Alguns aspectos da saúde pública e do urbanismo higienista em São Paulo no final do século XIX

Autores

  • Giovana Carla Mastromauro Doutoranda em História, no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2010.v6.35799

Palavras-chave:

Urbanismo higienista, Saúde pública, Cortiços, Isolamento, História da ciência

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir aspectos da história da cidade de São Paulo no final do século XIX na perspectiva do urbanismo higienista. Com o alto índice de epidemias e de insalubridade em locais públicos e privados, as preocupações e a problematização da cidade neste período indicavam a necessidade de intervenções sanitárias severas no ambiente urbano, de modo a fazer dele um lugar limpo e agradável a seus habitantes. Os objetivos tinham por foco a higiene urbana. Assim, a partir do século XIX, uma lógica de salubridade passa a se impor para as cidades, utilizando ideais de higiene elaboradas por médicos higienistas combinados com a técnica desenvolvida pelos engenheiros sanitaristas. Dessa forma, o diálogo entre os diversos profissionais se estabelece, atuando complementarmente. Como pano de fundo desse debate encontra-se duas teorias médicas que serviram como base para as intervenções no meio urbano: a teoria miasmática e a teoria bacteriológica. Interessa especificamente neste artigo combinar o debate das duas teorias com as técnicas de desinfecção e isolamento promovidas pelo Estado a partir da denúncia de um local insalubre. Dentro desse contexto, a presente comunicação se restringe a entender como as teorias médicas influenciaram as ações empregadas na cidade de São Paulo nas regulamentações e intervenções feitas aos doentes e às moradias insalubres que surgiram no final do séc. XIX.

Referências

Almeida, M. República dos invisíveis: Emílio Ribas, microbiologia e saúde pública em São Paulo, 1898 – 1917). Bragança Paulista (SP): Editora Universitária São Francisco, 2003. (série Ciência, Saúde e Educação)
Bonduki, N. Origens da habitação social no Brasil. Arquitetura moderna, lei do inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Edição liberdade, FAPESP, 1998.
Bresciani, MS. “Sanitarismo e configuração do espaço urbano”. In: Cordeiro, SL (org.). Os cortiços de Santa Efigenia: sanitarismo e urbanização (1893). São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
____________. Imagens de São Paulo: Estética e Cidadania. In: Ferreira, AC et al. (org.). Encontros com a História: percursos históricos e historiográficos de São Paulo. São Paulo: Editora UNESP, 1999.
Corbin, A. Saberes e odores. O Olfato e o Imaginário Social nos Séculos XVIII e XIX. São Paulo: Companhia das letras, 1987.
Calabi, D. Storia dell´urbanistica europea. Milano: Paravia Bruno Mondadori, 2004.
Chernoviz, N. Dicionário de medicina popular. Rio de Janeiro: [s.i.], 1890.
Foucault, M. A microfísica do poder. 12ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998.Gambeta, W. “Soldados da saúde: a formação dos serviços sanitários em São Paulo”. São Paulo. [Dissertação]. São Paulo: Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 1988.
Guiraud, L. Manuel d’Hygiène. 4ª ed. Tome I e II. Paris: Masson et Cie Ed., 1922.
Matromauro, GC. Urbanismo na São Paulo Imperial: O Hospital de Isolamento e o Cemitério do Araçá. [Dissertação]. São Paulo: PUC-Campinas, 2008.
Merhy, EE. O capitalismo e a saúde pública. A emergência das práticas sanitárias no estado de São Paulo. 2ª ed. Campinas: Papirus, 1987.
Lemos, CAC. A República ensina a morar (melhor). São Paulo: Hucitec, 1999.
Mascarenhas, R. Contribuição para o estudo da administração sanitária estadual em São Paulo. [Tese]. São Paulo: Faculdade de Higiene e Saúde Pública, Universidade de São Paulo, 1949.
Ottolenghi, D. Trattato d’Igiene. v.1. Milano: Dottor Francesco Vallardi, 1933.
Pagliani, L. Trattato di Igiene e di Sanità Pubblica colle applicazionu alla ingegneria e alla Vigilanza Sanitaria. v.1. Milano: Dottor Francesco Vallardi, 1913.
Ribeiro, MA. História sem fim: inventário da saúde pública: São Paulo 1880 – 1930. São Paulo: Universidade Paulista, 1993.
___________. Os cortiços no distrito de Santa Efigenia (1893). In: Cordeiro, SL (org.). Os cortiços de Santa Efigenia: sanitarismo e urbanização (1893). São Paulo: Imprensa Oficial, 2010.
Rochard, J. Encyclopédie D´Hygiene et de Medicine Publique. t. III. Paris: Lecrosnier et Babe, Libraires-Editour, 1891.
Rosen, G. Uma historia da saúde pública. Rio de Janeiro: Hucitec, 1994.
Sposati, AO (Org.). A secretaria de higiene e saúde da cidade de São Paulo: história e memória: documento comemorativo do quadragésimo aniversário. São Paulo: Departamento do Patrimônio Histórico, 1985.
Teixeira, LA. Na arena do esculápio: a sociedade de medicina e cirurgia de São Paulo (1895 – 1913). São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 2007.
Tellaroli Junior, R. Poder e Saúde: as epidemias e a formação dos serviços de saúde em São Paulo. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1996.

Relatórios
Relatório da Comissão dos Cortiços de Santa Efigenia 1893.
Relatório do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo sobre a organização sanitária do Estado, cap. III - Do Isolamento – Remoção de contagiados – 1894a. Museu de Saúde Pública Emílio Ribas.
Relatório do Serviço Sanitário do Estado de São Paulo sobre a organização sanitária do Estado, cap. V - Da Hygiene da Habitação – Saneamento da Capital – 1894b. Museu de Saúde Pública Emílio Ribas.

Downloads

Publicado

2010-12-31

Como Citar

Mastromauro, G. C. (2010). Alguns aspectos da saúde pública e do urbanismo higienista em São Paulo no final do século XIX. Cadernos De História Da Ciência, 6(2), 45–63. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2010.v6.35799