Estudo epidemiológico da hanseníase em Patrocínio/MG, no período 2001 a 2014

  • Marlice Fernandes de Oliveira Fonoaudióloga. Mestre em Ciências. Docente do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) - Departamento de Fonoaudiologia - Patrocínio, Minas Gerais, Brasil.
  • Natália Cristina de Oliveira Discente do Curso de Fisioterapia do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) - Patrocínio, Minas Gerais, Brasil.
  • Kaique Ferreira Caixeta Fonoaudiólogo - Patrimônio, Uberlândia, Minas Gerais, Brasil.
  • Gisélia Gonçalves de Castro Fisioterapeuta. Mestre em Promoção em Saúde. Docente do Centro Universitário do Cerrado - Patrocínio (UNICERP) - Departamento de Fisioterapia - Patrocínio, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Hanseníase, Epidemiologia, Detecção

Resumo

A hanseníase é uma doença infectocontagiosa de evolução crônica caracterizada por sinais e sintomas dermatoneurológicos. Os clusters consistem em aglomerados com maior risco de adoecimento. A região do Triângulo Mineiro pertence ao cluster9 de hanseníase do Brasil, sendo o município de Patrocínio/MG considerado de alta endemia. Este estudo teve como objetivo determinar ataxa de detecção de casos e identificar características epidemiológicas da hanseníase no município de Patrocínio/MG. Tratou-se de um estudo epidemiológico observacional, descrito e retrospectivo no período de 2001 a 2014. Os dados foram coletados na Vigilância Epidemiológica de Patrocínio/MG e analisados por meio de medidas estatísticas descritivas, como frequências absolutas, percentuais, médias, correlação de Pearson e o indicador epidemiológico de Coeficiente de Prevalência do Ministério da Saúde para a taxa de detecção de casos. Observou-se uma correlação significativa a de 1% pelo teste t, ou seja, à medida que aumenta a taxa de detecção da hanseníase nacional aumenta também a taxa de detecção em Patrocínio/MG. Na análise temporal, 50% dos anos analisados apresentaram taxa alta de detecção de casos novos, seguido da taxa média com 35,7% e taxa muito alta com 24,3%. O estudo epidemiológico da hanseníase em Patrocínio/MG evidenciou predominância do sexo masculino (64,82%), da raça caucasiana (62,06%), da forma clínica dimorfa (32,4%), da idade entre 31 e 40 anos (23,4%) e da zona urbana (97,59%). A realização deste estudo mostrou, de forma sucinta, dados de distribuição e características da população com hanseníase em Patrocínio/MG e podem ser usados para investigações futuras e direcionamento de estratégias e ações em saúde.

