Situação epidemiológica do tracoma em crianças no município de Pirapora do Bom Jesus, São Paulo

  • Victor Fuentes de Carvalho Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Norma Helen Medina Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Maria Angela Maurício Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Shizuko Nishimura Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo. Coordenadoria de Controle de Doenças
  • Claudio Alves de Albuquerque Secretaria Municipal de Saúde. Pirapora do Bom Jesus
Palavras-chave: tracoma, crianças, epidemiologia, doença negligenciada

Resumo

Introdução: Tracoma é uma doença infecciosa ocular, reconhecidocomo uma importante causa de cegueira, afetando, principalmente,indivíduos que vivem em regiões quentes e secas, com precáriascondições de saneamento básico, higiene e associado ao baixo níveleducacional dos pais. Segundo a Organização Mundial de Saúde(OMS), o tracoma ativo afeta cerca de 21 milhões de pessoas, comcerca de 2,2 milhões de cegos ou deficientes visuais graves e 2 milhõespossuem triquíase. A transmissão pode ser direta ou indireta e ocorreprincipalmente em crianças. O tratamento é feito com Azitromicinaem dose única e caso a doença não seja tratada, com o passar dotempo, pode causar cegueira. Para considerar o tracoma eliminadocomo um problema de saúde pública a prevalência deve ser menor doque 5%. Métodos: O estudo foi realizado em crianças pré-escolaresde 1 a 5 anos e escolares de 6 a 9 anos de idade, no município dePirapora do Bom Jesus, estado de São Paulo. A meta foi examinar 95% das crianças de 1 a 9 anos de idade e encontrar uma prevalênciade tracoma inflamatório menor do que 5%. Foi realizado exame ocularexterno, após atividades de educação em saúde. Todos os casos eseus familiares foram tratados. Resultados: A prevalência de tracomafoi de 1,9%, não ocorreu diferença significativa entre os sexos,porém houve significância estatística (p=0,01) entre os escolares epré‑escolares. Conclusão: O estudo provou que em Pirapora do BomJesus, o tracoma não é um problema de saúde pública.  

Referências

1. Dawson CR, Jones BR, Tarizzo ML. Guia Prático de Lucha
contra el tracoma. Genebra: O.M.S; 1981. 68p.


2. World Health Organization. WHO Alliance for the global elimination of
trachoma by 2020: progress report on elimination of trachoma 2019. Weeklyepidemiol record [internet].
2020; 30 (95): 349-60. [acesso em 28 de maio de 2021].
Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/who-wer9530


3. London Scholl of Hygiene & Tropical Medicine & Internacional Trachoma
Initiative. Trachoma Control a guide for programme managers, 2006. 53p.


4. Secretaria da Saúde (SP), Centro de Vigilância Epidemiológica.
Medina NH e cols: manual de Vigilância Epidemiológica:
tracoma: normas e instruções. 2. ed. São Paulo; 1993. 28p.


5. World Health Organization. Future Approaches to trachoma control:
report of a global scientific meeting, Genebra, WHO Programme
of Blindness and Deafness, (WHO/PBL/96.56); 1996. 46p.


6. World Health Organization. WHO Alliance for the Global
Elimination of Blinding Trachoma by 2020. Report of the 2nd
Global Scientific Meeting on Trachoma. Geneva; 2003. 27p.

7. Organização Mundial da Saúde. Luta contra as doenças tropicais
negligenciadas para atingir os objetivos do desenvolvimento
sustentável: um roteiro para as doenças tropicais negligenciadas
2021–2030 (projeto) [internet]. Genéve, 2020 [acesso em 28 de
maio de 21]. Disponível em https://www.who.int/neglected_diseases/
Revised-Draft-NTD-Roadmap-23Apr2020.pdf?ua=1

8. IBGE - Atlas Brasil - Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento a partir de Instituto Brasileiro de Geografia
e Estatística (2010) [internet]. [acesso em 19 de novembro
de 2017]. Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/9OLC


9. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Censo
demográfico 2010 [internet]. [acesso em 19 de novembro
de 2017] Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/14WQ

10. Thylefors B, Dawson CR, Jones BR, W est SK, Taylor HR.
A simple system for the assessment of trachoma and its
complications. Bull World Health Organ. 1987; 65(4):477-83.


11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde.
Departamento de Vigilância das Doenças transmissíveis: manual
de Vigilância Epidemiológica do tracoma e sua eliminação
como causa de cegueira. 2ª. ed. Brasília/DF; 2014. 53p.


12. Canineo PA, Nishimura S, Medina NH, Koizumi IK, Cardoso MRA.
Inquérito epidemiológico de tracoma em escolares no município
de Embu das Artes - SP. Arq Bras Oftalmol. 2012;75(4): 264-6.


13. Schellini SA, Lavezzo MM, Ferraz LB, Neto JO, Medina NH,
Padovani CR. Prevalência e localização espacial dos casos
de tracoma detectados em escolares de Botucatu,
São Paulo - Brasil. Arq Bras Oftalmol. 2010;73(4): 358-62.


14. Koizumi IK, Medina NH, D’Amaral RKK, Morimoto WTM, Caligaris LS A,
Chinen N et al. Prevalência de tracoma em pré-escolares e escolares
no Município de São Paulo. Rev Saude Pública. 2005;39(6):937-42.


15. Luna EJA, Lopes MFC, Medina NH, Favacho J, Cardoso
MRA. Prevalence of trachoma in schoolchildren in Brazil.
Ophthalmic Epidemiol. 2016;23:(6), 360-5.


16. Medina NH, Gattás VL, Anjos GL, Montuori C, Gentil RM. Prevalência
de tracoma em pré-escolares e escolares no município de Botucatu,
São Paulo, Brasil, 1992. Cad Saúde Pública. 2002;18(6):1537-42.


17. Freitas HS, Medina NH, Lopes MF et al. Trachoma in Indigenous
Settlements in Brazil, 2000-2008. Ophthalmic Epidemiol. 2016;23(6):354-9.
Publicado
2021-07-30
Como Citar
1.
Fuentes de Carvalho V, Helen Medina N, Angela Maurício M, Nishimura S, Alves de Albuquerque C. Situação epidemiológica do tracoma em crianças no município de Pirapora do Bom Jesus, São Paulo. Bepa [Internet]. 30º de julho de 2021 [citado 27º de janeiro de 2022];18(211):1-15. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/BEPA182/article/view/36907
Seção
Artigo Original