O filme de temática científica: possibilidades de uma documentação histórica

Autores

  • Márcia Regina Barros da Silva Doutora em História Social. Pesquisadora do CeHFi – UNIFESP.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2007.v3.35723

Palavras-chave:

cinema, ciência, saúde, imagem, história

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir as possibilidades de trabalho com o cinema de temática científica, especificamente aquele relacionado com a área da saúde. O cinema como documentação histórica possibilita que as atividades de ciências possam ser discutidas em vários sentidos, principalmente no que diz respeito às particularidades das suas ações de representação do mundo natural. Como produtora de conhecimento as ciências têm a questão da reprodutibilidade de seus dados, para  efetivação de sua comunicação com os pares e com o público de forma geral, um tema de grande importância. O cinema pode contribuir muito para o entendimento desses processos, assim como o filme de temática científica pode auxiliar na compreensão deste campo de produção particular no Brasil.

Referências

Baqué, D. Pour um novel art politique. De lárt contemporain au documentaire. Paris : Flammarion, 2006.

Bordieu, P. O campo científico. In : Ortiz, Renato (Org.). Sociologia. São Paulo : Ed. Ática, 1994, pp. 122-155. (1ª. Ed. 1976).

Capelato et al. História e cinema. São Paulo : Alameda, USP, 2007.

Catani, AM. Cogumelos de uma só manhã. B. J. Duarte e o cinema brasileiro. Anhembi: 1950-1962. Tese de doutoramento. FFLCH- USP (sociologia), 2 Vols. 1991.

Crary, J. Techniques of the Observer. On Vision and Modernity in the Nineteenth Century. England : MIT Press, 1992.

Da-Rin, S. Espelho partido. Tradição e transformação do documentário. RJ. : Azougue, 2006 (1ª. Ed. 2004).

Daston, L e Galison, P. The Image of Objectivity. In : University of California Press. Representations, n. 40. Special Issues: Seeing Science, autum, 1992, pp. 81-128. DOI: https://doi.org/10.2307/2928741

Delage, Cn. La verité par l´image. De Nuremberg au procès Milosevic. Paris : Denoel, 2006.Duarte, BJ. B. J. Duarte. O caçador de imagens. SP : Cosac Naify, 2007.

Textos: Júnior, Rubens Fernandes et. Al.

________. A luz fosca do dia nascente. Crônica da memória, vol I; Nas trilhas do cinema brasileiro. Caçadores de imagens. Crônica da memória, vol II; Lâmpada cialítica: namoros com a medicina – Crônica da memória, vol. III. São Paulo, Massao Ohno – Rowistha Kempf Editores, 1982.

Gaycken, O. ‘A Drama Unites Them in a Fight to the Death’: some remarks on the flourishing on a cinema of scientific vernacularization in France, 1909-1914. Historical Journall of Film, Radio and Television, vol. 22, no. 3, 2002, pp. 353-374. DOI: https://doi.org/10.1080/01439680220148750

Hamery, R. Jean Painlevé et la promotion du cinéma scientifique em France dans les années trente. 1895, no. 47, décembre, 2005, pp. 79-95 DOI: https://doi.org/10.4000/1895.328

Knorr-Cetina, K. Epistemic cultures. How the sciences make knowledge. England : Harvard University Press, 1999.

Kunh, T. A estrutura das revoluções científicas. SP : Editora Perspectiva, 1994 (1ª. Ed. 1962).

Landecker, H. Microcinematography and the History of Science and Film. Isis, 2006, vol. 97, pp. 121-132. DOI: https://doi.org/10.1086/501105

Latour, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo : Editora Unesp, 2000 (1a. edição 1987).

________. Drawing things together. In: Lynch, Michael & Woolgar, Steve (Ed.). Representation in scientific practice. The MIT Press, Cambridge, Massachusetts, 1990, pp. 19-68.

Lynch, M e Woolgar, S (edts.). Representation en scientific practice. England : The MIT Press, 1990, 1a. ed., 1988.

Morettin, EV. Dimensões históricas do documentário brasileiro no período silencioso. In : Rev. Bras. de História. SP, v. 25, no. 49, 2005, pp. 125-152. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-01882005000100007

Oliveira, BJ. Cinema e imaginário científico. In : História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 13 (suplemento), outubro de 2006, pp. 133-50. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-59702006000500009

Ribeiro, JS. Antropologia visual, práticas antigas e novas perspectivas de investigação. Rev. Antropol. vol.48 no.2, São Paulo July/Dec. 2005, pp. 613-648. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000200007

Silva, MRB. Estratégias das Ciências: a história da Escola Paulista de Medicina (1933-1956). Editora Universitária São Francisco, 2003.

Woolgar, S. Ciencia: abriendo la caja negra. Barcelona: Antropos, 1991 (1a. Edição, 1988).

Entrevista

Jatene, A. Entrevista. Local: Consultório – Rua Desembargador Eliseu Guilherme, 147, 2º. andar, Paraíso, Hospital do Coração – HCOR. Data: 23 de maio de 2007. Realizada por Márcia Regina Barros da Silva, gravada em arquivo digital, armazenada no Centro de História e Filosofia da Saúde – CeHFi – UNIFESP.

Filmes

Marca-passo implantável, 1968 [?], Direção B. J. Duarte. Assessoria científica Dr. Adib Jatene. Produção Laboratório Sandoz do Brasil.

Válvula Cardíaca, 1968 [?], Direção B. J. Duarte. Assessoria científica Dr. Adib Jatene. Produção Laboratório Johnson e Johnson e Associação Nacional de Assistência ao Cardíaco – ANAC.

Fonte

Revista Fatos e fotos. Fotos de Benedito Junqueira Duarte e Estanislav Szankoviski. Brasília, 13 de junho de 1968. Ano VIII. No. 394, 28 páginas.

Downloads

Publicado

2007-12-31

Como Citar

Silva, M. R. B. da. (2007). O filme de temática científica: possibilidades de uma documentação histórica. Cadernos De História Da Ciência, 3(2), 13–36. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2007.v3.35723