Criação e desenvolvimento do Laboratório de Genética no Instituto Butantan

A participação de Gerta von Ubisch

Autores

  • Mario Gustavo Mayer Centro de Memória, Instituto Butantan, pesquisador científico, biólogo, mestre
  • Eny Stanger Ferreira Centro de Memória, Instituto Butantan, Arquivista, bacharel em Biblioteconomia
  • Nelson Ibañez Professor Adjunto da FCM da Santa Casa de São Paulo, médico sanitarista, livre docente pela FSP USP SP

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34751

Palavras-chave:

Gerta von Ubisch, História da ciência, Laboratório de Genética, Instituto Butantan

Resumo

O presente artigo apresenta a primeira inserção formal da disciplina de Genética no Instituto Butantan evidenciada pela criação do Laboratório de Citologia, Embriologia & Genética Experimental, em 1935, durante a primeira gestão de Afrânio do Amaral (1928-38) como diretor do instituto. Mais especificamente, analisa-se a montagem desse laboratório e os frutos da pesquisa realizada pela geneticista alemã de origem judaica Gerta (também Gertrud) von Ubisch, a primeira mulher a ter a licença para lecionar na Universidade de Heidelberg e, ex-assistente de Carl Correns, um dos responsáveis pela redescoberta das Leis de Mendel. Além dos motivos de sua emigração e breve história na Alemanha, este artigo relata as propostas iniciais de pesquisa feitas por Afrânio e como a cientista se ajustou para o cumprimento destas tarefas. O artigo ainda contextualiza sua produção através de relatos das condições de trabalho, associação com outros pesquisadores alemães e brasileiros, além do cenário político brasileiro, estadual e institucional, nesse período. Nosso objetivo maior é o resgate da memória do Instituto Butantan. Uma abordagem para esse resgate é através da história de seus laboratórios. Aqui, utilizamos o Laboratório de Genética como um plano piloto com esse objetivo. O trabalho de Gerta von Ubisch é a primeira página da história do Laboratório de Genética do Instituto Butantan, ainda ativo nos dias de hoje. 

Referências

Amaral A. Serpentes em crise: À Luz de uma legítima defesa no “Caso do Butantan", São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1941.

Beçak W. Sobre a história da genética no Instituto Butantan (Entrevista com Willy Beçak). Cadernos de História da Ciência.2008;4(1):118-11).
Brenner S. The genetics of Caenorhabditis elegans. Genetics. 1974;77(1):71-94.

Buller Souto A, Ubisch G. Comportamento da cobaia (Cavia porcellus L.) e do preá (Cavia rufescens Lund) em relação aos antígenos tetânicos. Mem. Inst. Butantan. XII: 1938-39.

Deichmann U. Biologists under Hitler. Dunlap T, tradutor. Cambridge: Harvard University Press; 1996.

Deichmann U. Women and Genetics in Germany: research and Careers until 1950. In: Rn, Eh, Mv, editores. Elisabeth Schiemann 1881–1972 Vom AufBruch der Genetik und der Frauen in den UmBrüchen des 20. Rangsdwam.orf: Basilisken-Presse.;2014. p. 26-53

Hawgood, BJ. Slotta, KH (1895-1987) biochemist: snakes, pregnancy and coffee. Toxicon. 2001 Sep;39(9):1277-82.

Ibañez N, Fernandes SCG, Faria M, Wen FH, Sant'Anna OA.. De Instituto Soroterápico a Centro de Medicina Experimental: institucionalização do Butantan no período de 1920 a 1940. Cad. Hist. Ciênc. 2006, 2(1)

Ibanñez N, Sant’Anna OA. in Instituto Butantan: a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico em São Paulo.

Latour B. A ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Benedetti IC, tradutor; Assis JP, revisor. São Paulo: Editora Unesp; 2000.

Kuhn TS. A estrutura das revoluções científicas. Boeira BV, Boeira N, tradutores. São Paulo: Editora perspectiva; 2006.

Instituto Butantan. Prontuário funcional de Gerta von Ubisch (1935-1938). São Paulo: Instituto Butantan , 1935b.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1935. São Paulo: Instituto Butantan , 1935.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1936. São Paulo: Instituto Butantan , 1936.

Instituto Butantan, Seção de Genética Experimental. Relatório de gestão: 1937. São Paulo: Instituto Butantan , 1937.

Remy, Steven P. The Heidelberg Myth: The Nazification and Denazification of a german University. Cambridge: Harvard University Press; 2002
.
Richter S, Schlechter A, editores. (2011) Zwischen Allen Welten: Die Lebenserinnerungen Der Ersten Heidelberger Professorin Gerta Von Ubisch (German Edition). Stuttgard: Finken & Bumiller, 2011.

Slotta KH, Fraenkel-Conrat H. Crotoxin. Nature. 1939;144: 290-291.

Stamhuis IH, Vogt AB. Discipline building in Germany: women and genetics at the Berlin Institute for Heredity Research. British Journal for the History of Science. 2017;50(2).

Von Ubisch G. Estudo sobre fêmeas, machos e formas sexuais aberrantes em Antennaria dioica (L.) Gaertn. Mem. Inst. Butantan. 1935-1936;tomo X.

Von Ubisch G. Genetic Studies on the Nature of Hermaphroditic Plants in Antennaria Dioica (L) Gaertn. Genetics. 1936 May;21(3):282-94.

Von Ubisch G.A alteração da morfologia de flores pelos Ustiginales. Annaes da primeira reunião de phytopathologistas do Brasil.1936; 323-327.

Von Ubisch G, Amaral JP. Diferença da capacidade de imunização da cobaia (Cavia porcellus L.) e do preá (Cavia rufescens, Lund) contra a anatoxina diftérica. Mem. Inst. Butantan.1935-1936; tomo X.

Von Ubisch G, Mello RF. Genetic studies on a cavy species cross: Cavia rufescens (Lund) and Cavia porcellus (Linné). Journal of Heredity. 1940; 31(9):389–398.

IBAÑEZ, Nelson; SANT'ANNA, Osvaldo Augusto. Instituto Butantan: a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico da saúde em São Paulo. In: NATALINI, Gilberto; AMARAL, José Luiz Gomes do (org.).450 anos de história da medicina paulistana. São Paulo: Imprensa Oficial, 2004, p. 318-364.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Gustavo Mayer, M., Stanger Ferreira, E., & Ibañez, N. (2021). Criação e desenvolvimento do Laboratório de Genética no Instituto Butantan: A participação de Gerta von Ubisch. Cadernos De História Da Ciência, 14(1). https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2020.v14.34751

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>