Hospital Evandro Chagas: uma análise das transformações no edifício

Autores

  • Giovanna Martire Mestranda em Preservação e Gestão do patrimônio cultural das ciências e da saúde (COC/FioCruz) e arquiteta e urbanista (DPH/ COC/FioCruz).
  • Renato Gama-Rosa Costa Doutor em Urbanismo, Prourb/FAU/ UFRJ. Arquiteto e urbanista, coordenador do Mestrado Profissional em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde (COC/FioCruz).

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2017.v13.33851

Palavras-chave:

Patrimônio cultural da saúde, preservação, arquitetura pavilhonar

Resumo

Este artigo analisa a questão da preservação das edificações históricas hospitalares que, ao manterem seu uso original, tiveram sua arquitetura alterada para se adequar aos padrões contemporâneos de atendimento hospitalar, muitas vezes de forma irreversível. Como estudo de caso será utilizado o Hospital Evandro Chagas, edifício eclético construído na primeira década do século XX, inserido no Núcleo Arquitetônico Histórico de Manguinhos, localizado no campus da Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro. O texto é parte do projeto de mestrado que busca aprofundar o conhecimento sobre a edificação através da pesquisa de dados históricos, arquitetônicos e construtivos, bem como das alterações sofridas ao longo de sua existência. Este estudo visa a gerar subsídios importantes para definir as diretrizes para a elaboração de futuros projetos de intervenção, levando em consideração os princípios contemporâneos da preservação do Patrimônio Cultural.

Referências

BENCHIMOL, J.L. (coord.). Manguinhos, do sonho à vida – A ciência na Belle Époque. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz, 1990.
BENCHIMOL, J.L. Arquitectura y microbiología en los tiempos de Oswaldo Cruz. In: SERVÍN, M.L.G. (org.). Registro del sistema arquitectónico de
pabellones en hospitales de América Latina. v. 2. México: Universidad Nacional Autónoma de México, 2016, p. 39-54.
BRANDI, C. Teoria da Restauração. Cotia: Ateliê Editorial, 2014.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 50. 2002 CARBONARA, G. Avvicinamento al Restauro. Teoria, storia, monumenti. Liguori Editore. 1997.
CARTA DE VENEZA. II Congresso Internacional de Arquitetos e Técnicos dos Monumentos Históricos, 1964. In: I. CURY, (Org.). Cartas patrimoniais.
Brasília: IPHAN, 2000.
CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. 3.ed. São Paulo: Unesp, 2006.
_______. As questões do Patrimônio. Antologia para um combate. Lisboa.2015.
COSTA, M.C.L. O discurso higienista definindo a cidade. The hygienist discourse defining the citie. Fortaleza, Mercator, n. 29, 2013, p. 51-67.
COSTA, R.G.R. Arquitetura e saúde no Rio de Janeiro. In: PORTO, A. et al. História da Saúde no Rio de Janeiro. Instituições e patrimônio arquitetônico
(1808 –1958). Rio de Janeiro: FioCruz, 2008.
DECLARAÇÃO DE AMSTERDÃ. Congresso do Patrimônio Arquitetônico Europeu, 1975. In: I. CURY, (Org.).
Cartas Patrimoniais. Brasília: IPHAN, 2000. DEPARTAMENTO DE PATRIMÔNIO HISTÓRICO / COC / FIOCRUZ. Relatório da Proposta para o Plano de
Preservação para a Área de Interesse Histórico e Paisagístico da FioCruz. Maio, 2009.
DIAS, E. O Instituto Oswaldo Cruz. Resumo Histórico. (1899 – 1918). Rio de Janeiro: Manguinhos, 1918.
FIOCRUZ. Ofício nº 268/85-PR. In: Processo de Extensão de Tombamento do Núcleo Arquitetônico Histórico de Manguinhos. Processo nº 1.037 – T-80. Volume II. 1985.
FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979. FUNDAÇÃO NACIONAL PRÓ-MEMÓRIA. Relatório de Edgard Jacintho da Silva, de 20/12/85. In: Processo de Extensão de Tombamento do Núcleo Arquitetônico Histórico de Manguinhos. Processo nº 1.037 – T -80. Volume II. 1985.
IPHAN. MEMO Nº 1.019/97, de 26/11/97. In: Processo de Extensão de Tombamento do Núcleo Arquitetônico Histórico de Manguinhos. Processo
nº 1.037 – T -80. Volume II. 1985.
KÜHL, B. Preservação do Patrimônio Arquitetônico da Industrialização. Problemas Teóricos de Restauro. Cotia: Ateliê Editorial, 2008.
LYRA, C.C. A importância do uso na preservação da obra de arquitetura. Revista do Programa de PósGraduação em Artes Visuais da EBA. UFRJ, 2006
______. A preservação do patrimônio edificado. A questão do uso. Brasília: Iphan, 2016.
MARTIN L. Le fonctionnement de l’hôpital Pasteur. Revue d’hygiène et de police sanitaire. 1903, p. 236-281.
MASON, R. Fixing historic preservation: a constructive critique of “significance”. In: Places, a Forum of Environmental Design. v.16, n.1, 2004.
_______. Assessing Values in Conservation Planning: Methodological Issues and Choices. In: DE LA TORRE, M. (ed.). Assessing the Values of
Cultural: Research Report. Los Angeles: The Getty Conservation Institute, 2002.
MIQUELIN, L.C. Anatomia dos edifícios hospitalares. São Paulo: CEDAS, 1992.
MONTANER, J.M. Las formas del Siglo XX. Barcelona. Gustavo Gili. 2002.
NIGHTINGALE, F. Notes on Hospitals. London: Longman, Green, Longman, Roberts, and Green, 1863.
OLIVEIRA, B.T. (coord.); COSTA, R.G.R.; PESSOA, A.J.S. Um lugar para a Ciência: a formação do campus de Manguinhos. Rio de Janeiro: FioCruz, 2003. 80
OPINEL, A. The Pasteur hospital as an element of Emile Roux’s anti-diphtheria apparatus (1890-1914). Paris: Institut Pasteur, 2007.
SÉRVIN, M.L.G. (org). Registro del Sistema Arquitectónico de Pabellones en hospitales de America Latina. 1ed. México, 2014. (v.1).
________. Registro del Sistema Arquitectónico de Pabellones en hospitales de America Latina. México, 2016. (v.2).
SILVA, K.P. A ideia de função para a arquitetura: o hospital e o século XVIII. Disciplina ou formação do pensamento: a Razão das Luzes, Tenon e o Hospital. São Paulo, ano 01, n. Arquitextos 012.07, Vitruvius, maio 2001 . Disponível em: <http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/01.012/893>.
SPHAN. Informação nº 65/86. Carta de Fortunato Ferraz Gominho Filho. 17/02/86. In: Processo de Extensão de Tombamento do Núcleo Arquitetônico
Histórico de Manguinhos. Processo nº 1.037 – T-80. Volume II. 1985.
TOLEDO, L.C. Feitos para curar. arquitetura hospitalar e processo projetual no Brasil. 2002. Dissertação (Mestrado). Rio de Janeiro: Faculdade
de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

Martire, G., & Costa, R. G.-R. (2017). Hospital Evandro Chagas: uma análise das transformações no edifício. Cadernos De História Da Ciência, 13(1), 57–80. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2017.v13.33851