Políticas públicas e saúde mental

notas sobre demandas atuais

Autores

  • Lauro Cesar Ibanhes Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Instituto de Saúde
  • Paula Montanheiro Barioni

Palavras-chave:

Saúde mental; Serviços de saúde mental; Políticas públicas

Resumo

Este artigo é fruto de refl exões sobre pesquisa empreendida pela segunda autora e orientada pelo primeiro que resultou em dissertação de mestrado em Saúde Coletiva defendida em novembro de 20134. Naquele trabalho o objetivo geral foi analisar a implantação do Serviço Residencial Terapêutico vinculado ao “Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira”- Campinas/SP e compreender e avaliar estratégias elaboradas no enfrentamento de questões atinentes ao processo de transformação do modo manicomial para outro que prioriza cuidar de maneira singular do sofrimento psíquico, composta por saberes múltiplos e inserção à vida comunitária, família e trabalho. Trata-se de exercício reflexivo sobre injunções e questões emergentes na implantação da Política de Saúde Mental e do SRT no SUS, destacando desafios incrementais à política setorial e aos serviços em saúde mental na esfera municipal. A discussão aponta brechas entre o plano normativo, processos político-administrativos e a gestão do setor e serviços de saúde. Sugere a necessidade de aprofundar e institucionalizar mecanismos e estratégias dos profi ssionais do SRT articulando-os aos demais equipamentos, níveis de atenção e setores sociais. Indica a necessidade da articulação no planejamento, provisão e execução de ações necessariamente intersetoriais e interfederativas tendo em vista a emergência paradoxal de novas demandas e novos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. 3ª Conferência Nacional de Saúde Mental: Caderno Informativo. [evento na internet]. Brasília; 2001b (Série D. Reuniões e Conferências, 15). [acesso em 21 de jun 2014]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ publicacoes/0210IIIcnsm.pdf
2. Amarante P. Novos sujeitos, novos direitos: o debate sobre a reforma psiquiátrica no Brasil. Cad Saúde Pública. 1995;11:491-4.
3. Amarante P. (Coord). 1995. Loucos pela vida: a trajetória da reforma psiquiátrica no Brasil. 2ª edição. Fiocruz; RJ, 1998.
4. Barioni PM. Residências Terapêuticas no “Serviço de Saúde Dr. Cândido Ferreira”: estratégia, avanços e desafi os para as Políticas de Saúde Mental em Campinas [dissertação de mestrado]. São Paulo: Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde; 2013.
5. Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988. Título II, Dos Direitos e Garantias Fundamentais. Capítulo I - Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos. Capítulo II - Dos Direitos Sociais. [acesso em: 28 set 2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/ constituicaocompilado.htm.
6. Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988. Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação. [acesso em 28 set 2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.
7. Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988. Art. 198. As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: I – descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II – atendimento integral com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III – participação da comunidade. [acesso em 28 set 2014]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.
8. Brasil. Lei nº 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. [acesso em: 28 set 2014]. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=219802.
9. Brasil. Lei nº 10.708 de 31 de Julho de 2003. Institui o auxílio-reabilitação psicossocial para pacientes acometidos de transtornos mentais egressos de internações. Dispõe sobre a regulamentação do auxílio-reabilitação psicossocial para assistência, acompanhamento e integração social, fora da unidade hospitalar, de pessoas acometidas por transtornos mentais, com história de dois anos ou mais de internação psiquiátrica. [acesso em 29 set 2014]. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.
10. Brasil. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Regulamentada pelo Decreto nº 7.508 de 28 de junho de 2011. [acesso em 28 set 2014].Disponível em: http:// www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm.
