Análise da adequação do termo detox nos rótulos de bebidas industrializadas à base de frutas e vegetais

Autores

  • Sarah Morais Senna Prates Departamento de Alimentos, Faculdade de Farmácia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil
  • Juliana Sampaio Nespolo Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil
  • Natália Adan Sabion Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil
  • Luciene Alves Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil
  • Lucilene Rezende Anastácio Departamento de Nutrição, Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Uberaba, MG, Brasil

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2021.v80.37356

Palavras-chave:

Sucos de Frutas e Vegetais, Alimento Funcional, Alegações Nutricionais, Rotulagem de Alimentos, Detox

Resumo

Dietas populares, como as detox, surgem a todo o momento. Todavia, poucos dados científicos comprovam a eficácia e segurança destas dietas. Este trabalho avaliou rótulos de bebidas à base de frutas e vegetais e identificou as que se autodenominam detox. Tratou-se de estudo transversal descritivo, realizado de setembro a outubro/2016. O tamanho da porção na informação nutricional e as alegações encontradas nos rótulos foram analisados em relação às legislações vigentes.Composição nutricional, quantidade total de ingredientes e presença de aditivos alimentares e/ou outros ingredientes não usuais em preparações culinárias foram comparados entre as bebidas detox e as comuns. De 83 produtos analisados, 9,6% (n=8) se autodenominaram detox. A composição nutricional e o número médio de ingredientes não diferiram entre as bebidas detox e as comuns. Alegações nutricionais e de saúde estavam presentes em 77,1% (n=64) dos produtos e 53,0% (n=44) apresentaram alegações não previstas na RDC nº 54/2012. As informações mais frequentes foram quanto aos teores de micronutrientes, açúcares, sódio e fibras. O termo detox, apesar de não permitido, é encontrado neste tipo de produto no mercado brasileiro. Os resultados sugerem que o termo detox seja utilizado mais como estratégia de marketing do que como real alegação de propriedade nutricional.

Referências

1. Souza LML, Stangarlin-Fiori L, Costa EHS, Furtado F, Medeiros CO. Use of nutritional food labels and consumers’ confidence in label information. Rev Nutr. 2020;33e190199.https://doi.org/10.1590/1678-9865202033e190199

2. Tórtora G, Machín L, Ares G. Influence of nutritional warnings and other label features on consumers’ choice: results from an eye-tracking study. Food Res Int. 2019;119:605–11. https://doi.org/10.1016/j.foodres.2018.10.038

3. Capacci S, Mazzocchi M, Shankar B, Macias JB, Verbeke W, Pérez-Cueto FJ et al. Policies to promote healthy eating in Europe: a structured review of policies and their effectiveness. Nutr Rev. 2012;70(3):188–200. https://doi.org/10.1111/j.1753-4887.2011.00442.x

4. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ResoluçãoRDC no 259, de 20 de setembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 set 2002. Seção 1(184):33-4.

5. Colby SE, Johnson L, Scheett A, Hoverson B. Nutrition marketing on food labels. J Nutr Educ Behav. 2010;42(2):92–8. https://doi.org/10.1016/j.jneb.2008.11.002

6. Obert J, Pearlman M, Obert L, Chapin S. Popular weight loss strategies: a review of four weight loss techniques. Curr Gastroenterol Rep. 2017;19(12):61. https://doi.org/10.1007/s11894-017-0603-8

7. Klein AV, Kiat & H. Detox diets for toxin elimination and weight management: a critical review of the evidence. J Hum Nutr Diet. 2015;28(6):675–86. https://doi.org/10.1111/jhn.12286

8. Cohen M. “Detox”: science or sales pitch? Aust Fam Physician. 2007;36(12):1009–10.

9. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Anvisa. Anvisa suspende publicidade de 21 produtos detox. 2015 [acesso 2020 Set17]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/resultado-de-busca?p_p_id=101&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-1&p_p_col_count=1&_101_struts_action=%2Fasset_publisher%2Fview_content&_101_assetEntryId=428222&_101_type=content&_101_groupId=21

10. Silva EBM, Vieira VRM, Gonçalves SARO, Takahashi JA, Araújo RLB. Análise da rotulagem de bebidas mistas de frutas e vegetais denominadas detox. Vigil Sanit Debate. 2021;9(3):130-6. https://doi.org/10.22239/2317-269x.01458

11. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 54, de 12 de novembro de 2012. Dispõe sobre o Regulamento Técnico sobre Informação Nutricional Complementar. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 13 nov 2012.Seção 1(219):122-6.

12. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 18, de 30 de abril de 1999. Dispõe sobre o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas para análise e comprovação de propriedades funcionais e ou de saúde alegadas em rotulagem de alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 03 dez 1999 (republicada). Seção1(231):23-4.

13. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC no 19, de 30 de abril de 1999. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de procedimentos para registro de alimento com alegação de propriedades funcionais e ou de saúde em sua rotulagem. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 dez 1999 (republicada). Seção 1(236):32.

14. Brasil. Ministério da Saúde. Desmistificando dúvidas sobre alimentação e nutrição: material de apoio para profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso 2020 Set 17]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/desmistificando_duvidas_sobre_alimentação_nutricao.pdf

15. Slavin JL, Lloyd B. Health benefits of fruits and vegetables. Adv Nutr. 2012;3(4):506–16. https://doi.org/10.3945/an.112.002154

16. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Básica à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira. 2. ed., 1reimpr. Brasília: Ministério da Saúde; 2014 [acesso 2020 Set 17]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_alimentar_populacao_brasileira_2ed.pdf

17. Presidência da República (BR). Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei No 8.918, de 14 de julho de 1994. Dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas, autoriza a criação da Comissão Intersetorial de Bebidas e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 15 jul 1994.Seção 1(134):1-2

18. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ResoluçãoRDC no 359, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento Técnico de Porções de Alimentos Embalados para Fins de Rotulagem Nutricional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 dez 2003.Seção 1(251):28-32.

19. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. ResoluçãoRDC no 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova o Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 26 dez 2003. Seção 1(251):33-5.

20. Freire R. Scientific evidence of diets for weight loss: different macronutrient composition, intermittent fasting, and popular diets. Nutrition. 2020;69:110549. https://doi.org/10.1016/j.nut.2019.07.001

21. Passos JA, Vasconcellos-Silva PR, Santos LAS. Ciclos de atenção a dietas da moda e tendências de busca na internet pelo Google trends. Ciên Saúde Colet. 2020;25(7):2615–31. https://doi.org/10.1590/1413-81232020257.23892018
22. Marangoni JS, Maniglia FP. Análise da composição nutricional de dietas da moda publicadas em revistas femininas. Rasbran. 2017;8(1):31–6.

23. Branquinho MR, Ferreira RTB, Cardarelli-Leite P. Survey of compliance with labeling legislation in food containing GMOs in Brazil. J Food Compost Anal. 2010;23(3):220–5.https://doi.org/10.1016/j.jfca.2009.09.004

24. Cunha ML, Vieira VRM, Santana AR, Anastácio LR. Food allergen labeling: compliance with the mandatory legislation in Brazil. Food Sci Technol. 2020;40(3):698-704. https://doi.org/10.1590/fst.16219

25. Mattioni B, Scheuer PM, Antunes AL, Paulino N, de Francisco A. Compliance with gluten-free labelling regulation in the brazilian food industry. Cereal Chem 2016;93(5):518–22. https://doi.org/10.1094/CCHEM-08-15-0158-R

26. Baldani MM, Pascoal GB, Rinaldi AEM. Labeling and commercial promotion of infant formulas retailed in Brazil. Demetra. 2018;13(2):413-25. https://doi.org/10.12957/demetra.2018.32911

27. Monteiro C, Cannon G, Levy R, Moubarac J, Jaime P, Martins Aet al. NOVA. The star shines bright. Word Nutr. 2016;7(1–3):28–38. Disponível em: https://worldnutritionjournal.org/index.php/wn/article/view/5

28. Monteiro CA, Levy RB, Claro RM, De Castro IRR, Cannon G. Increasing consumption of ultra-processed foods and likely impact on human health: evidence from Brazil. Public Health Nutr. 2011;14(1):5–13. https://doi.org/10.1017/S1368980010003241

