Ocorrência de bactérias heterotróficas, coliformes totais e Escherichia coli em amostras de água de abastecimento público de dois municípios do Estado de São Paulo

Autores

  • Angie Mendes Specian Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Angela Mendes Pereira Specian Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Adriana Loureiro do Nascimento Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Rute Dal Col
  • Vilma dos Santos Menezes Gaiotto Daros Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Elaine Cristina de Mattos
  • Valeria Rocha da Silva Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças

Palavras-chave:

bactéria, coliformes totais, abastacimento publico

Resumo

Segundo a portaria de consolidação do
Ministério da Saúde n°5, água para consumo
humano é a água potável destinada à
preparação e produção de alimentos, higiene
pessoal e ingestão e deve atender aos padrões
de potabilidade a fim de não apresentar riscos
à saúde.1
Os padrões de potabilidade da água para
consumo humano, descritos pela Portaria
supracitada, definem como critério microbiológico
a ausência de coliformes totais e
Escherichia coli e, ainda, limita a contagem
de bactérias heterotróficas ao máximo de 500
UFC/mL, sendo este último um parâmetro
para qualificar a integridade do sistema de
abastecimento, tanto da rede como do reservatório,
que deve ser feita em 20% das amostras
mensais nos sistemas de distribuição.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Ministério da Saúde. Portaria de
consolidação n°5, de 28 de setembro de
2017. Consolidação das normas sobre as
ações e os serviços de saúde do Sistema
Único de Saúde. Diário Oficial da União.
03 out. 2017; Seção 1, Supl n° 190:360.
2. Oliveira ACDG. Bactérias Heterotróficas
e Autotróficas Envolvidas na Remoção
de Nitrogênio de Lixiviado de Aterro
Sanitário em Reator de Leito Móvel.
[dissertação]. Londrina(PR): Universidade
Estadual de Londrina; 2012.
3. Hofstra H, Huisin’t Veld. JHJ Methods for
the detection and isolation of Escherichia
coli including pathogenic strains. J Appl
Bacterio. 1988;65(Suppl):197S-212S.
4. Schneider RN, Nadvorny A, Schmidt V.
Perfil de resistência antimicrobiana de
isolados de Escherichia coli obtidos de
águas superficiais e subterrâneas, em área de
produção de suínos. Biotemas. 2011;22(3).
doi 10.5007/2175-7925.2009v22n3p11
5. Valentim LSO, Elmec AM, Junior
RJM, Bataiero MO. Novos cenários de
produção e de vigilância da qualidade da
água para consumo humano – 20 anos
de Proágua no Estado de São Paulo –
Parte I. BEPA. 2012; 9(100):29-39
6. São Paulo (Estado). Secretaria da
Saúde. Orientações para a pactuação
municipal e regional dos indicadores
do SISPACTO - 2018. São Paulo;
SES/SP; 2017. 70 p. tab.
7. Instituto Brasileiro de Geografia e
Estatística – IBGE. Pesquisa Nacional
por Amostra de Domicílios – PNAD
[base de dados na internet]. [acesso
em 23 ago 2020]. Disponível em:
https://perfil.seade.gov.br/
8. American Public Health Association
– APHA. Standard methods for the
examination of water and wastewater.
22st ed. Washigton, DC, New York:
American Public Health Association;
2012.
9. World Health Organization.
Guidelines for drinking-water quality.
4. ed. Geneva: OMS; 2011.
10. Júnior CJS, Silva JP, Silva JCS,
Costa AB, Silva VNT, Bastos TM.
Vigilância Ambiental: Análise do
Fornecimento de Água para Consumo
Humano. Revista Portal: Saúde e
Sociedade. 2018;3(3):876-90. doi
10.28998/2525-4200.2018v3n3.876-90
11. Silva CA, Yamanaka EHU, Monteiro CS.
Monitoramento microbiológico da água de
BEPA 2021;18(205):13-22
página 22
Eng Sanit Ambient. 2017; 22(2): 271-5.
doi 10.1590/S1413-41522016158283.
12. Silva AC, Pinto RMM, Filho VEM,
Mouchreck AN, Bretas AA. Qualidades das
águas fornecidas por bebedouros destinados
ao consumo humano e sua relação com
a saúde. Braz. J. Hea. Rev. 2020;3(1):
777-84. doi 10.34119/bjhrv3n1-061.
13. Ramos GDM, Machado Junior HF,
Silva VL, Castelan FG, Guerra AF,
Fernandes MM et al. Qualidade
microbiológica da água consumida
pela população do Distrito do Sana,
Macaé, Rio de Janeiro. Rev. Inst.
Adolfo Lutz. 2008;67(2): 100-05.
14. Ministério da Saúde. Secretaria de
Vigilância em Saúde. Departamento de
Vigilância em Saúde Ambiental
e Saúde do Trabalhador. Diretriz
Nacional do Plano de Amostragem
da Vigilância da Qualidade da Água
para Consumo Humano [boletim
na internet]. Brasília: Ministério da
Saúde; 2016 [acesso em 13 set 2020].
51 p. Disponível em: http://bvsms.
saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretriz_
nacional_agua_consumo_humano.pdf
15. Oliveira A, Magalhães TB, Mata
RN, Santos FSG, Oliveira DC,
Carvalho JLB, et al. Sistema de
Informação de Vigilância da Qualidade
da Água para Consumo Humano
(Sisagua): características, evolução e
aplicabilidade. Epidemiol. serv. saúde.
2019;28(1):e2018117. doi 10.5123/
s1679-49742019000100024.

Downloads

Publicado

2021-03-18

Como Citar

1.
Mendes Specian A, Mendes Pereira Specian A, Loureiro do Nascimento A, Dal Col R, dos Santos Menezes Gaiotto Daros V, Cristina de Mattos E, Rocha da Silva V. Ocorrência de bactérias heterotróficas, coliformes totais e Escherichia coli em amostras de água de abastecimento público de dois municípios do Estado de São Paulo. Bepa [Internet]. 18º de março de 2021 [citado 7º de julho de 2022];18(205). Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/BEPA182/article/view/34720

Edição

Seção

Informe Epidemiológico

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)