A origem e a constituição dos acervos ofiológicos do Instituto Butantan

Autores

  • Myriam Elizabeth Velloso Calleffo Bióloga, Assistente de Pesquisa VI - Laboratório de Herpetologia - Instituto Butantan, São Paulo
  • Cibele Cintia Barbarini Bióloga (Fundação Butantan) - Museu Biológico - Instituto Butantan, São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2007.v3.35725

Palavras-chave:

ofiologia, Instituto Butantan, acervo, coleção, museu

Resumo

O Instituto Butantan desenvolveu papel fundamental na área de saúde pública, pois além do ofidismo, se envolveu em estudos de doenças no final do século XIX. Desde o inicio do século XX, serpentes provenientes de várias localidades do Brasil, são trazidas pela população ao Instituto, em decorrência do trabalho iniciado por Vital Brazil em sua campanha contra o ofidismo, pela permuta de soro por cobras. Era grande a quantidade de cobras enviadas ao Instituto, o que favorecia o crescimento do acervo de serpentes colecionadas e expostas ao público. Neste ínterim o Butantan difundiu e divulgou suas pesquisas, seus produtos e realizou atividades educativas, baseadas neste acervo. A Recepção de Serpentes, conhecida tradicionalmente por fornecedores de cobras em todo Brasil, sempre foi a porta de entrada e destino dos animais no Instituto. Devido à grande demanda no envio e permuta dos animais tornou-se necessário o estudo taxonômico para identificar as novas espécies que chegavam, esclarecendo sobre a especificidade do soro antiofídico. Ao mesmo tempo, o público se interessava em ver e conhecer os animais peçonhentos. Estes trabalhos foram significativos para aprimorar o acervo, ampliando o setor de pesquisa e o de exposição pública, e projetando o Instituto em outras instituições nacionais e estrangeiras. Em decorrência destas atividades duas seções se estabeleceram: uma se especializou em receber, identificar, registrar, armazenar e conservar osanimais, divulgando suas pesquisas científicas e catalogando as espécies. Outra se aprimorou em exposições públicas com caráter educativo e museológico. Nosso objetivo é caracterizar a formação deste acervo que compartilha uma mesma origem e atualmente é reconhecido pela “Coleção de Serpentes Alphonse Richard Hoge”, Laboratório de Herpetologia – Divisão de Desenvolvimento Científico e Museu Biológico – Divisão de Desenvolvimento Cultural.

