Motivações, pensamentos e sentimentos associados à ideação suicida de adolescentes brasileiros: uma síntese rápida de evidências qualitativas

Autores

  • Alex Sander Bachega Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Sau Pereira Tavares de Oliveira Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Andressa de Lucca Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Bento Gabriel Valdes Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Débora Dupas Gonçalves do Nascimento Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Jorge Otávio Maia Barreto Instituto de Saúde/CCTIES-SES

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34490

Palavras-chave:

adolescentes, ideação suicida, síntese de evidências qualitativas.

Resumo

Este estudo teve como objetivo sintetizar as evidências sobre mo-tivações, pensamentos e experiências de adolescentes brasileiros com ideação suicida. A busca foi realizada em MEDLINE, EMBA-SE, LILACS, PsycINFO, Google Scholar e Google. A seleção de ar-tigos, a extração de dados e a avaliação da qualidade metodoló-gica foram realizadas por dois pesquisadores independentes. De 3.496 artigos identificados, quatro foram incluídos. As principais motivações para a ideação suicida foram a fragilidade dos víncu-los, quadro depressivo e carência afetiva. Os sentimentos predo-minantes foram solidão, tristeza, desamparo e desesperança. Os pensamentos relacionados com a crença de estar só no mundo e de não enxergar solução para seus sofrimentos e conflitos foram relatados. A ideação suicida pode ser um fenômeno importante entre adolescentes brasileiros, requerendo a atenção da socieda-de, especialmente da academia e governo, para ampliar a base de evidências e a discussão sobre políticas públicas preventivas ao suicídio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alex Sander Bachega, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Psicólogo, Especialista em Gestalterapia, compõe o Núcleo de Evidencia de Mato Grosso do Sul.

Sau Pereira Tavares de Oliveira, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Médico, Psicanalista, Mestrando em Estratégia de Saúde da Família pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande/MS no Núcleo de Evidencia de Mato Grosso do Sul.

Andressa de Lucca, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, Es-pecialista em Politicas Informadas por Evidencias, Mestranda em Estratégia de Saúde da Família pela Universidade Federal de mato Grosso do Sul. Se-cretaria Municipal de Saúde de Campo Grande/MS no Núcleo de Evidencia de Mato Grosso do Sul.

Bento Gabriel Valdes, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeiro, Especialista em Gestão da Clínica nas Regiões de Saúde, Mestrando em Estratégia de Saú-de da Família pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Secretaria

Débora Dupas Gonçalves do Nascimento, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Fisioterapeuta, Especialista em Saúde Coletiva pela UFSCar, Mestre em enfermagem e Doutora em Ciências pela USP, pesquisadora em saúde pública da Fundação Oswaldo Cruz - Mato Grosso do Sul.

Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, Especialista em Politicas Informadas por Evidencias, Mestre em Saúde Coletiva, Doutora em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Univer-sidade Federal de Mato Grosso do Sul. Vinculada a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Faculdade de Medicina, Núcleo de Evidencia de Mato Grosso do Sul.

Jorge Otávio Maia Barreto, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Doutor em Políticas Públicas. Pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Brasília.