29. Louzada ML, Baraldi LG, Steele EM, Martins APB, Canella DS, Moubarac JC et al. Consumption of ultra-processed foods and obesity in Brazilian adolescents and adults. Prev Med. 2015;81:9–15. https://doi.org/10.1016/j.ypmed.2015.07.018

30. Saba A, Vassallo M, Shepherd R, Lampila P, Arvola A, Dean M et al. Country-wise differences in perception of health-related messages in cereal-based food products. Food Qual Prefer. 2010;21(4):385–93. https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2009.09.007

31. van Trijp HCM, van der Lans IA. Consumer perceptions of nutrition and health claims. Appetite. 2007;48(3):305–24. https://doi.org/10.1016/j.appet.2006.09.011

32. Lyly M, Roininen K, Honkapää K, Poutanen K, Lähteenmäki L. Factors influencing consumers’ willingness to use beverages and ready-to-eat frozen soups containing oat β-glucan in Finland, France and Sweden. Food Qual Prefer. 2007;18(2):242–55.https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2005.12.001

33. Chen MC, Chien YW, Yang HT, Chen Y. Marketing strategy, serving size, and nutrition information of popular children’s food packages in Taiwan. Nutrients. 2019;11(1):174. https://doi.org/10.3390/nu11010174

34. Duran AC, Ricardo CZ, Mais LA, Martins APB, Taillie LS. Conflicting messages on food and beverage packages: front-of-package nutritional labeling, health and nutrition claims in Brazil. Nutrients. 2019;11(12):2967. https://doi.org/10.3390/nu11122967

35. Verrill L, Wood D, Cates S, Lando A, Zhang Y. Vitamin-fortified snack food maylead consumers to make poor dietary decisions. J Acad Nutr Diet. 2017;117(3):376–85.https://doi.org/10.1016/j.jand.2016.10.008

36. Kalergis M, MacDonald A. Discretionary food fortification: implications of consumer attitudes. Can J Diet Pract Res. 2009;70(4):e26–31. https://doi.org/10.3148/70.4.2009.e26

37. Iles IA, Nan X, Verrill L. Nutrient content claims: how theyimpact perceived healthfulness of fortified snack foods and the moderating effects of nutrition facts labels. Health Commun. 2018;33(10):1308–16. https://doi.org/10.1080/10410236.2017.1351277

38. Nobrega L, Ares G, Deliza R. Are nutritional warnings more efficient than claims in shaping consumers’ healthfulness perception? Food Qual Prefer. 2020;79:103749.https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2019.103749

39. Bialkova S, Sasse L, Fenko A. The role of nutrition labels and advertising claims in altering consumers’ evaluation and choice. Appetite. 2016;96:38–46. https://doi.org/10.1016/j.appet.2015.08.030

40. Rebouças MC, Rodrigues MCP, Freitas SM de. How label and nutritional claims affect consumers’ acceptance, buying intention and quality perception toward a beverage made from cashew nut. Nutr Food Sci. 2019;49(6):1243–51. https://doi.org/10.1108/NFS-11-2018-0309

41. Loebnitz N, Grunert KG. Impact of self-health awareness and perceived product benefits on purchase intentions for hedonic and utilitarian foods with nutrition claims. Food Qual Prefer. 2018;64:221–31. https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2017.09.005

42. Pinto VRA, Freitas TBO, Dantas MIS, Della Lucia SM, Melo LF, Minim VPR et al. Influence of package and health-related claims on perception and sensory acceptability of snack bars. Food Res Int. 2017;101:103–13. https://doi.org/10.1016/j.foodres.2017.08.062

43. Williams P. Consumer understanding and use of health claims for foods. Nutr Rev. 2005;63(7):256–64. https://doi.org/10.1301/nr.2005.jul.256-264

Arquivos adicionais

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Prates, S. M. S. ., Nespolo, J. S. ., Sabion, N. A. ., Alves, L. ., & Anastácio, L. R. . (2021). Análise da adequação do termo detox nos rótulos de bebidas industrializadas à base de frutas e vegetais . Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 80, 1–13,e37356. https://doi.org/10.53393/rial.2021.v80.37356

Edição

Seção

ARTIGO ORIGINAL