Referenciamento regional: compatibilizando universalidade e integralidade no SUS-SP

Autores

  • Sonia Isoyama Venancio é médica pediatra, doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisadora científi ca VI e assistente técnica de direção do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. É membro do Comitê Nacional de Aleitamento Materno.
  • Paulo Roberto do Nascimento é cientista social, mestre e doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP) e pós-doutorando junto ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da USP.
  • Tereza Etsuko da Costa Rosa é psicóloga, doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora científi ca III do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
  • Ana Aparecida Bersusa é enfermeira, mestre em Fundamentos da Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EE-USP) e pesquisadora científi ca IV do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
  • ILenise Mondini é nutricionista, mestre em Nutrição Humana pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutora em Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP/USP) e pesquisadora científi ca V do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.
  • Silvia Regina Dias Médici Saldiva é nutricionista, doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisadora científi ca V e diretora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento para o SUS/SP do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2011.v13.33659

Palavras-chave:

Sistema Único de Saúde, gestão em saúde, regionalização

Resumo

Este trabalho tem por objetivo avaliar práticas gestoras de referenciamento regional no Estado de São Paulo, identifi cando as principais difi culdades encontradas nos processos de pactuação com vistas à integralidade da atenção. Foram selecionadas cinco Regiões (Campinas, Piracicaba, Mogi das Cruzes, São José do Rio Preto e São José dos Campos) nas quais foram analisados instrumentos de referenciamento operantes e a percepção dos gestores regionais e municipais sobre este processo. A análise das entrevistas com gestores revelou que os mecanismos formais de referenciamento eram insufi cientes, bem como os instrumentos para o seu acompanhamento; nas regiões metropolitanas parecia haver maior difi culdade para pactuação das referências; o fortalecimento dos espaços de negociação entre os gestores foi apontado como um fator facilitador do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 1991.
2. Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. SUS: avanços e desafi os. Brasília: CONASS, 2006: p. 75.
3. Brasil. Ministério da Saúde, Departamento de Apoio à Descentralização. Regulamento dos pactos pela vida e de gestão. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.
4. Crevelim MA, Peduzzi M. Participação da Comunidade na equipe de saúde da família: é possível estabelecer um projeto comum entre trabalhadores e usuários? Ciência & Saúde Coletiva. 2005; 10(2): 323-331.
5. Merhy EE, Magalhães Junior HM, Franco TB, Silva Bueno W. O trabalho em saúde: olhando e experenciando o SUS no cotidiano. São Paulo: Hucitec; 2003.
6. Morais MLSE, Feffermann M, Fernandes M, Figueiredo R, Bastos S, Venancio SI. Um estudo avaliativo das açõs de saúde mental no estado de São Paulo. Saúde em Debate 2009; 33: 112-128.
7. Queiroz MIP. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: Faculdade de Filosofi a, Letras e Ciências Humanas/USP; 1983. (Centro de Estudos Rurais e Urbanos/CERU, Textos, n°4).
8. Rosa TEC, Bersusa AA, Mondini L, Saldiva SRDM, Nascimento PR, Venancio SI. Integralidade da atenção às doenças cardiovasculares e diabetes mellitus: o papel da regionalização do Sistema Único de Saúde. Rev Brasil Epidemiologia 2009; 12:158-171.
9. Schraiber LB. Pesquisa qualitativa em saúde: refl exões metodológicas do relato oral e produção de narrativas em estudo sobre a profissão médica. Revista de Saúde Pública 1995; 29(1): 63-74.
10. SEADE. O Índice Paulista de Responsabilidade Social. Disponível em: http://www.seade.gov.br/produtos/iprs/pdf/oiprs.pdf.
11. Souza RR, Mendes JDV, Barros S. 20 anos do SUS São Paulo. São Paulo: SES/SP; 2008.
12. Venancio SI, Nascimento PR, Rosa TEC, Bersusa AA, Mondini L, Saldiva SRDM, et al. Referenciamento Regional: Compatibilizando Universalidade e Integralidade no SUSSP (Convênio Fapesp – CNPq – SUS nº 05/58542-7). Relatório Técnico de Pesquisa. Instituto de Saúde. São Paulo; 2007.
13. Venancio SI, Nascimento PR, Rosa TEC, Morais MLSE, Martins PN, Volochko A. Referenciamento regional em saúde: estudo comparado de cinco casos no Estado de São Paulo, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva 2009; 90: 90.

Downloads

Publicado

2011-12-03

Como Citar

Venancio, S. I., Nascimento, P. R. do, Rosa, T. E. da C., Bersusa, A. A., Mondini, I., & Saldiva, S. R. D. M. (2011). Referenciamento regional: compatibilizando universalidade e integralidade no SUS-SP. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 13(1), 33–38. https://doi.org/10.52753/bis.2011.v13.33659

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>