Fordlândia: breve relato da presença americana na Amazônia

Autores

  • Cristovam Sena Engenheiro florestal da Emater/PA, diretor do Instituto Cultural Boanerges Sena, Santarém/PA.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2008.v4.35751

Palavras-chave:

Fordlândia, Amazônia, borracha, história

Resumo

O crescente interesse pela borracha na Amazônia, despertado pela exploração na Colômbia, em 1896, levou à vinda de estrangeiros à América do Sul, dentre eles Henry A. Wickham que retirou sementes de Hevea brasiliensis da região de Santarém/PA que foram cultivadas com sucesso na Malásia, promovendo um verdadeiro cartel da borracha no Sudeste Asiático.
O americano Henry Ford, pensando em produzir sua própria matéria-prima para os pneus dos seus automóveis, adquiriu, em julho de 1927, terras no vale do Rio Tapajós, onde se iniciou a construção da cidade que recebeu o nome de Fordlândia. Destinada a ser a primeira “cidade empresa” edificada na Amazônia, oferecia a seus habitantes: hospital, escola, água encanada, luz elétrica, moradia, lazer e emprego. No entanto, o investimento de 125 mil dólares com a aquisição da terra não trouxe correspondente rendimento na exploração dos seringais cultivados; além da topografia montanhosa e solo arenoso que dificultavam o cultivo mecanizado, o ataque das seringueiras pelo fundo Microcyclus ulei praticamente dizimou os seringais implantados nos primeiros anos, obrigando a Companhia Ford Industrial do Brasil a transferir-se, em 1934, para Belterra, município de Santarém. A baixa produtividade, o fim da Segunda Guerra Mundial com conseqüente queda na demanda mundial por borracha, e a produção de borracha sintética levaram à retirada dos americanos da região do Tapajós em 1945. O governo federal adquiriu as benfeitorias e as plantações de seringueiras, porém não impediu a degradação de Fordlândia que viu seu patrimônio material ser dilapidado, ficando prédios em ruínas e lembranças de moradores remanescentes do tempo do fastígio da borracha.

Referências

Baum V. A árvore que chora. Rio de Janeiro: Edição da Livraria do Globo, 1946.
Benchimol S. Romanceiro da batalha da borracha. Manaus: Imprensa Oficial do amazonas, 1992.
Cohen J. Fordlândia: a grande interrogação do futuro. Belém, 1929.
Costa FA. Grande Capital e Agricultura na Amazônia. Belém: Universidade Federal do Pará, 1993.
Dean W. A luta pela borracha no Brasil: um estudo de história ecológica. São Paulo: Ed. Nobel, 1989.
Franco E. O Tapajós que eu vi. Santarém: Ed. ICBS, 1998.
Rocha GM. Cidade e empresa na Amazônia: gestão do território e desenvolvimento local. Belém: Paka-Tatu, 2002.
Santos PR. Tupaiulândia. Santarém: ICBS, 1999.
Weinstein B. A borracha na Amazônia: expansão e decadência, 1850-1920. São Paulo: Hucitec/Edusp, 1993.

Downloads

Publicado

2008-12-31

Como Citar

Sena, C. (2008). Fordlândia: breve relato da presença americana na Amazônia. Cadernos De História Da Ciência, 4(2), 89–108. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2008.v4.35751