Referências

1 Finez MA, Salotti SRA. Identificação do grau de incapacidades em pacientes portadores de Hanseníase através da avaliação neurológica simplificada. J Health Sci Inst [Internet]. 2011[citado em 2016 Jul 06];29(3):171-5. Disponível em: http://www.unip.br/comunicacao/publicacoes/ics/edicoes/2011/03_jul-set/V29_n3_2011_p171-175.pdf
2 Pereira DL, Brito LM, Nascimento AH, Ribeiro EL, Lemos KR, Alves JN, et al. Estudo da prevalência das formas clínicas da hanseníase na cidade de Anápolis–Go. Ens Ciên [Internet]. 2012 [citado em 2016 Jul 06];16(1):55-67. Disponível em: htt3 Lima HMN, Sauai N, Costa VRL, Neto GTE, Figueiredo PMS. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clin Med [Internet]. 2010 [citado em 2016 Jul 09];8(4):323-7. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n4/a007.pdf
4 Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 15 out. 2010. Seção 1, p. 59. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.
5 Ramos Junior NA, Oliveira MLW, Barbosa JC, Kerr LGS, Alencar CHM, Heukelbach J. Pesquisas em Hanseníase: contextos e agendas. IN: Alves ED, Ferreira TL, Ferreira IN. Hanseníase: avanços e desafios [Internet]. Brasília: Universidade de Brasília; 2014. [citado em 2016 abr 21]. Disponível em: .
6 Ministério da Saúde (BR). Saúde Brasil 2010: uma análise da situação de saúde e de evidências selecionadas de impacto de ações de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
7 Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 648 de 28 de Março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 29 mar. 2010. Seção 1, p. 71. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016
8 Moreira AJ, Naves JM, Fernandes LF, Castro SS, Walsh IA. Ação educativa sobre hanseníase na população usuária das unidades básicas de saúde de Uberaba-MG. Saúde Debate. 2014;38(101):234-3.doi: 10.5935/0103-1104.20140021
9 Araújo MG. Hanseníase no Brasil. Rev Soc Bras Med Tropical. 2013;36(3):373-82. doi: 10.1590/S0037-86822003000300010
10 Pucci FH, Teófilo CR, Aragão SGA, Távora LGF. A dor no paciente com Hanseníase. Rev Dor [Internet]. 2011 Jan-Mar [citado em 2016 Jul 09 ];12(1):15-8. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1806-0013/2011/v12n1/a1781.pdf
11 Morais SG. Avaliação das ações de controle de hanseníase no município de Governador Valadares, Brasil, no período de 2001 a 2006 [Dissertação]. Governador Valadares: Universidade Vale do Rio Doce; 2010.
12 Figueiredo Filho DB, Silva JÁ Júnior. Desvendando os mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). Polit Hoje [Internet]. 2009 [citado em 2016 Jul. 09];18(1):115-46. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/politicahoje/index.php/politica/article/viewFile/6/6
13 Lana FC, Davi RF, Lanza FM, Amaral EP. Detecção da hanseníase e Índice de Desenvolvimento Humano dos municípios de Minas Gerais, Brasil. Rev Eletr Enfermagem [Internet]. 2009 [citado em 2016 Jul 09];11(3):539-44. Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n3/pdf/v11n3a10.pdf
14 Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Secretaria de Saúde. Nota Técnica - Hanseníase: Indicadores Epidemiológicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012. [citado em 2016 Mar 04]. Disponível em:
15 Costa MS, Silva PCB Junior, Moura JP, Pantoja PV, Silvia MP. Políticas para Hanseníase: a evolução da gestão em saúde. Rev Enfer Dig Cuid Promo Saude, 2015;1(2):104-8. doi: 10.5935/2446-5682.20150018
16 Batista ES, Campos RX, Queiroz RC, Siqueira SL, Pereira SM, Pacheco TJ, et al. Perfil sócio-demográfico e clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com Hanseníase em Campos dos Goytacazes, RJ. Rev Bras Clin Med [Internet]. 2011Mar-Abr [citado em 2016 Jul 09];9(2):101-6. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n2/a1833.pdf
17 Carneiro M, Possuelo, LG, Valim, ARM, Duro LN. Situação endêmica da hanseníase em uma cidade do interior do Rio Grande do Sul. Rev Epidemiol Control Infect [Internet]. 2012 Jan-Mar [citado em 2016 Jul 09];2(1):10-3. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/epidemiologia/article/viewFile/2627/1840
18 Ribeiro GC. Fatores relacionados à prevalência de incapacidades físicas em Hanseníase na microrregião de Diamantina, Minas Gerais [Dissertação].Belo Horizonte: Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais; 2012.
19 Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Prevenção de Incapacidades [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2008. [citado em 2015 Jun 20]. Disponível em: .
20 Lima MAR, Prata MO, Moreira D. Perfil da Hanseníase no distritoFederal no período de 2000 a 2005. Com Ciênc Saúde [Internet]. 2008 Abr-Jun [citado em 2016 Jul 09];19(2):163-70. Disponível em: http://www.escs.edu.br/pesquisa/revista/2008Vol19_2art09perfildahanseniase.pdf
21 Miranzi SSC, Pereira LH, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Tropical [Internet]. 2010 Jan-Fev [citado em 2016 Jul 09];43(1):62-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v43n1/a14v43n1
22 Brito KK, Araújo DA, Uchôa RE, Ferreira JD, Soares MJ, Lima JO. Epidemiologia da Hanseníase em um estado do Nordeste Brasileiro. Rev Enferm UFPE online. 2014.8(8):2686-93. doi: 10.5205/reuol.6081-52328-1-SM.0808201415
23 Melão S, Blanco LFO, Mounzer N, Veronezi CCD, Simões PWTA. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo sul de Santa Catarina, no período de 2001 a 2007. Rev Soc Bras Med Tropical [Internet]. 2011[citado em 2016 Jul 09];44(1):79-84. Disponivel em: http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v44n1/18.pdf
24 Simpson CA, Fonsêca LC, Santos VR. Perfil do doente de Hanseníase no estado da Paraíba. Hansen Int [Internet]. 2010 [citado em 2016 Jul 09];35(2):33-40. Disponível em: http://www.ilsl.br/revista/detalhe_artigo.php?id=11244
25 Oliveira FFL, Macedo LC. Perfil epidemiológico dos portadores de hanseníase em um município da região centro-oeste do Paraná. Sabios: Rev Saúde e Biol [Internet]. 2012 Jan-Abr [citado em 2016 Jul 09];7(1):45-51. Disponível em: http://revista.grupointegrado.br/revista/index.php/sabios2/article/view/966/409
26 Santos AS, Castro DS, Falqueto A. Fatores de risco para transmissão da Hanseníase. Rev Bras Enfermagem [Internet]. 2008 Nov [citado em 2016 Jul 09];61(spe):738-43. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v61nspe/a14v61esp.pdf
27 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA, Tabela 3345 [Internet]. [citado em 09 nov. 2015].Disponível em: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=t&c=3345
28 Magalhaes MCC, Rojas LI. Diferenciação territorial da hanseníase no Brasil. Epidemiol Serv Saúde [Internet]. 2007 [citado em 2016 Jul 09];16(2):75-84. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/rev_epi_vol16_n2.pdf
29 Ferreira ILCSN, Ferreira IN, Morraye MA. Os contatos de portadores de hanseníase em Paracatu (MG): perfil, conhecimentos e percepções. Hansen Int [Internet]. 2012 [citado em 2016 Jul 09];37(1):35-44. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-51612012000100004&lng=pt&nrm=iso
Publicado
2015-11-30
Como Citar
1.
Oliveira MF de, Oliveira NC de, Caixeta KF, Castro GG de. Estudo epidemiológico da hanseníase em Patrocínio/MG, no período 2001 a 2014. Hansen. Int. [Internet]. 30º de novembro de 2015 [citado 19º de maio de 2022];40(2):24-5. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/index.php/hansenologia/article/view/36171
Seção
Artigos originais