Vamos falar sobre sexo

o discurso da sexualidade nas mídias digitais para a promoção da saúde

  • Vinicius Alves Sarralheiro
  • Leandro Leonardo Batista Universidade de São Paulo. Escola de Comunicação e Artes
Palavras-chave: Comunicação e saúde, Sexualidade, Mídias digitais, Promoção da saúde, Discurso

Resumo

Este trabalho busca investigar as relações entre comunicação e saúde na contemporaneidade. Com as mudanças tecnológicas e os avanços epistemológicos, as definições de ambos os campos sofreram alterações e, por isso, sua análise se torna importante para desenvolver melhores ferramentas comunicacionais voltadas para a promoção da saúde. O objetivo dessa investigação foi o de traçar pistas acerca dessa temática utilizando a sexualidade como objeto de discussão. Para tal, como proposta de aplicação dos conceitos, são explicitadas três experiências midiáticas que tratam da sexualidade em diferentes contextos: a série da Netflix “Sex Education”, o perfil do Twitter do Doutor Maravilha e as possibilidades existentes em desenvolver o diálogo em aplicativos de relacionamento. Com isso, buscamos discutir as questões que envolvem os discursos em torno desses temas e abarcar toda a complexidade necessária para a discussão da comunicação de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Araújo IS, Cardoso, JM. Comunicação e Saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 2007.
2. Batista LL. A Comunicação de riscos. In: Perez C, Barbosa IS, organizadores. Hiperpublicidade 2. ed. São Paulo: Thomson Learning, 2008.
3. Bostrom A. Future Risk Communication. Futures. 2003;(35):553-573.
4. Carrera F, Bernardazzi R, Xavier A, Medeiros HB, Oliveira L. Social evaluation at the finger point: self presentation and impression management on Tinder. Teknokultura. 2017;14(2): 339-350.
5. Di Giulio G, Figueiredo B, Ferreira L, Dos Anjos J. Comunicação e governança do risco: a experiência brasileira em áreas contaminadas por chumbo. Rev Ambiente & Sociedade.2010;2:283-297.
6. Di Giulio G, Serrão-Neumann, S, Viglio J, Ferreira L, Choy D. Propostas metodológicas em pesquisas sobre risco e adaptação: experiências no Brasil e na Austrália. Rev Ambiente & Sociedade. 2014;4: 35-54.
7. Fausto Neto A. Percepções acerca dos campos da Saúde e da Comunicação. In: Pitta AMR, organizador. Saúde & Comunicação: visibilidades e silêncios. São Paulo: Hucitec; 1995. p. 267-293.
8. Fessenden-Raden J, Fitchen JM, Heath JS. Providing Risk Information in Communities: Factors Influencing What Is Heard and Accepted. Science, Tech, & Hum Val. 1987; 12 (3,4): 94-101.
9. Freire P. Pedagogia do Oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1987.
10. Iglesia JLG, Coma JF. Teoria de la comunicación de riesgo. Barcelona: Editorial UOC; 2011.
11. Korda H, Itani Z. Harnessing social media for health promotion and behavior change. Health Promot Pract.2013;14(1):15-23.
12. Lemos A, Lévy P. O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus; 2010.
13. Louro GL. Pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica; 2000. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. p. 07-34
14. Lundgren R, McMakin A. Risk communication: a handbook for communicating environmental safety and health risks. Columbus: Ed. Battelle Press; 2004.
15. Sex Education [internet]. [acesso em 10 abr 2020]. Disponível em: http://netflix.com.br.
16. Queiroz AAFLN, Sousa AFL, Matos MCB, Araújo TME, Reis RK, Moura MEB. Conhecimento sobre HIV/aids e implicações no estabelecimento de parcerias entre usuários do Hornet. Rev Bras Enferm. 2018;71(4):2062-9.
17. Recuero R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina; 2008.
18. Sjöberg L. Risk communication between experts and public: perceptions and intentions. Rev Organicom. 2007;(4)6: 67-85
19. Doutor Maravilha [internet]. [acesso em 10 abr 2020]. Twitter: @DoutorMaravilha. Disponível em: https://twitter.com/DoutorMaravilha.
20. Twitter [internet]. Twitter: Sobre; 2020. [acesso em 10 abr 2020]. Disponível em: https://about.twitter.com/pt.html.idem
21. Ventuneac A, John SA. Whitfield THF, Mustanski B, Parsons JT. Preferences for sexual health smartphone app features among gay and bisexual men. AIDS and Behavior. 2018;(22): 3384-3394.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
Alves Sarralheiro, V., & Batista, L. L. (2020). Vamos falar sobre sexo: o discurso da sexualidade nas mídias digitais para a promoção da saúde. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 21(1), 199-210. https://doi.org/10.52753/bis.2020.v21.36743