Férias no Butantan: atividades educativas que exploram a história da instituição

Autores

  • Sabrina Acosta Bacharel em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, Apoio a pesquisa do Instituto Butantan, São Paulo.
  • Luciana Monaco Doutora em Ensino de Ciências e Matemática pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, coordenadora do Núcleo de Difusão do Conhecimento do Instituto Butantan, São Paulo.
  • Bruna E. Nascimento Bacharel e licenciada em Biologia pela Universidade Metodista de São Paulo, especialista em Museologia e Educação pelo Programa de Aprimoramento Profissional do Instituto Butantan, professora da rede pública de ensino do Governo do Estado de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2014.v10.33921

Palavras-chave:

educação em ciências, atividades educativas, Instituto Butantan

Resumo

O presente artigo contextualiza a criação do programa Férias no Butantan – atividades educativas voltadas para o público familiar que visita a instituição nos meses de férias escolares, especificamente janeiro e julho. O programa aproxima o público do instituto de pesquisa, possibilitando uma rica troca de experiências no âmbito da história das ciências, saúde e tecnologia. A área educativa do Instituto Butantan pôde explorar novas atividades e aprofundar seus conhecimentos sobre as necessidades do público, bem como sobre a história do Butantan e de seus pesquisadores, além de promover o trabalho em equipe e trocas entre diferentes profissionais. Apresentamos um breve panorama de como esse trabalho aconteceu e os frutos que deixou para a instituição.

Referências

Almeida AM. Estudos de público no Instituto Butantan: desenvolvimento de ferramentas para apoiar políticas públicas. Relatório final. Fevereiro, 2014 (no prelo). Anjos PTA, Camargo EP. Didática multissensorial e o ensino inclusivo de ciências. Revista de la Facultad de Ciencia y Tecnologia, 2011c, v(17), número especial: 192-196.
Bizerra AF. Atividade de aprendizagem em museus de ciências. 2009. 274 f. Tese (Doutorado) – São Paulo: Curso de Educação, Departamento de Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2009.
Brazil V. A defesa contra o ofidismo. São Paulo: Pocai & Weiss, 1911, p.152.
______ Memória histórica do Instituto Butantan. São Paulo: Elvino Pocai, 1941, 169 p.
Cazelli S et al. Tendências pedagógicas das exposições de um museu de ciência. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências 2 (1999): 1-12.
Cazelli S, Marandino M, Studart D. Educação e comunicação em museus de ciência: aspectos históricos, pesquisa e prática. In: Gouvêa G, Marandino M., Leal MC (Orgs.) Educação e museu. A construção social do caráter educativo dos museus de ciências. Rio de Janeiro: Acces, 2003, pp.83-106.
da Silva Monteiro R, Gouvêa G. Entre a interatividade cultural e manual nos museus de ciência e técnica: de que CTS nos fala o público? Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC, Águas de Lindóia, SP, nov. 2013.
Delicado A. Os museus e a promoção da cultura científica em Portugal. Sociologia, Problemas e Práticas, 2006, v(51): 53-72.
Dias CESB, Duarte IG. Cadernos de História da Ciência 10 números: memória, história e balanço. Cad. Hist. Cienc. 2010, v(6), n(2): 121-141.
Gruzman C, de Siqueira VHF. O papel educacional do Museu de Ciências: desafios e transformações conceituais. Revista Electrónica de Enseñanza
de las Ciencias, 2007, v(6) n(2): 402-423.
Gouvêa G, Valente ME, Cazelli S, Marandino M. Redes Cotidianas de conhecimento e os museus de ciência. Parcerias Estratég., Brasília, 2001, n(11): 169-174.
Hooper-Greenhill E. The Educational Role of The Museum. London: Psychology Press, 1999. Instituto Butantan. Núcleo de Documentação do Instituto Butantan. Relatório de Gestão do Instituto Butantan do ano de 1918.
Marandino M. Museus de ciências como espaços de educação. In: Museus: dos gabinetes de curiosidades à museologia moderna. Belo Horizonte:
Argumentum, 2005, pp.165-176.
______ et al. A educação não formal e a divulgação científica: o que pensa quem faz. Atas do IV Encontro Nacional de Pesquisa em Ensino de Ciências, ENPEC, 2004.
São Paulo. Decreto 55.315, de 5 de janeiro de 2010. [internet]. Acessado em 06/06/2016. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/decreto/2010/decreto-55315-05.01.2010. html.
Tojal APF. Políticas Públicas culturais de inclusão de públicos especiais em museus. 312 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo, São
Paulo, 2007.
Valente ME, Cazelli S, Alves F. Museus, ciência e educação: novos desafios. Hist. Ciênc. SaúdeManguinhos, 2005, v(12) (suplemento): 183-203.
Wagensberg, J. O museu “total”, uma ferramenta para a mudança social. In: 4º Congresso Mundial de Centros de Ciência. Anais. Rio de Janeiro:
Fiocruz, 2005, pp.1-19. [internet]. Acessado em 06/06/2016. Disponível em: http://www.museudavida.fiocruz.br/4scwc/Texto%20Provocativo%20-20Jorge%20Wagensberg. pdf.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

Acosta, S., Monaco, L., & Nascimento, B. E. (2014). Férias no Butantan: atividades educativas que exploram a história da instituição. Cadernos De História Da Ciência, 10(2), 155–172. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2014.v10.33921