Ambulatório de Saúde Integral para travestis e transexuais de Diadema (DiaTrans)

o SUS não tem preconceito

Autores

  • Alexandre Yamaçake Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP). Centro de Referência IST/Aids e Hepatites Virais
  • Vanessa Ribeiro Romão Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP). Saúde Integral da População de Travestis e Transexuais
  • Mayki Prata Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP).
  • Elaine Rocha Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP).
  • Dandara Santos Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP).
  • Maria Cláudia Vilela Secretaria Municipal de Saúde de Diadema. Centro de Especialidades do Quarteirão da Saúde.

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39614

Palavras-chave:

Saúde, Saúde pública, Saúde preventiva, Transexualidade, Travestis

Resumo

Este artigo narra a formação do Ambulatório de Saude Integral para População de Travestis e Transexuais no Municipio de Diadema
(DiaTrans), primeiro servigo de atenção a este publico na regido do ABC, na Grande São Paulo. A experiéncia nas atividades de
prevenção, promoção e proteção e as ações em campo que nos permitiram a atenção recorrente a esta população, considerando
suas especificidades, possibilitaram a reflexão e a verificação das condutas, fluxos que vão além do processo transexualizador realizado pelo SUS e do acompanhamento hormonal, o que colaborou para a confecção de uma política de atenção a sua saúde integral e regulamentações acerca do uso do nome social desta população no município de Diadema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Alexandre Yamaçake, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP). Centro de Referência IST/Aids e Hepatites Virais

Alexandre Yamagake (alexandre yamacake@diadema.sp.gov.br) é marketer pela Universidade Santo Amaro (UNISA), especialista em Prevencéo ao HIV/Aids no Quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos pela Universidade de São Paulo (USP) e coordenador do Centro de Referéncia IST/ Aids e Hepatites Virais (CR/Diadema) da Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SMS).

Vanessa Ribeiro Romão, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP). Saúde Integral da População de Travestis e Transexuais

Vanessa Ribeiro Romao (vanessa.romao@diadema.sp.gov.br) é enfermeira pela Universidade Paulista (UNIP), e coordenadora do Ambulatério a Satide Integral da População de Travestis e Transexuais de Diadema (DiaTrans) da Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SMS-Diadema).

Mayki Prata, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP).

Mayki Prata (maiky.prata@diadema.sp.gov.br) é médico pela Universidade Santo Amaro e membro da equipe multidisciplinar do DiaTrans/SMS-Diadema.

Elaine Rocha, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema (SP).

Elaine Rocha (elaine.rocha@diadema.sp.gov.br) é psicéloga pela Universidade Sagrado Coração, mestre em Saúde Publica pela Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) e membro da equipe multidisciplinar do DiaTrans/SMS-Diadema).

Maria Cláudia Vilela, Secretaria Municipal de Saúde de Diadema. Centro de Especialidades do Quarteirão da Saúde.

Maria Cláudia Vilela (claudia.vilela@diadema.sp.gov.br) é enfermeira pelo Centro Universitério Sao Camilo, especialista em Saúde da Familia pela Faculdade de Medicina do ABC, especialista em Saúde Publica pela Universidade Federal de Sao Paulo (UNIFESP) e diretora do Centro de Especialidades
do Quarteirao da Satide/ SMS-Diadema.

Referências

Brasil, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): Senado Federal; 1988.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Saúde Integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília (DF);2010.

Calazans G, Costa IER, Cunha Junior LVS, Anjos A, Benedito LAP. Políticas de saúde LGBTQI+ no Sistema Único de Saúde e na saúde suplementar. In: Ciasca SV, Hercowitz ALJ. Saúde LGBTQIA+: práticas de cuidado transdisciplinar. Santana do Parnaíba: Manole; 2021.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 880. Dispõe sobre a criação do Comitê Técnico para as formulação de proposta da Política Nacional de Saúde da População de Gays, Lésbicas, Transgêneros e Bissexuais - GLTB. Brasília (DF);2004.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.227. Dispõe sobre criação do Comitê Técnico para a formulação de proposta da política nacional de saúde da população de gays, lésbicas, transgêneros e bissexuais - GLTB. Brasília (DF); 2004.

