As amas de leite e a regulamentação biomédica do aleitamento cruzado: contribuições da socioantropolologia e da história

Autores

  • Carolina Luisa Alves Barbieri Pós-graduanda (Doutorado) em Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.
  • Márcia Thereza Couto Cientista Social, Docente do Programa de Pós-Graduação em Medicina Preventiva, Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2012.v8.35821

Palavras-chave:

Aleitamento Materno, Antropologia, História, Cuidado da Criança

Resumo

Esse artigo traz uma revisão crítica da literatura sobre as amas de leite, por meio da recuperação do processo histórico da emergência e declínio dessa prática no Brasil, levando em conta aspectos sociais, político-econômicos e culturais que influenciaram tal processo. Metodologicamente, partiu-se da interface sinérgica da abordagem do fenômeno histórico com a leitura socioantropológica, esta norteada pela noção de fato social total de Marcel Mauss. Por meio da apropriação da perspectiva antropológica, que enfatiza a diversidade e considera os símbolos e significados envolvidos na constituição de discursos sobre as amas de leite em nossa sociedade, a reflexão percorre a herança cultural europeia, as mudanças iniciadas no século XIX até sua regulamentação no século XX, as influências da medicina higienista, da puericultura e do advento de epidemia HIV/AIDS

Referências

Alcântara P. Causas e remédios sociais da mortalidade infantil. São Paulo: Revista Tribunais,1945.
Almeida JAG, Novak FR. Amamentação: um híbrido natureza-cultura. J Pediatr.Rio de Janeiro,2004; v(80) n(5 Supl): 119-125.
______. et al. Os Bancos de Leite Humanos no Brasil. In: Issler H. O aleitamento materno nocontexto atual. São Paulo: Sarvier, 2008; p.163-170.
Arantes CIS. Amamentação: visão das mulheres que amamentam. J. Pediatr. Rio de Janeiro, 1995,v(71) n(4): 195-202.
Araujo LDS. Querer/poder amamentar: uma questão de representação? Londri-na: Editora UEL,1997.
Arruda CC. Da mortalidade infantil, suas causas e os meios de evita-la. In: I Con-gresso Brasileirode Proteção à Infância, no Rio de Janeiro em 1922: 7º Bole-tim (1926) – Teses oficiais,memórias e conclusões. Rio de Janeiro: Empresa Gráfica Editora Paulo, 1926.
Badinter E. Um amor conquistado – O mito do amor materno. 7. ed. Rio de Ja-neiro: Editora Nova Fronteira, 1985.
Bandeira M. Libertinagem, 1930. In: Bandeira M. Libertinagem e Estrela da Ma-nhã. Rio dejaneiro: Editora Nova Fronteira, 2000; p.63.
Bosi MLM, Machado MT. Amamentação: um resgate histórico. Caderno Esp - Es-cola de SaúdePública do Ceará. 2005, v(1) n(1).
Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.415, (Dez 12, 1996).
Carneiro MER. Uma cartografia das amas-de-leite na sociedade carioca oitocen-tista. Textos de História. 2007, v(15) n(1 e 2): 121-142.
Civiletti MVP. O cuidado da criança pequena no Brasil escravista. Cad. Pesq. São Paulo. 1991, v(76): 31-40.
CPIHTS (Centro Português de Investigação em História e Trabalho Social. Código de Hamurabi [internet]. [Acesso em 14/01/2011]. Disponível em: In: http://www.cpihts.com/PDF/C%C3%B3digo%20hamurabi.pdf.
Costa JF. Ordem médica e norma familiar. 4. ed. [S. I]: Graal, 1999.
Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2009.
Freire MML. Mulheres, mães e médicos. Discurso maternalista no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.
______. ‘Ser mãe é uma ciência’: mulheres, médicos e a construção da materni-dade científica na década de 1920. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, 2008, v(15): 153-171.
Freyre G. Casa-grande e senzala. 19. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1978.
Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.
Herzlich C. Saúde e doença no início do século XXI: entre a experiência privada e a esfera pública. Physis: Rev. Saúde Coletiva, 2004, v(14) n(2): 383-394.
Ichisato SMT, Shimo AKK. Revisitando o desmame precoce através de recortes da história. Rev Latino-Am Enfermagem, 2002, v(10) n(4): 578-85.
Le Goff J. A História nova. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
Magalhães EKC, Giacomini SM. A escrava ama-de-leite: anjo ou demônio? In: Barroso C, Costa AO. Mulher mulheres. São Paulo: Cortez/ Fundação Carlos Chagas, 1983.
Marques HHS. Infecção materna. In: Issler H. O aleitamento materno no contexto atual. São Paulo: Editora Sarvier, 2008; p.465-472.
Mauss M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. Moncorvo Filho A.Regulamentação das amas de leite no Brasil. In: I Congresso Brasileiro deProteção à Infância, no Rio de Janeiro em 1922: 7º Boletim (1926) – Teses oficiais,memórias e conclusões. Rio de Janeiro: Empresa Grá-fica Editora Paulo: 1926, p.337-338.
Mota A, Schraiber LB. A infância da gente paulista: discurso eugênico nos anos de 1930-1940. In: Mota A, Schraiber LB. Infância e saúde - perspectivas his-tóricas. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2009.
Mott MLB, et al. O gesto que salva: Pérola Byington e a Cruzada Pró-Infância. São Paulo: GrifoProjetos Históricos e Editoriais, 2005.
Nakano AMS. O Aleitamento materno no cotidiano feminino [Tese de doutora-do]. Ribeirão Preto(SP): Universidade de São Paulo; 1996. Novaes HMD. A puericultura em questão. In: Mota A, Schraiber LB. Infância e saúde - perspectivas históricas. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2009.
Orlandi O. Teoria e prática do amor à criança – Introdução à pediatria social no Brasil. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.
Pereira JS. História, Ciência e Infância. Belo Horizonte: Fino Traço Editora, 2008.
Rocha JFT, Rocha HHP. De criadeira a fazedoras de anjos: as amas de leite e a criança desvalida sob o olhar da medicina. In: Mota A, Marinho MGSMC (Org). Práticas Médicas e de Saúde nos Municípios Paulistas: A história e suas interfaces. São Paulo: USP, Faculdade de Medicina: CD.G Casa de Soluções e editora, 2011.
Santos MJM. Ama de leite na sociedade tradicional- Uma leitura de folhetos de cordel. Revista da Faculdade de Letrase História, Universidade de Porto, Portugal, 1987, v(4): 213-226.
Silva IA. Amamentar – uma questão de assumir riscos ou garantir benefícios. São Paulo: Robeeditorial, 1997.
Vailati LL. Institucionalização da prática médica e as representações da morte infantil no Brasil (século XIX). In: Mota A, Schraiber LB. Infância e saúde - perspectivas históricas. São Paulo: Hucitec/Fapesp, 2009.
Wadsworth JE. Moncorvo Filho e o problema da infância: modelos institucionais e ideológicos daassistência à infância no Brasil.Rev. Bras. Hist., São Paulo,1999, v(19)n(37).

Downloads

Publicado

2012-06-30

Como Citar

Barbieri, C. L. A., & Couto, M. T. (2012). As amas de leite e a regulamentação biomédica do aleitamento cruzado: contribuições da socioantropolologia e da história. Cadernos De História Da Ciência, 8(1), 61–76. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2012.v8.35821