11. Campinas. Lei Municipal nº 6.215 de 09 de maio de 1990: Art. 1º- Fica o Poder Executivo autorizado a fi rmar convênio com o Sanatório Dr. Cândido Ferreira visando ao funcionamento e o gerenciamento comum de suas atividades, nos termos do instrumento de convênio o qual faz parte integrante esta lei, rubricado pelo Prefeito Municipal e pelo Presidente da Câmara Municipal. Art. 2º - O convênio tem por objetivo a administração conjunta do Sanatório Dr. Cândido Ferreira que passa a se integrar ao Sistema Municipal de Saúde e atender clientela universalizada. [acesso em 28 set 2014]. Disponível em: http://www.leismunicipais. com.br/a/sp/c/campinas/lei-ordinaria/1990/622/6215/ lei-ordinaria-n-6215-1990.
12. Furtado, Juarez P. (2006). Avaliação da situação atual dos Serviços Residenciais Terapêuticos no SUS. Ciênc. saúde coletiva [online]. 2006, vol.11, n.3 [citado 2014-07-23], pp. 785-795. ISSN 1413-8123. Disponível: http://dx.doi. org/10.1590/S1413-81232006000300026.
13. Larimer ME, Malone DK, Garner MD, et al. Health Care and Public Service Use and Costs Before and After Provision of Housing for Chronically Homeless Persons With Severe Alcohol Problems. JAMA. Journal of American Medical Association. 2009;301(13):1349-1357. doi:10.1001/jama.2009.414. [acesso em 29 set 2014]. Disponível em: http://jama.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=183666.
14. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 251, de 31 de janeiro de 2002. Estabelece diretrizes e normas para a assistência hospitalar em psiquiatria, reclassifi ca os hospitais psiquiátricos, defi ne e estrutura, a porta de entrada para as internações psiquiátricas na rede do SUS e dá outras providências. [acesso em 29 set 2014]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/ Port2002/Gm/GM-251.htm.
15. Ministério da Saúde. Portaria GM nº 52, de 20 de janeiro de 2004. Institui o Programa Anual de Reestruturação da Assistência Psiquiátrica Hospitalar no SUS. [acesso em 29 set 2014].Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/ PORTARIAS/Port2004/GM/GM-52.htm.
16. Ministério da Saúde. Portaria nº 106, de 11 de fevereiro de 2000. Institui os Serviços Residenciais Terapêuticos. Art. 3º. Cabem aos Serviços Residenciais Terapêuticos: a) garantir assistência aos portadores de transtornos mentais com grave dependência institucional que não tenham possibilidade de desfrutar de inteira autonomia social e não possuam vínculos familiares e de moradia; b) atuar como unidade de suporte destinada, prioritariamente, aos portadores de transtornos mentais submetidos a tratamento psiquiátrico em regime hospitalar prolongado; e c) promover a reinserção desta clientela à vida comunitária. [acesso em 28 set 2014]. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/ susdeaz/legislacao/arquivo/27.
17. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.068, de 24 e setembro de 2004. Destina incentivo fi nanceiro para os Serviços Residenciais Terapêuticos e dá outras providências. [acesso em 29 set 2014]. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2004/GM/GM-2068.htm.
18. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.090, de 23 de dezembro de 2011. Estabelece que os Serviços Residenciais Terapêuticos (SRTs), sejam defi nidos em Tipo I e II, destina recurso fi nanceiro para incentivo e custeio dos SRTs, e dá outras providências. [portaria na internet]. [acesso em 01 fev 2012]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/ saudelegis/gm/2011/prt3090_23_12_2011.html
19. Ministério da Saúde. Residências Terapêuticas: o que são, para que servem. [documento na internet] Brasília; 2004c. (Série F. Comunicação e Educação em Saúde). [acesso em 13 abr 2012]. ISBN 85-334-0822-6. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/120.pdf.
20. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados – 10, VII (10). Informativo eletrônico. Brasília: março de 2012. [acesso em 8 de jan de 2013]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/mentaldados10.pdf
21. União Europeia. Housing First International Conference. Amsterdam, June 2013. [evento na internet]. Relatório Final. [acesso 29 set 2014]. Disponível em: http://www.socialstyrelsen.dk/housingfi rsteurope.
22. Zilhão, Maria T. (2013) “Programa Casas Primeiro: Uma perspectiva qualitativa das experiências de transição de pessoas sem-abrigo para uma habitação independente e permanente”. Dissertação de Mestrado. Instituto Universitário de Ciências Psicológicas e Sociais, Lisboa. [acesso em 28 set 2014]. Disponível em: http://repositorio.ispa.pt/ bitstream/10400.12/2805/1/20756.pdf.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

Ibanhes, L. C., & Montanheiro Barioni, P. (2014). Políticas públicas e saúde mental: notas sobre demandas atuais. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 15(supl.), 105–115. Recuperado de https://periodicos.saude.sp.gov.br/bis/article/view/37362

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>