Estudo analítico das indicações de broncofibroscopias realizadas no serviço de cirurgia torácica do município de Piracicaba de 1997 a 2014*

  • Eduardo Baldassari Rebeis Prefeitura de Piracicaba
  • Mariana Cabau Marques Lemes Policlínica do Município de Piracicaba
  • Ermelinda de Fátima Esteves Programa de Tuberculose do Município de Piracicaba
  • Carlos Tadeu dos Santos Dias Universidade de São Paulo
  • Katia Regina de Almeida Leme Laboratório do Município de Piracicaba
  • Evaldo Marchi Faculdade de Medicina de Jundiaí
Palavras-chave: doenças respiratórias, neoplasias, tuberculose, micose

Resumo

Introdução: Os objetivos deste trabalho são: analisar a associaçãoentre indicações clínicas do exame e o diagnóstico obtido por meioda broncoscopia flexível com significância estatística e estabelecera razão de chances do diagnóstico endoscópico diante da indicaçãoclínica. Método: No período de fevereiro de 1997 a junho de 2014foram analisadas 941 broncofibroscopias no Serviço de CirurgiaTorácica do Ambulatório de Especialidades de Piracicaba. Para seassociar as variáveis utilizou-se o teste estatístico exato de Fisher,teste Qui Quadrado e a Regressão Logística para se obter a razãode chances entre as variáveis em que encontrou-se associação.Resultados: Encontrou-se associação com significância estatística eestabeleceu-se a razão de chances com intervalo de confiança de 95%respectivamente, para as seguintes variáveis estudadas: 1) atelectasia e carcinoma epidermóide, 18,5%; 2) tosse persistente e baciloscopiapositiva para o bacilo da tuberculose, 34,8%; 3) processo intersticial ebaciloscopia para tuberculose, 20,2%; 4) processo intersticial pulmonare cultura positiva para tuberculose, 25,5%. Conclusão: A atelectasia foipreditor de carcinoma epidermóide e o processo intersticial pulmonare/ou tosse foram preditores de tuberculose. Levando-se em conta oslimites do estudo deve-se aguardar trabalhos com maior consistênciapara consolidar estes resultados.

Referências

1. Silva RM. A síndrome da imunodeficiência adquirida
e o pulmão. J Pneumol. 2000;26:44-7.

2. Panchabhai TS and Mehta CA. Annals. Historical perspectives
of bronchoscopy. Annals ATS.2015;12(5):631-41.

3. Ricardo JJ, Shaefi S, Navani N. Sedation for flexible bronchoscop y:
current and emerging evidence. Eur Respir Rev 2013;22:106-16.
4. Costa AS, Scordamaglio PR, Suzuki I, Palomino ALM,Jacomelli. Indications, clinical outcomes and complicationsof1,949 flexible bronchoscopies. Einstein.2018;16(4):1-7.
5. Mohan A, Madan K, Hadda V, Tiwari P, Mittal S, Guleria
R. et al. Guidelines for diagnostic flexible bronchoscopy
in adults: joint indian chest society/national college of
chest physicians (i)/ indian association for bronchoscopy
recommendations. Lung India 2019; 36(suppl 2):S37-S89.

6. Moreira BM, Steidle LJM, Fortes DY, et al. Rendimento
diagnostico da broncoscopia flexível no hospital
universitário – UFSC. Pulmão RJ 2010;19(1-2):13-20.

7. Grande NS, Nakayama RA, Machado AMO, Yamaguti FA,
Uehara C. Avaliação do risco de contaminação por bactérias no
paciente submetido à broncoscopia após o reprocessamento
do broncoscópio. J. Pneumol..2002;28:250-9.
8. Manual de Limpeza e Desinfecção de Aparelhos Endoscópicos.
SOBEED. 2006; 2-22. www.sobeeg.com.br.14/02/2019; 16:00hs.

9. Santa Bárbara MC, Miyamaru LL. A estabilidade do ácido
periacético. Bol Inst Adolfo Lutz 2014;24(1):10-2.

10. Rebeis EB, Pinto AP, Abdalla LG, et al. Importância
da broncofibroscopia no diagnóstico de pneumopatias:
experiência do ambulatório de cirurgia torácica do município
de Piracicaba. Perspectivas Médicas.2007;18(1):1-4.

11. Gonzáles MV, Espineira RV, Serentill JC, Soler IB. Fibrobroncoscopia
en el cáncer de pulmón. Revista Cubana.1997;36(3):178-82.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de V igilância em
Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de
recomendações para o controle da tuberculose no Brasil / Ministério
da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de
Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

13. Gonsalves BD, Cavalini LT, Rodrigues CC et al. Validade
do sintoma de tosse para o diagnóstico de tuberculose
pulmonar em pacientes internados em hospital universitário.
Epidemiol Serv Saúde, Brasília 2015:24(4):777-84.

14. Saglam L, Akgun M, Aktas E. Usefulness of induced sputum
and fibreoptic bronchoscopy specimens in the diagnosis of
pulmonary tuberculosis. J Int Med Res. 2005;33(2):260-5.

15. Wood-Backer, Burdon T, Mc Gregor A, P. Fibre-optic bronchoscopy
inadults: a posicion paper of the thoracic society of Australia
and New Zeland. Internal Medicine Journal 2008;31:479-87.

16. Rand DU I A, Blaiklei J, Booton R, Chaudhuri N, Gupta V, Khalid
S, et al. Summary of britishthoracic society guideline for diagnostic
flexible bronchoscopy in adults. Thorax 2013;68:786-7.

17. Markus A, Haussinger K, Kohlhaufl M, Hauck R W.
Bronchoscopy in Germany. Cross-sectional inquiry with
681 institutions. Pneumologie.2000;54:499-507.

18. Facciolongo N, Patelli M, Gasparini S, et al. Incidence of
complications in bronchoscopy. Multicentre prospective study of
20,986 brochoscopies. Monaldi Arch Chest Dis 2009;71(1):8-14.
Publicado
2021-08-31
Como Citar
1.
Baldassari Rebeis E, Cabau Marques Lemes M, de Fátima Esteves E, Tadeu dos Santos Dias C, Regina de Almeida Leme K, Marchi E. Estudo analítico das indicações de broncofibroscopias realizadas no serviço de cirurgia torácica do município de Piracicaba de 1997 a 2014*. Bepa [Internet]. 31º de agosto de 2021 [citado 16º de outubro de 2021];18(212):1-13. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/BEPA182/article/view/37151
Seção
Artigo Original