Do orgulho à resignação: educação e atuação profissional de obstetrizes formadas pela Universidade de São Paulo

Autores

  • Maria Luiza Gonzalez Riesco Enfermeira Obstétrica. Livre-docente. Professora Associada do Departamento de Enfermagem Materno- Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da USP.
  • Maria Alice Tsunechiro Enfermeira Obstétrica. Doutora em Enfermagem. Professora Doutora do Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Psiquiátrica da Escola de Enfermagem da USP.
  • Maria Lucia Mott Historiadora. Doutora em História Social. Pesquisadora do Instituto Butantan.
  • Nathalie Leister Obstetriz. Mestre em Ciências. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da USP.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34366

Palavras-chave:

Enfermagem Obstétrica, Obstetrícia, História, Educação, Prática Profissional

Resumo

Estudo de natureza qualitativa, na vertente da História Oral. O objetivo foi descrever e analisar a educação e atuação profissional de obstetrizes formadas pela Universidade de São Paulo, até 1970. As fontes orais foram entrevistas realizadas com dez obstetrizes, em 2000 e 2001. As exigências para ingresso no curso foram crescentes e suas características do indicam rigidez pedagógica, rigor disciplinar, carga didática volumosa, valorização do ensino prático e dedicação docente. As relações entre alunas, professores e profissionais refletem a hierarquia estabelecida nos serviços de saúde. As obstetrizes atuaram, principalmente, na assistência à mulher no parto, em serviços privados, filantrópicos e da rede pública, incluindo o Serviço Obstétrico Domiciliar. A partir dos anos de 1970, sofreram um processo de exclusão da assistência ao parto, sendo substituídas por médicos. Os discursos revelam um encantamento com a profissão, que sobrevive ao sentimento de resignação pela “quase extinção” das obstetrizes, em São Paulo.

Referências

Jorge DR. Evolução da legislação federal do ensino e do exercício profissional da obstetriz (parteira) no Brasil [Tese]. Rio de Janeiro: Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1975.
Meihy JCSB. Manual de história oral. 5ª ed. São Paulo: Loyola; 2005.
Mott ML. Assistência ao parto: do domicílio ao hospital. Proj História. 2002, n(25): 197-219.
Osava RH; Riesco MLG; Tsunechiro MA. Parteiras-enfermeiras e enfermeiras--parteiras: a interface de profissões afins, porém distintas. Rev. Bras. Enferm. 2006, v(59)n(5): 699-702.
Riesco MLG. Do orgulho à resignação: educação e atuação profissional de obstetrizes formadas pela Universidade de São Paulo [Tese]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2008.
Riesco MLG; Tsunechiro MA; Leister N. Escola de Obstetrícia da Universidade de São Paulo: a história contada no livro de atas (1912-1970). Texto Contexto Enferm. 2011, n(20): 164-71.
Ronzani TM; Ribeiro MS. Identidade e formação profissional dos médicos. Rev. Bras. Educ. Med. 2003, v(27)n(3): 229-36.
VonSimson ORM. Roteiro didático: Laboratório de História Oral (LAHO). [homepage na Internet]. Campinas (SP). [acesso 2007 Ago 15]. Disponível em: http://www.centrodememoria.unicamp.br/laho/roteiro/html
Tornquist CS. Parteiras populares: entre o folclore e a escuta. Gênero. 2005, n(6): 61-80.

Downloads

Publicado

2011-12-31

Como Citar

Riesco, M. L. G., Tsunechiro, M. A., Mott, M. L., & Leister, N. (2011). Do orgulho à resignação: educação e atuação profissional de obstetrizes formadas pela Universidade de São Paulo. Cadernos De História Da Ciência, 7(2), 9–24. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34366