniciais de pesquisa feitas por Afrânio e como a cientista se ajustou para o cumprimento destas tarefas. O artigo ainda contextualiza sua produção através de relatos das condições de trabalho, associação com outros pesquisadores alemães e brasileiros, além do cenário político brasileiro, estadual e institucional, nesse período. Nosso objetivo maior é o resgate da memória do Instituto Butantan. Uma abordagem para esse resgate é através da história de seus laboratórios. Aqui, utilizamos o Laboratório de Genética como um plano piloto com esse objetivo. O trabalho de Gerta von Ubisch é a primeira página da história do Laboratório de Genética do Instituto Butantan, ainda ativo nos dias de hoje. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Amaral A. Serpentes em crise: À Luz de uma legítima defesa no “Caso do Butantan", São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1941.

Beçak W. Sobre a história da genética no Instituto Butantan (Entrevista com Willy Beçak). Cadernos de História da Ciência.2008;4(1):118-11).
Brenner S. The genetics of Caenorhabditis elegans. Genetics. 1974;77(1):71-94.

Buller Souto A, Ubisch G. Comportamento da cobaia (Cavia porcellus L.) e do preá (Cavia rufescens Lund) em relação aos antígenos tetânicos. Mem. Inst. Butantan. XII: 1938-39.

Deichmann U. Biologists under Hitler. Dunlap T, tradutor. Cambridge: Harvard University Press; 1996.

Deichmann U. Women and Genetics in Germany: research and Careers until 1950. In: Rn, Eh, Mv, editores. Elisabeth Schiemann 1881–1972 Vom AufBruch der Genetik und der Frauen in den UmBrüchen des 20. Rangsdwam.orf: Basilisken-Presse.;2014. p. 26-53

Hawgood, BJ. Slotta, KH (1895-1987) biochemist: snakes, pregnancy and coffee. Toxicon. 2001 Sep;39(9):1277-82.

Ibañez N, Fernandes SCG, Faria M, Wen FH, Sant'Anna OA.. De Instituto Soroterápico a Centro de Medicina Experimental: institucionalização do Butantan no período de 1920 a 1940. Cad. Hist. Ciênc. 2006, 2(1)

Ibanñez N, Sant’Anna OA. in Instituto Butantan: a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico em São Paulo.

Latour B. A ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Benedetti IC, tradutor; Assis JP, revisor. São Paulo: Editora Unesp; 2000.

Kuhn TS. A estrutura das revoluções científicas. Boeira BV, Boeira N, tradutores. São Paulo: Editora perspectiva; 2006.

Instituto Butantan. Prontuário funcional de Gerta von Ubisch (1935-1938). São Paulo: Instituto Butantan , 1935b.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1935. São Paulo: Instituto Butantan , 1935.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1936. São Paulo: Instituto Butantan , 1936.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1937. São Paulo: Instituto Butantan , 1937.

Remy, Steven P. The Heidelberg Myth: The Nazification and Denazification of a german University. Cambridge: Harvard University Press; 2002
.
Richter S, Schlechter A, editores. (2011) Zwischen Allen Welten: Die Lebenserinnerungen Der Ersten Heidelberger Professorin Gerta Von Ubisch (German Edition). Stuttgard: Finken & Bumiller, 2011.

Slotta KH, Fraenkel-Conrat H. Crotoxin. Nature. 1939;144: 290-291.

Stamhuis IH, Vogt AB. Discipline building in Germany: women and genetics at the Berlin Institute for Heredity Research. British Journal for the History of Science. 2017;50(2).

Von Ubisch G. Estudo sobre fêmeas, machos e formas sexuais aberrantes em Antennaria dioica (L.) Gaertn. Mem. Inst. Butantan. 1935-1936;tomo X.

Von Ubisch G. Genetic Studies on the Nature of Hermaphroditic Plants in Antennaria Dioica (L) Gaertn. Genetics. 1936 May;21(3):282-94.

Von Ubisch G.A alteração da morfologia de flores pelos Ustiginales. Annaes da primeira reunião de phytopathologistas do Brasil.1936; 323-327.

Von Ubisch G, Amaral JP. Diferença da capacidade de imunização da cobaia (Cavia porcellus L.) e do preá (Cavia rufescens, Lund) contra a anatoxina diftérica. Mem. Inst. Butantan.1935-1936; tomo X.

Von Ubisch G, Mello RF. Genetic studies on a cavy species cross: Cavia rufescens (Lund) and Cavia porcellus (Linné). Journal of Heredity. 1940; 31(9):389–398.

IBAÑEZ, Nelson; SANT'ANNA, Osvaldo Augusto. Instituto Butantan: a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico da saúde em São Paulo. In: NATALINI, Gilberto; AMARAL, José Luiz Gomes do (org.).450 anos de história da medicina paulistana. São Paulo: Imprensa Oficial, 2004, p. 318-364.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Gustavo Mayer, M., Stanger Ferreira, E., & Ibañez, N. (2021). Criação e desenvolvimento do Laboratório de Genética no Instituto Butantan: A participação de Gerta von Ubisch. Cadernos De História Da Ciência, 14(1). https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34751

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>