Avaliação de desempenho dos laboratórios de sorologia para HIV pelo Instituto Adolfo Lutz

Autores

  • Márcia Jorge Castejon Instituto Adolfo Lutz
  • Rosemeire Yamashiro Instituto Adolfo Lutz
  • Carmem Aparecida de Freitas Oliveira Instituto Adolfo Lutz

Palavras-chave:

HIV, Ensaio de proficiência laboratorial, Sorologia, Anticorpos anti-HIV, Imunoensaio

Resumo

A participação de laboratórios em programas de avaliação externa da qualidade
(AEQ), também conhecidos como testes de proficiência, é essencial para todos
os laboratórios clínicos. O objetivo deste estudo foi descrever o desempenho dos
laboratórios participantes do Programa AEQ em ensaios sorológicos para o diagnóstico
da infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV). No período de março de 2020
a junho de 2021, 26 laboratórios participaram do Programa AEQ – HIV no Instituto Adolfo
Lutz. Dentre os participantes, sete laboratórios (26,9%) aderiram ao ensaio de triagem
sorológica, dez (38,5%) ao confirmatório, e nove (34,6%) em ambos os ensaios. Em
2020, o desempenho satisfatório alcançado pelos laboratórios participantes em ensaios
de triagem e confirmatório, foi de 93,8% (15/16) e 84,2% (16/19), respectivamente. No
entanto, em 2021, a porcentagem de participantes com avaliação adequada foi inferior a
2020, 86,7% (13/15) em triagem e 78,9% (15/19) em ensaio confirmatório. Os resultados
apresentados reforçaram a necessidade do monitoramento contínuo dos laboratórios, por
meio de ensaios de proficiência, visando oferecer melhor qualidade aos serviços prestados
à população.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Wang J-S, Kee M-K, Choi B-S, Kim C-W, Kim SS. Evaluation of external quality assessment
results for HIV testing laboratories in Korea using current analytical methods. Clin. Chim.
Acta. 2011; 412: 1127-32.

2. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 17.025: requisitos gerais para a
competência de laboratórios de ensaio e calibração. Brasil, 2017.

3. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO/IEC 15189: requisitos de qualidade e
competência. Brasil, 2015.

4. Castejon MJ, Yamashiro R, Oliveira CAF. Manual do participante – Programa de avaliação
externa da qualidade em ensaios sorológicos anti-HIV – AEQ HIV/IAL. 2020. [Acesso em jul.
2021]. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1053296

5. El Samad O, Baydoun R. Proficiency tests: a tool for improvement and testing analytical
performance at Gamma‑Ray Spectroscopy Laboratory. Accreditation and Quality
Assurance. 2021; 26:121-27.

6. Castejon MJ; Yamashiro R; Oliveira CAF. Avaliação externa da qualidade em ensaios
sorológicos anti-HIV no Instituto Adolfo Lutz (IAL): desempenho dos laboratórios
participantes. BEPA. 2015; 12(142):13-25.

7. Castejon MJ; Yamashiro R; Oliveira CAF. Importância da participação periódica dos
laboratórios de sorologia para HIV em Programas de Avaliação Externa da Qualidade – AEQ
HIV. BEPA. 2016; 13(147): 1-12.

8. Castejon MJ; Yamashiro R; Oliveira CAF. Importância da gestão da qualidade na realização
dos testes sorológicos de HIV. BEPA. 2019; 16(191):11-19.

9. Oliveira CA, Mendes ME. Gestão da fase analítica do laboratório: como assegurar a
qualidade na prática. 1. ed, v.2. Rio de Janeiro: ControlLab, 2011.

10. Schirm J, van Loon AM, Valentine-Thon E, Klapper PE, Reid J, Cleator GM. External quality
assessment program for qualitative and quantitative detection of hepatitis C virus RNA in
diagnostic virology. J Clin Microbiol. 2002; 40(8): 2973-80.

11. Smock K J, Moser KA. What have we learned from coagulation laboratory participation in
external quality programs? Int. J. Lab. Hematol. 2019; 41(1):49-55.

12. Vieira KF; Shitara SE; Mendes ME; Sumita NM. A utilidade dos indicadores da qualidade no
gerenciamento de laboratórios clínicos. J Bras Patol Med Lab. 2011; 47(3): 201-10.

13. Lima-Oliveira GS, Picheth G, Sumita NM, Scartezini M. Controle da qualidade na coleta do
espécime diagnóstico sanguíneo: iluminando uma fase escura de erros pré-analíticos. J
Bras Patol Med Lab. 2009; 45(6):441-47.

14. Plebani M, Carraro P. Mistakes in a stat laboratory: types and frequency. Clin Chem. 1997;
43(8): 1348-51.

15. Carraro P, Plebani M. Errors in a stat laboratory: types and frequencies 10 years later. Clin
Chem. 2007; 53(7):1338-42.

16. Sciacovelli L, Aita A, Padoan A, Pelloso M, Antonelli G, Piva E, et al. Performance criteria
and quality indicators for the post-analytical phase. Clin Chem Lab Med. 2016; 54(7): 1169-
76.

17. Plebani, M. Errors in laboratory medicine and patient safety: the road ahead. Clin Chem
Lab Med. 2007; 45(6): 700-7.

18. Plebani, M. Errors in clinical laboratories or errors in laboratory medicine? Clin Chem Lab
Med. 2006; 44(6): 750-59.

19. Castejon MJ, Yamashiro R, Oliveira CAF, et al. Performance of rapid tests compared to
conventional tests used for HIV diagnosis. J Bras Patol Med Lab. 2018; 54(6): 364-7.

20. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução RDC/ Anvisa n. 302.
Brasília (DF); Diário Oficial da União, 13 maio de 2005.

21. Marinho FLO, Santos NLL, Neves SPF, Vasconcellos LS. Influência do prazo de validade no
desempenho analítico de teste rápido para o diagnóstico do HIV. J Bras Patol Med Lab.
2020; 56: 1-5.

22. Hawkins R. Managing the pre- and post-analytical phases of the total testing process. Ann
Lab Med. 2012; 32:5-16.

23. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Seleção, uso e interpretação de programas de
ensaio de proficiência (EP) por laboratórios-2000. Séries Temáticas. Habilitação 2. Brasil,
2006.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

1.
Jorge Castejon M, Yamashiro R, Aparecida de Freitas Oliveira C. Avaliação de desempenho dos laboratórios de sorologia para HIV pelo Instituto Adolfo Lutz. Bepa [Internet]. 31º de dezembro de 2021 [citado 10º de agosto de 2022];18(216):31-44. Disponível em: //periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37268

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)