O impacto do paciente oncológico ativista no ecossistema de saúde

  • Ludmilla Rossi de Oliveira
Palavras-chave: Câncer, Paciente ativista, Paciente cativo, Paciente fleumático

Resumo

Por meio de iniciativas independentes, pacientes manifestam-se de acordo com três diferentes grupos comportamentais: cativos, fleumáticos e ativistas. O presente ensaio discute a importância dos pacientes ativistas no ecossistema da saúde pública e privada do Brasil. Os pacientes oncológicos ativistas e seus projetos geram impacto em outros pacientes, em toda a cadeia dos profissionais de saúde e na consciência da população. A participação dos pacientes ativistas em iniciativas, como microcanais de conteúdo em redes sociais, campanhas e participação em Organizações Não Governamentais, também é essencial para a conscientização, desde que ofereçam representatividade e responsabilidade. Oativismo dos pacientes não está ligado a um perfil específico, mas sim a um grande desejo de conexão com outras pessoas, queestejam vivendo experiências ou dificuldades similares. O ativismo pode ser encarado como uma atividade recorrente, voluntária e odesejo de construir mudanças de comportamento. As biografias e projetos dos pacientes ativistas são transformados em legado,quebrando o estereótipo de uma pessoa doente para uma pessoa que protagoniza seu tratamento, disseminando sua experiência. Tornam-se necessários novos diálogos sobre a relação dos profissionais de saúde com seus pacientes e da responsabilidade dos pacientes ativistas com suas audiências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

01. Soares AM. Enquanto eu Respirar. Rio de Janeiro: Editora Sextante; 2019.
02. Palacios F, Terenzzo M. O guia completo do Storytelling. Rio de Janeiro: Alta Books; 2016.
03. Gladwell M. O ponto de desequilíbrio. Rio de Janeiro: Rocco; 2002.
04. INCA. Instituto Nacional de Câncer. Tipos de Câncer: Câncer de Boca [internet]. [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/
tipos-de-cancer/cancer-de-boca.
05. UICC. Global Cancer Control. What is TNM. [internet]. [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://www.uicc.org/resources/tnm.
06. The Oral Cancer Foundation [internet]. [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://oralcancerfoundation.org/
07. Maior MDL. Meninas de peito [internet]. [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://www.facebook.com/groups/amigas.peito/
08. Mozzilli S. Instituto Beaba [internet]. 2020 [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://beaba.org/
09. Soares AM. PaliAtivas [internet]. 2020 [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://www.instagram.com/paliativas/.
10. Massens VL. Primeiro vídeo do meu canal [internet]. Luz, Câmera, Vavá; 2019 fev 8 [acesso em 11 fev 2020]. Vídeo: 5:16 min. Disponível em: https://www.youtube.com/channelUCSPLCNU95cKXW4-MP8kpEtg
11. IBCC. Instituto Brasileiro de Controle do Câncer. O Câncer de Mama no Alvo da Moda [internet]. 2020 [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://ibcc.org.br/SiteIbccCampanha/.
12. O Câncer de Mama no Alvo da Moda. Campanha 20 Anos O Câncer de Mama no Alvo da Moda [internet].
2020 [acesso em 11 fev 2020]. Vídeo: 6:44 min. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=8gr7wo717uk.
13. Wolf N, Barcellos W. O mito da beleza. 7. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos; 1990.
14. Instituto Beaba. Game Alpha Beat Cancer [internet]. Instituto Beaba; 2020 [acesso em 11 fev 2020]. Disponível em: https://beaba.org/game/ .
15. INCA. Instituto Nacional do Câncer. O que é o tratamento Fora de Domicílio (TFD) no Sistema Único de Saúde (SUS) [internet]. 2020 [acesso em
11 fev 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/perguntas-frequentes/o-que-e-o-tratamento-fora-domicilio-tfd-sistema-unico-saude-sus.
16. Instituto Beaba. #2: O Be-a-bá do Câncer Kids. [Internet]. Instituto Beaba; 2020 jan [acesso em 11 fev 2020]. Podcast: 37 min. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/5tIFzeu3H52oKpWVhUzt0a.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
Rossi de Oliveira, L. (2020). O impacto do paciente oncológico ativista no ecossistema de saúde. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 21(1), 75-86. https://doi.org/10.52753/bis.2020.v21.36730

Most read articles by the same author(s)