A Varíola nos tempos de Dom Pedro II

Autores

  • Cristina Brandt Friedrich Martin Gurgel Professora de Clínica Médica do Centro de Ciências da Vida da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
  • Camila Andrade Pereira da Rosa Graduandas de Medicina do Centro de Ciências da Vida da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
  • Taise Fernandes Camercini Graduandas de Medicina do Centro de Ciências da Vida da Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34381

Palavras-chave:

Varíola, Brasil Império, história da medicina

Resumo

Ao assumir o trono em 1840, D. Pedro II comprometeu-se a consolidar um país novo e repleto de problemas, que incluíam os cuidados à saúde de sua crescente população. Dentre os flagelos presentes estava a varíola. Possivelmente originária da Índia, em sua marcha galopante a doença alcançara o Novo Mundo a bordo de caravelas e galeões. Vitimou a população colonial brasileira em surtos recorrentes que se perpetuaram durante o período imperial. A despeito da descoberta da vacina e dos esforços governamentais, a varíola foi uma das responsáveis pelos altos índices de morbi-mortalidade brasileira durante o século XIX. Insinuou-se no flagelo de uma seca avassaladora no Ceará; matou em São Paulo, que vivenciava através da  comercialização do café, um progresso jamais experimentado; e contribuiu para um panorama ainda mais triste nos sangrentos campos da Guerra do Paraguai. A luta contra a varíola mostrou-se inglória no Brasil Império. A grande extensão territorial e conseqüentes dificuldades de comunicação, além de uma grande resistência popular, contribuíram para o fracasso da vacinação, cujas repercussões seriam sentidas no século XX.