Ministério da Saúde (BR). Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília (DF); 2011.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da mulher: princípios de diretrizes. Brasília; 2004.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Combate à Discriminação . Brasil sem homofobia. Programa de combate à violência e à discriminação contra GLTB e de promoção da cidadania homossexual. Brasília (DF);2004.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1707. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), o processo transexualizador, a ser implantado nas unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União. 18 ago 2008

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 457. Considerando a portaria GM/MS nº 1.707, de 18 agosto de 2008, que em todas as Unidades federais, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União. 19 ago 2008.

Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 410. Institui a Comissão Intersetorial de Saúde da População de Lésbicas, Gays, Bissexuais e Travestis - CISPLGBT. Diário Oficial da União. 12 fev. 2009.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.820. Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. 13 ago. 2009.

Ministério da Saúde (BR). Resolução no 26. Dispõe sobre o Il Plano Operativo (2017- 2019) da Politica Nacional de Saúde Integral de Lés14. 14. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.803. Redefine e amplia o processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União.19 nov 2013.

Sena A, Souto K. Avancos e desafios na implementação da Politica Nacional de Saúde Integral LGBT. Tempus Actas de Saúde Coletiva [internet]. 2017 [acesso em 1 abr 2022]; 11(1):9-28. Disponível em: www.researchgate.net/publication/321072647_Avancos_ e_desafios_na_implementacao_da_Politic.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de informação de agravos de notificação. Brasília (DF); 2014 [acesso em 01 abr 2022]. Disponível em: https://portalsinan.saude.gov.br/.

Ministério da Saúde (BR). Homens Gays e Bissexuais: Direitos, Saúde e Participação Social. Brasília (DF); 2016.

Cuypere G, Van Hemelrijck MA, Carael B, Heylens G, et al. Prevalence and demography of transsexualism in Belgium [internet]. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press: 2020, [acesso em 03 abr 2022]. Disponível em: https://www. cambridge.org/core/journals/european-psychiatry/article/abs/prevalence-and-demography-of-transsexualism-in-belgium/

E02CEC0635C4401373FC1FEGF7DC2454.

Coleman E, Bockting W, Botzer M, Cohen-Kettenis P, Cuypere G, et al. Normas de atenção a saúde das pessoas trans e com variabilidade de género [internet]. Texas: World Professional Association for Transgender Health (WPATH); 2012 [acesso em 01 abr 2021]. Disponivel em: https://www.wpath.org/media/cms/Documents/SOC%20v7/SOC%20V7_Portuguese.pdf.

Honneth A. Luta por reconhecimento - a gramatica moral dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Ed. 34; 2003.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e populacao LGBT: demandas e especificidades em questão. Rev Psicol. Cienc. Prof [internet]. 2012 [acesso em 05 jun 2021]; 32(3):552-563. doi: https://doi.org/10.1590/51414-98932012000300003.

Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Rev. Ciénc. Saúde Colet [internet]. 2016 [acesso em 10 abr 2021]; 21(8):2517-2525. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/zGJyVaQBWGjygRzLqfd8vRD/?format=htm|&lang=pt

Branquinho BF, Benedito LAP, Ciasca SV. Sindromes depressivas ansiosas. In: Ciasca, SV, Hercowitz ALJ, organizadores. Saúde LGBTQIA +: práticas de cuidado transdisciplinar. Santana do Parnaíba: Manole; 2021.

Gianna MC, Martins RB, Shimma E. Ambulatério de Saúde Integral para Travestis e Transexuais: desafios e realizações. BIS, Bol. Inst. Saúde. 2018; 19(2):98-104.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436. Aprova Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de Diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 21 set 2017.

Brasil. Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 2.265. Dispõe sobre o cuidado especifico a pessoa com incongruência de gênero ou transgênero e revoga a Resolução CFM nº 1.955/2010. Diário Oficial da União. 10 set 2019.

Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Protocolo para o atendimento de pessoas transexuais e travestis no município de São Paulo [internet]. 2020 [acesso em 01 abr 2021]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/ cidade/secretarias/upload/saude/Protocolo_Saude_de_Transexuais_e_Travestis_SMS_Sao_Paulo_3_de_Julho_2020.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.803. Redefine e amplia o processo transexualizador no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 19 nov 2013.

Sena A, Souto K. Avanços e desafios na implementação da Politica Nacional de Saúde Integral LGBT. Tempus Actas de Saúde Coletiva [internet]. 2017 [acesso em 01 abr 202]; 11(1):9-28. Disponível em: www.researchgate.net/publication/321072647_Avancos_ e_desafios_na_implementacao_da_Politic.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de informação de agravos de notificação [internet]. Brasília (DF); 2014 [acesso em 01 abr 2022]. Disponível em: https://portalsinan.saude.gov.br/.

