As três ondas da redução de danos no Brasil

Autores

  • Dênis Petuco Fundação Oswaldo Cruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio.

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2020.v21.34622

Palavras-chave:

Redução de danos, História, Brasil

Resumo

A Redução de Danos, conceito polissêmico que abarca um conjunto de práticas e concepções relacionadas ao cuidado de pessoas que usam drogas, tornou-se conhecida no Brasil a partir de sua incorporação como parte da resposta nacional à epidemia de HIV/Aids. Com o passar do tempo, o conceito foi sendo apropriado por outros campos de reflexão e intervenção, como saúde mental e desenvolvimento social. O presente artigo propõe uma narrativa da experiência brasileira com Redução de Danos que toma as ondas do mar como metáfora para contemplar um processo de acúmulo, contra uma concepção etapista baseada em rupturas históricas. Conclui-se com uma breve leitura do momento atual e dos desafios a serem enfrentados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Petuco DRS. O pomo da discórdia? drogas, saúde, poder. Curitiba: Ed. CRV; 2019.
2. Petuco DRS. Redução de Danos: das técnicas à ética do cuidado. In: Ramminger T, Silva M. (orgs.). Mais substâncias para o trabalho em
saúde com usuários de drogas. Porto Alegre: Rede Unida; 2014. p.133-148.
3. Petuco DRS. Era uma vez: uma pequena história do cuidado e das políticas públicas dirigidas a pessoas que usam álcool e outras drogas.
In: Teixeita M, Fonseca Z.(orgs.). Saberes e práticas na Atenção Primária à saúde: cuidado à população em situação de rua e usuários de
álcool, crack e outras drogas. São Paulo: Hucitec; 2015.p.179-200.
4. Fonseca C. Pátria vermelha: comunismo em Santos (1930-1964). Rio de Janeiro: Fundação Dinarco Reis; 2002.
5. Tavares RR. A “Moscouzinha” Brasileira: cenários e personagens do cotidiano operário de Santos (1930-1954). São Paulo:
Humanitas/FAPESP; 2007.
6. Campos FC, Henriques CM. Contra a maré à beira-mar: a experiência do SUS em Santos. São Paulo: Scritta; 1996.
7. Brasil. Presidência da República. Lei no 8.080 - dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a
organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília; 29 set 1990. (on line). [acesso em: 04 mai
2020]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm
8. Brasil. Ministério da Saúde. Coordenação Nacional de DST e Aids. Boletim epidemiológico aids, jan. 1993. Brasília: Ministério da Saúde;
1993.
9. Mesquita F. Dar oportunidade de vida aos usuários de drogas injetáveis – polêmica nacional. In. Bastos FI,Mesquita F, Marques LF. Troca
de seringas: drogas e Aids– ciência, debate e saúde pública. Brasília: Coordenação Nacional de DST e Aids; 1998. p.101-114.
10. Bertoni N, Bastos FI. Pesquisa nacional sobre uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas
capitais brasileiras?. Rio de Janeiro: ICICT/Fiocruz; 2014.
11. Porter J, Bonilla L, Drucker E. Methods of smoking crack as a potential risk factor for HIV infection: ‘crack smokers’ perceptions and
behavior. Contemp. Drug Probl. 1997; 25(2):319-347.
12. Haydon E, Fischer B. Crack use as a public health problem in Canada: call for an evaluation of ‘safer crack use kits’. Canad. Journ. Publ.
Healt. 2005; 96(3):185-188.
13. Carvalho HB, Seibel S. Crack cocaine use and its relationship with violence and HIV. Clinics. 2009; 64(9):857-866.
14. DeBeck K. Smoking of crack cocaine as a risk factor for HIV infection among people who use injection drugs. Canad. Med. Assoc. Journ.
2009; 181(9):585-589.
15. Donnangelo MC. Saúde e sociedade. São Paulo: Duas Cidades; 1979.
16. Laurell AC. A saúde-doença como processo social. In.: Nunes E. Medicina social: aspectos históricos e teóricos. São Paulo: Global, 1983.
p. 133-158.
17. Arouca S. O dilema preventivista: contribuição para a compreensão e crítica da medicina preventiva. São Paulo: UNESP, Rio de Janeiro:
FIOCRUZ; 2003.
18. Parker R, Camargo KR. Pobreza e HIV/aids: aspectos antropológicos e sociológicos. Cad. Saúd. Públ. 2000;16(1):89-102.
19. Wallace R. A synergism of plagues: “Planned shrinkage”, contagious housing destruction and AIDS in the Bronx. Environm. Res. 1988;
47(1):1-33.
20. The Joint United Nations Programme on HIV/AIDS (UNAIDS). Combination HIV prevention: tailoring and coordinating biomedical,
behavioural and structural strategies to reduce new HIV infections. Geneva: UNAIDS;2010.
21. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções
Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Prevenção combinada do HIV: bases conceituais para profissionais,
trabalhadores(as) e gestores(as) de saúde. Brasília; 2017.
22. Barreto VHS. Limites, fissuras, prazer e risco em festas de orgia para homens. Mana. 2019; 25(1):9-37.
23. Olievenstein C. Os drogados não são felizes. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1977.
24. Barreto L. Diário do hospício; o cemitério dos vivos. São Paulo: Cosac & Naify; 2010.
25. Bueno AC. Canto dos malditos: uma história verídica que inspirou o filme Bicho de sete cabeças. Rio de Janeiro: Rocco; 2001.
26. Lopes C. Ala fechada. Porto Alegre: Editora Sulina;1997.
27. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Mental. Brasília: Ministério da Saúde; 2015.
28. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Coordenação Nacional de DST/Aids. A política do Ministério da Saúde para a atenção
integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília: Ministério da Saúde; 2003.
29. Spinoza B. Ética. Belo Horizonte: Autêntica; 2009.
30. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Relatório final do projeto Caminhos do Cuidado.
Rio de Janeiro: Fiocruz/ICICT;2018.
31. Glock C. Redutores de Preconceito. [Documentáruio]. Porto Alegre: Agência Livre de Comunicação; 2003. (online). [acesso em: 04 mai
2020]. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=LTi0xt8VgH8.
32. Souza J. A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG; 2009.
33. Ratton JL, West R. Políticas de drogas e Redução de Danos no Brasil: o Programa Atitude em Pernambuco. Recife: Núcleo de Estudos e
Pesquisas em Criminalidade, Violência e Políticas de Segurança Pública/UFPE; 2016.
34. Bahia. Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social. Caminhos possíveis: boletim informativo do Programa Corra
pro Abraço. Salvador: Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social; 2019.
35. Rui T, Fiore M, Tófoli LF. Pesquisa preliminar de avaliação do Programa De Braços Abertos. São Paulo: PBPD/IBCCRIM; 2016.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

Petuco, . D. . (2020). As três ondas da redução de danos no Brasil. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 21(2), 94–103. https://doi.org/10.52753/bis.2020.v21.34622