Referências

Benchimol JL. Pasteur, a Saúde Pública e a Pesquisa Biomédica no Brasil. In: Lima, NT, Marchand, MH. (orgs.). Louis Pasteur & Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ/Banco BNP Paribas Brasil S.A., 2005, p.55-69.
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Organização Administrativa do Ministério da Saúde: resumos executivos dos atos normativos. Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Subsecretaria de Assuntos Administrativos. Brasília. 2006 [acesso 2011 Jan 2] Disponível em: http://iah.iec.pa.gov.br/iah/fulltext/pc/monografias/ms/06_0413_M.pdf
Chalhoub S. Cidade Febril. Cortiços e Epidemias na Corte Imperial. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.
Costa MCL. Teorias médicas e gestão urbana: a seca de 1877-79 em Fortaleza. Hist. Ciênc. Saúde-Manguinhos. Rio de Janeiro. 2004; v(11)n(1): 57-74.
Dicionário Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930). Instituto Vacínico do Império. Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ. [acesso: 2010Fev 7]. Disponível em: www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/P/verbetes/instvacimp.tm#historic.
Doratioto F. Maldita Guerra- Nova Historia da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
Eugênio,A. A Epidemia de Varíola em Minas Gerais. 1873-1874. V Congresso de Ciências Humanas, Letras e Artes. UFOP. Ouro Preto (MG). 2011 Ago 28-31 [acesso 2011 Abr 20] Disponível em: http://www.ichs.ufop.br/conifes/anais/CMS/ccms17.htm#inicio
Fernandes T. Vacina Antivariólica: seu Primeiro Século no Brasil (da Vacina Jenneriana à Animal). Hist. Ciênc. Saúde-Manguinhos. Rio de Janeiro. 1999 Mar./Jun.; v(6)m(1): 29-51.
______. Imunização Antivariólica no Século XIX no Brasil: Inoculação, Variolização, Vacina e Revacinação. Hist. Ciênc. Saúde-Manguinhos. Rio de Janeiro. 2003; v(10)suplemento(2): 461-474
Góis Jr E. Movimento Higienista e Processo Civilizador: Apontamentos Metodológicos. X Simpósio Internacional – Processo Civilizador. Campinas (SP). 2007. [acesso 2011 Jan 30] Disponível em: http://www.uel.br/grupoestudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais10/Artigos_PDF/Edivaldo_Gois_Jr.pdf
Gurgel C. Doenças e Curas. O Brasil nos Primeiros Séculos. São Paulo: Editora Contexto, 2010.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estastística. Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011, p.67-68.
Larocca LM.; Marques, VRB. Higienizar, Cuidar e Civilizar: O Discurso Médico para a Escola Paranaense (1920-1937). Interface. Botucatu (SP). 2010 Dez. v(14)n(35): 753-766.
Lima Dr. S. A Variola no Hospital da Caridade no Periodo de 19 anos, desde 1855 a 1873. Gazeta Medica da Bahia. Salvador (BA). 1874 .
Lopes MB. O Rio em Movimento: quadros médicos e(m) história: 1890-1920. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.
Luz MT. et al.. Medicina e ordem política brasileira: políticas e instituições de saúde (1850-1930). v(9). Rio de Janeiro: Edições Graal, 1982.Mastromauro GC. Urbanismo e Salubridade na São Paulo Imperial: o Hospital de Isolamento e o Cemitério do Araçá. [Dissertação]. Campinas (SP): Pontifícia Universidade Católica de Campinas; 2008. Noticias Varias (sem autoria declarada). Gazeta Medica da Bahia. Salvador (BA), 1887.
Monteiro J. Vacina. Gazeta Medica da Bahia. Salvador (BA). 1877: 410 Prat FA. Notas Históricas sobre as Missões Carmelitas no Extremo Norte do Brasil Séculos XVII a XVIII. Recife, 1941. Resenha Terapeutica - Journal de Medicine et de Chirurgie pratiques, Junho, 1877. (sem autor declarado). Tratamento Abortivo da Variola. Gazeta Medica da Bahia. Salvador (BA). 1877 Jun: 378-379.
Ribeiro AF; Pascalicchio FV; Silva PAV; Opromolla PA. A Varíola em São Paulo (SP, Brasil): Histórico das Internações no Instituto de Infectologia Emílio Ribas entre 1898 e 1970. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. 2011. v(16)n(2): 423-432.
Ribeiro MM. A Ciência dos Trópicos: a Arte Médica no Brasil do Século XVIII. São Paulo: Hucitec, 1997.
Rios VDB. Entre a Vida e a Morte: Medicina, Médicos e Medicalização na Cidade de Salvador, 1860 – 1880. [Dissertação]. Salvador (BA). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia. 2001. [acesso 2011 Jan 03]. Disponível em: http://www.ppgh.ufba.br/IMG/pdf/ENTRE_A_VIDA_E_A_MORTE.pdf
Sá MR. A Peste Branca nos Navios Negreiros: Epidemias de Varíola na Amazônia Colonial e os Primeiros Esforços de Imunização. Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental. São Paulo. 2006 [acesso 2010 Fev 2]. Disponível em: http://www.fundamentalpsychopathology.org/8_cong_anais/SIMP_29c.pdf
Sampaio G. Nas Trincheiras da Cura. As Diferentes Medicinas no Rio de Janeiro Imperial. Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2001.
Santos Filho L. Historia Geral da Medicina Brasileira. v(2). São Paulo: Edusp, 1991.
Schatzmayr HG. A Varíola, uma Antiga Inimiga. Cad. Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2001 Nov./Dez. v(17)n(1).
Schwartz SB. Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial (1550-1835). São Paulo: Companhia das Letras, 1988. apud Nogueira, LFV.Expectativa de Vida e Mortalidade de Escravos: Uma Análise da Freguesia do Divino Espírito Santo do Lamim – MG (1859-1888). Revista Histórica. São Paulo. 2011 Dez [acesso 2012 Abr 05]. Disponível em: http://www.historica.arquivoestado.sp.gov.br/materias/anteriores/edicao51/materia01/Schwyzer I. Especial Revolta da Vacina. Portal Educacional. [acesso: 2010 Fev 6] Disponível em: www.educacional.com.br/especiais/revoltadavacina/sabermais.asp
Sequeira J. Relatorio Acerca do Estado Sanitario desta Provincia , durante o Ano de 1873, enviado ao Presidente da Junta Central de Higiene Publica. Gazeta Médica da Bahia. Salvador (BA). 1874 .
Silveira AJT; Marques, RC. Sobre a Varíola e as Práticas de Vacinação em Minas Gerais (Brasil) no Século XIX. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. 2011 Fev. v(16)n(2): 387-396.
Soto C. Efeitos de uma epidemia Taubaté (1873-1874). Revista de História. São Paulo. 1993 Jul [acesso: 2011 Jan 30]. n(127-128) Disponível em: http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S0034--83091993000100002&script=sci _arttextTelarolli Junior R. Histórico da Vacinação Antivariólica no Brasil. Rev. Ciênc. Farm. São Paulo. 1999. v(20)n(2).
Valentim A. Portugal e a Abolição do Tráfico de Escravos (1834-1851). Análise Social. Lisboa, Portugal. 1991 v(26)n(111): 293-333. [acesso 2012 Fev 12]. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223038698G8jRF9au8Nl18MP8.pdf
Vargas R. Doença da bexiga matou mais de 3 mil pessoas nos últimos 4 meses. Diário de Cuiabá. Cuiabá (MT). 2001 Abr 08 [acesso: 2011 Abr 20]. Disponível em: http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=47473
Veras RP. Brazil is getting older: demographic changes and epidemiological challenges. Rev. Saúde Pública. São Paulo. 1991 v(25)n(6).

Downloads

Publicado

2011-06-30

Como Citar

Gurgel, C. B. F. M., Rosa, C. A. P. da, & Camercini, T. F. (2011). A Varíola nos tempos de Dom Pedro II. Cadernos De História Da Ciência, 7(1), 55–69. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2011.v7.34381