Ministério da Saúde (BR). Homens Gays e Bissexuais: Direitos, Saúde e Participação Social. Brasília (DF); 2016.

Cuypere G, Van Hemelrijck MA, Carael B, Heylens G, et al. Prevalence and demography of transsexualism in Belgium [internet]. Cambridge, Reino Unido: Cambridge University Press: 2020 [acesso em 03 abr 2022]. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/european-psychiatry/article/abs/prevalence-and-demography-of-transsexualism-in-belgium/E02CEC0635C4401373FC1FEGF7DC2454.

Coleman E, Bockting W, Botzer M, Cohen-Kettenis P, Cuypere G, et el. Normas de atenção a saúde das pessoas trans e com variabilidade de género [internet]. Texas: World Professional Association for Transgender Health (WPATH); 2012 [acesso em 01 abr 2021]. Disponivel em: https://www.wpath.org/media/cms/Documents/SOC%20v7/SOC%20V7_Portuguese.pdf.

Honneth A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Ed. 34; 2003.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Rev Psicol. Cienc. Prof [internet]. 2012 [acesso em 5 jun 2021]; 32(3):552-563. (Internet). doi: https://doi.org/10.1590/51414-98932012000300003.

Rocon PC, Rodrigues A, Zamboni J, Pedrini MD. Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Rev. Ciénc. Saúde Colet [internet]. 2016 [acesso em 10 abr 2021]; 21(8):2517-2525.

(internet). Disponivel em: https://www.scielo.br/j/csc/a/zGJyVaQBWGjygRzLqfd8vRD/?format=htm|&lang=pt

Branquinho BF, Benedito LAP, Ciasca SV. Sindromes depressivas ansiosas. In: Ciasca, SV, Hercowitz ALJ, organizadoras. Saúde LGBTQIA +: práticas de cuidado transdisciplinar. Santana do Parnaíba: Manole; 2021.

Gianna MC, Martins RB, Shimma E. Ambulatério de Saúde Integral para Travestis e Transexuais: desafios e realizações. BIS, Bol. Inst. Saúde. 2018; 19(2):98-104.

Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 2.436. Aprova Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de Diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. 21 set 2017.

Ministério da Saúde (BR). Resolução nº 2.265. Dispõe sobre o cuidado especifico a pessoa com incongruência de género ou transgénero e revoga a Resolução CFM nº 1.955/2010. Diário Oficial da União. 20 set 2019.

Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Protocolo para o atendimento de pessoas transexuais e travestis no município de São Paulo [internet]. 2020 [acesso em 01 abr 2021]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/ cidade/secretarias/upload/saude/Protocolo_Saude_de_Transexuais_

e_Travestis_SMS_Sao_Paulo_3_de_Julho_2020.pdf.bicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais no âmbito do Sistema Único de Saúde. 28 set 2017.

São Paulo (Município). Portaria CCD/CRT- DST/AIDS n° 1, Protocolo clínico nos ambulatórios de saúde para travestis e transexuais.

Diário Oficial de São Paulo. 28 jan. 2010; Seção.1:33.

World Professional Association for Transgender Health (WPATH). Normas de atenção a saúde das pessoas trans e com variabilidade de género [internet]. 2012 [acesso em 03 abr 2022]. Disponível em: https://www.wpath.org/media/cms/Documents/SOC%20

V7/SOC%20V7_Portuguese.pdf.

De Carvalho Pereira LB, Chazan ACS. O acesso das pessoas transexuais e tavestis a Atenção Primaria a saúde: uma revisão integrativa. Rev. Brasil. Med. Fam. Comun [internet]. 2019 [acesso em 03 abr 2022]; 14(41):1795, 2019. doi: 10.5712/rbmfc14(41)1795. Disponível em: https://rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/1795.

Downloads

Publicado

2022-07-30

Como Citar

Yamaçake, A., Romão, V. R., Prata, M., Rocha, E., Santos, D., & Vilela, M. C. (2022). Ambulatório de Saúde Integral para travestis e transexuais de Diadema (DiaTrans) : o SUS não tem preconceito. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 23(1), 33–45. https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39614