Comparação entre métodos de pré-tratamento para determinação de sujidades leves em amostras de cúrcuma (Curcuma longa L.) e páprica (Capsicum annuum L.)

Autores

  • Sonia de Paula Toledo Prado Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Centro de Laboratório Regional de Ribeirão Preto, Instituto Adolfo Lutz, Ribeirão Preto, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0001-6270-4044
  • Maria Helena Iha Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Centro de Laboratório Regional de Ribeirão Preto, Instituto Adolfo Lutz, Ribeirão Preto, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0222-2841
  • Matheus Leandro Rodrigues Núcleo de Ciências Químicas e Bromatológicas, Centro de Laboratório Regional de Ribeirão Preto, Instituto Adolfo Lutz, Ribeirão Preto, SP, Brasil https://orcid.org/0000-0002-8758-9633

DOI:

https://doi.org/10.53393/rial.2021.v80.37478

Palavras-chave:

Especiarias, Contaminação de Alimentos, Química Verde, Microscopia, Estudo de Validação, Metodologia

Resumo

O estudo teve como objetivo modificar, otimizar e avaliar através de estudo comparativo um método para a extração de sujidades leves em amostras de cúrcuma (Curcuma longa L.) e páprica (Capsicum annuum L.). Foram analisadas dez amostras de cúrcuma e vinte de páprica. As etapas de pré-tratamento dos métodos da AOAC, 975.49 (16.14.05) para cúrcuma e 977.25b (16.14.22) para páprica, foram modificadas, com adição do extrator Soxhlet. A avaliação do desempenho analítico foi realizada pela comparação entre os resultados das recuperações dos métodos. A recuperação média para cúrcuma utilizando o método AOAC foi 91,9% para fragmentos de insetos e 97,0% para pelos de roedor, enquanto que para o método modificado foi de 89,6% e 97,4%, respectivamente. Para páprica, usando método original a recuperação foi de 93,1% para os fragmentos de insetos e 96,5% para pelos de roedor, e para o método modificado, 92,2% e 93,1%, respectivamente. A análise estatística mostrou que não houve diferença significante entre os métodos. Apesar do maior tempo de análise, o método modificado apresenta vantagens tais como: permitir realização de análises simultâneas, baixa complexidade, economia de 57% de solvente e desempenho satisfatório, sendo uma alternativa para pesquisa de sujidades leves nas especiarias estudadas.

Referências

1. Ganjre A, Kathariya R, Bagul N, Pawar V. Anti-carcinogenic and anti-bacterial properties of selected spices: implications in oral health. Clin Nutr Res. 2015;4(4):209-15. https://doi.org/10.7762/cnr.2015.4.4.209

2. Mathew AG. Natural food flavors and colorants. 2.ed. John Wiley & Sons; 2017.

3. Atui MB, Castejon MJ, Yamashiro R, De Lucca T, Flinn PW. Condições higiênico-sanitárias da pimenta do reino em pó (Piper nigrum L.) com o emprego de duas diferentes técnicas para detecção de sujidades leves. Rev Inst Adolfo Lutz. 2009;68(1):96-101. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/RIAL/article/view/32748

4. Correia M, Daros VSMG, Silva RP. Matérias estranhas em canela em pó e páprica em pó, comercializadas no estado de São Paulo. Cienc Tecnol Aliment. 2000;20(3):375-80. https://doi.org/10.1590/S0101-20612000000300016

5. Association of Official Analytical Collaboration (AOAC) International – AOAC International. Extraneous Materials: Isolation. In: Latimer GW, organized. Official Methods of Analysis of AOAC International; 2016.

6. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n. 14, de 28 de marco de 2014. Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e da outras providencias. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 31 mar 2014. Seção 1(61):58-61.

7. Dent RG. Elements of filth detection. In: Gorham JR, editor. Principles of food analyses for filth decomposition and foreign matter. 2.ed. Washinton, DC: FDA; 1981.

8. Anastas PT, Warner JC. Green chemistry: theory and practice. New York: Oxford University Press;1998.

9. Anastas P, Eghbali N. Green chemistry: principles and practice. Chem Soc Rev. 2010;39(1):301-12. https://doi.org/10.1039/B918763B

10. Luque de Castro MD, Priego-Capote F. Soxhlet extraction: past and present panacea. J Chromatogr A. 2010;1217(16):2383-9. https://doi.org/10.1016/j.chroma.2009.11.027

11. Alara OR, Abdurahman NH, Ukaegbu CI. Soxhlet extraction of phenolic compounds from Vernonia cinerea leaves and its antioxidant activity. J Appl Res Med Aromat Plants. 2018;11:12-7. https://doi.org/10.1016/j.jarmap.2018.07.003

12. Dimov MN, Silveira VR, Elian SN, Penteado MVC. Extração de sujidades leves em farinha de trigo integral: validação de metodologia. Rev Inst Adolfo Lutz. 2004;63(1):91-6. Disponível em:

https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/RIAL/article/view/34799

13. Brickey PM. Gecan JS, Thrasher JJ, Eisenberg WV. Notes on Microanalytical Techniques in the Analysis of Foods for Extraneous Materials. J Assoc Off Anal Chem. 1968;51(4):872-6. https://doi.org/10.1093/jaoac/51.4.872

14. Teerink BJ. Hair of West-European Mammals. Cambridge (UK): Cambridge University Press; 1991.

15. Glaze LE, Bryce, JR. Extraction of light filth from whole wheat flour, flotation method: collaborative study. J AOAC Int. 1994;77(5):1150-2.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Prado, S. de P. T. ., Iha, M. H. ., & Rodrigues, M. L. . (2021). Comparação entre métodos de pré-tratamento para determinação de sujidades leves em amostras de cúrcuma (Curcuma longa L.) e páprica (Capsicum annuum L.). Revista Do Instituto Adolfo Lutz, 80, 1–9,e37478. https://doi.org/10.53393/rial.2021.v80.37478

Edição

Seção

COMUNICAÇÃO BREVE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>