Referências

1. Organização Pan-americana da Saúde (BR). Folha infor-mativa - Suicídio [internet]. Brasília (DF): OPAS 2018. [aces-so em 9 ago 2019]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=567 1:folha-informativa-suicidio&Itemid=839.
2. Ministério da Saúde (BR). Boletim Epidemiológi-co. Suicídio: saber, agir e prevenir [internet]. 2017 [acesso em 11 abr 2019]; 48(30):15. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/2017-025-Perfil-epidemiologico-das-tenta-tivas-e-obitos-por-suicidio-no-Brasil-e-a-rede-de-atencao-a-saude.pdf.
3. Ministério da Saúde (BR). Setembro Amarelo - Agenda Es-tratégica de Prevenção do Suicídio. [internet]. 2017 [aces-so em 11 abr 2019]. Disponível em: http://portalarquivos. saude.gov.br/images/pdf/2017/setembro/21/Coletiva-sui-cidio-21-09.pdf.
4. Abdala-Filho E, Chalub M, Telles LEB. Psiquiatria Forense de Taborda. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; 2016.
5. Carlson GA, Cantwell DP. Suicidal Behavior and Depres-sion in Children and Adolescents. J Am Acad Child Psychia-try [internet]. 1982 [acesso em 11 abr 2019]; 21(4):361–8. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0002713809609390.
6. Ruiloba JV. Introducción a la Psicopatologia y la psiquia-tria. Barcelona: Elsevier; 2011.
7. Barrios LC, Everett SA, Simon TR, Brener ND. Suicide ide-ation among US college students associations with other in-jury risk behaviors. J Am Coll Health Assoc. [internet]. 2000 [acesso em 11 abr 2019]; 48(5):229–33. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10778023.
8. Assis SG de, Gomes R, Pires T de O. Adolescence, sexu-al behavior and risk factors to health. Rev. Saude Publica. 2014; 48(1):43–51.
9. Taylor B, Henshall C, Kenyon S, Litchfield I, Greenfield S. Can rapid approaches to qualitative analysis deliver ti-mely, valid findings to clinical leaders? A mixed methods study comparing rapid and thematic analysis. BMJ Open [internet]. 2018 [acesso em 9 ago 2019]; 8(10):1-13. Disponível em: https://bmjopen.bmj.com/content/8/10/e019993#article-bottom.
10. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG, Altman D, An-tes G, et al. Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: The PRISMA statement. PLoS Medici-ne. 2009; 6(7):1-10.
11. Cooke A, Smith D, Booth A. Beyond PICO: the SPIDER tool for qualitative evidence synthesis. Qual Health Res [internet]. 2012 [acesso em 11 abr 2019]; 22(10):1435–43. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1049732312452938.
12. Ouzzani M, Hammady H, Fedorowicz Z, Elmagarmid A. Rayyan-a web and mobile app for systematic reviews. Syst Rev [internet]. 2016 [acesso em 9 ago 2019]; 5:210. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5139140/.
13. Critical Appraisal Skills Programme. CASP Checklist: 10 questions to help you meke sense of a Qualitative research [Oxford]: CASP [internet]. 2018 [acesso em 9 ago 2019]. Dis-ponível em: http://www.casp-uk.net/casp-tools-checklists.
14. Zimmer L. Qualitative meta-syntesis: a question of dia-loguing with texts. 2006; 52(5):546-53.
15. Vieira LJE de S, Freitas MLV, Pordeus AMJ, Lira SVG, E Silva JG. “Amor não correspondido”: discursos de adoles-centes que tentaram suicídio. Cien Saude Colet [internet]. 2009 [acesso em 8 ago 2019]; 14(5):1825–34. Disponí-vel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext &pid=S1413-81232009000500024&lng=pt&tlng=pt.
16. Hildebrandt LM, Zart F, Leite MT. A tentativa de suicí-dio na percepção de adolescentes: um estudo descritivo. Rev Eletr. Enf [internet]. 2011 [acesso em 8 ago 2019]; 13(2):219–26. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v13i2.8951.
17. Araújo LC, Vieira KFL, Coutinho MPL. Ideação suicida na adolescência : um enfoque psicossociológico no contexto do ensino médio. Psico-USF [internet]. 2010 [acesso em: 9 ago 2019]; 15(1):47–57. Disponível em: https://www.re-dalyc.org/articulo.oa?id=401036078006.
18. Amaral C, Pereira GB, Silva KL, Kuhn SM. Depressão na adolescência com ideação suicida: um estudo de caso. In: Anais da XI Mostra Científica do Cesuca [internet]. 2017 [acesso em: 9 ago 2019]; (11):199-214. Disponível em: http://ojs.cesuca.edu.br/index.php/mostrac/article/view/1342.
19. Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos trans-tornos mentais. Porto Alegre: Artmed; 2018.
20. Borges VR, Werlang BSG, Copatti M. Ideação suicida em adolescentes de 13 a 17 anos. Barbarói [internet]. 2008 [acesso em 9 ago 2019]; 28(1):109–23. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/barbaroi/article/view/19219.
21. Botega NJ. Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Ale-gre: Artmed; 2015.
22. Minayo MC de S, de Assis SG, de Souza ER, Correia BSC, Pacheco ML, Delgado, PGG. Suicídios no Brasil: Mor-talidade, Tentativas, Ideação, Comportamento Autopunitivo e Prevenção [internet]. 2010 [acesso em 9 ago 2019]. Dis-ponível em: https://docplayer.com.br/62783655-Suicidios-no-brasil-mortalidade-tentativas-ideacao-comportamento-autopunitivo-e-prevencao.html.
23. Silva VF da, Oliveira HB de, Botega NJ, Marín-León L, Barros MBA, Dalgalarrondo P. Fatores associados à ideação suicida na comunidade: um estudo de caso-controle. Cad Saude Publica. [internet]. 2006 [acesso em 12 abr 2019]; 22(9):1835–43. Disponível em: http://www.scielo.br/scie-lo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X20060009000 14&lng=pt&tlng=pt.
24. Abed A. O desenvolvimento das habilidades socioe-mocionais como caminho para aprendizagem e o suces-so escolar de alunos da educação básica. São Paulo: UNESCO; 2014.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Sander Bachega, A. ., Pereira Tavares de Oliveira, . S. ., de Lucca, . A. ., Gabriel Valdes, B. ., Dupas Gonçalves do Nascimento, D. ., do Valle Leone de Oliveira, S. M. ., & Otávio Maia Barreto, J. . (2020). Motivações, pensamentos e sentimentos associados à ideação suicida de adolescentes brasileiros: uma síntese rápida de evidências qualitativas. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 105–113. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34490

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)