Referências

Almeida, A.M. A Relação do público com o museu do Instituto Butantan: Análise da exposição “Na natureza não existem vilões”. [Dissertação] – ECAUSP, Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. 1995. 173p.
Amaral, A. Lista remissiva dos ophidios do Brasil. Contribuição ao conhecimento dos ophidios do Brasil. Memórias do Instituto Butantan. TOMO IV. São Paulo, Brasil. 1929. p.69-125.
Amaral, A. Campanhas antiofídicas. Memórias do Instituto Butantan. TOMO V. São Paulo, Brasil. 1930. p.193-231.
Amaral, A. Animais Venenosos do Brasil. Editora Instituto Butantan. 66p. 1931a.
Amaral, A. Estudo sobre ophidios neotropicais. XXVIII. Comentários a propósito de alguns boideos. Memórias do Instituto Butantan. TOMO VI. São Paulo, Brasil, 1931b. p. 175-181.
Amaral, A. Contribuição ao conhecimento dos ophidios do Brasil. VIII. Lista remissiva dos ophidios do Brasil. 2° Edição. Memórias do Instituto Butantan. TOMO X. São Paulo, Brasil. 1935/1936. p.87-162
Amaral, A. Serpentes em crise: a luz de uma legitima defesa no “caso do Butantan”, São Paulo. p.113.1941.
Becker, G. Fontes históricas, museu e patrimônio: influências da Era da Virtualidade. In: Memória, Museu e Patrimônio; Ciclo de Palestras; II Fórum de Acervos do RS. 2001.
Brazil, V. As cobras venenosas e o tratamento específico do ophidismo. Imprensa Médica, vol. 17. 1909.
Brazil, V. A defesa contra o ofidismo. Pocai & Weiss e C. 1911, 152p.
Brazil, L.V. Vital Brazil – uma história. Jornal da Associação Paulista de Medicina, São Paulo, n° 96, abril, Suplemento Cultural. 1995.
Brazil, L.V. Vital Brazil - vida e obra 1865-1950. Niterói: Instituto Vital Brazil, (Discurso proferido na solenidade de comemoração do
aniversário de 80 anos do Instituto Vital Brazil, 11 set. 2000). 56 p. 2001.
Brazil, O.V. Vital Brazil e o Instituto Butantan. Campinas: Editora da Unicamp, 93p. (Coleção Momento). 1996.
Bruno, M.C.O. Herança Cultural: As possibilidades do tratamento museológico. Série: Cadernos de Museologia, n° 1 Sergipe: Universidade Federal de Sergipe, 1987.
Canter, H.M. & Silva, A.V. da (coord.). 100 Anos de Butantan. São Paulo: Gabarito de Marketing Editorial, ed. bilíngüe, ilustrada. 74p. 2000.
Cazelli, S.; Marandino, M. & Studart, D.C. Educação e Comunicação em Museus de Ciência: aspectos históricos, pesquisa e prática. In: Gouveia, G.; Marandino, M. & Leal, M.C. Educação e Museu. A Construção Social do caráter Educativo dos Museus de Ciência, ACCESS Editora, Rio de Janeiro. 233p. 2003.
Corrêa, D.S. Histórias do IB. Coleção de Serpentes Alphonse Richard Hoge. Informativo do Instituto Butantan. Ano 3, n° 18, 1986.
Fonseca, F. Animais Peçonhentos. São Paulo. 1949.
Fonseca, F. Instituto Butantã. Sua origem, desenvolvimento e contribuição ao progresso de São Paulo. In: “São Paulo em quatro séculos”, vol.2. Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, editado pela Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, São Paulo, 1954. p. 269-319.
Furtado, M.F.D. O Serpentário. Instituto Butantan, SP. 2000.
Kraus, R. Instituto Sorotherapico Butantan do Estado de São Paulo - Noções Gerais Sôbre Cobras. Ed. Cia. Melhoramentos de São Paulo, SP. 110p. 1923.
Lewinsohn, T.M. & Prado, P.I. Biodiversidade brasileira: síntese do estado atual do conhecimento. 2 ed. São Paulo: Contexto. 176 p. 2004.
Lopes, M.M. O Brasil descobre a pesquisa científica: os museus e as ciências naturais no século XIX. São Paulo: HUCITEC, 369 p.1997.
Lucas, S.O. Laboratório de Artrópodes do Instituto Butantan e os aracnídeos peçonhentos. História, Ciências, Saúde Manguinhos. vol. 10, n° 3 p.1025-1035. 2003.
Jorge, W. Curadoria privada de acervo público. Ciência Cultura, vol. 60, n° 1. p.50-52. 2008.
Papavero, N. Fundamentos práticos de taxonomia zoológica (coleções, bibliografia, nomenclatura) 2°Ed., ver. Ampl. São Paulo: UNESP. 285p. 1994.
Prado, A. Serpentes do Brasil. Editora Sítios e Fazendas. 134p. 1945.
Relatórios Anuais da Diretoria do Instituto Butantan. Acervo I. Butantan (1903, 1904, 1906, 1907, 1910, 1911, 1912, 1913, 1915, 1916, 1917, 1918, 1919, 1920, 1921, 1922, 1925, 1926, 1931, 1938, 1939, 1944, 1945).
Rosenfeld, G. Vital Brazil. Memórias do Instituto Butantan, São Paulo, vol. 34, p.10-16. 1969.
Russio, W. Museu: Um aspecto das organizações culturais num país em desenvolvimento. São Paulo: [Dissertação] FESP. Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo. 1977.
Oliveira, J.L. de. “Cronologia do Instituto Butantan (1888-1981); 1ª Parte: 1888-1945” In: Memórias do Instituto Butantan, 44/45:
1980/81. 45p.
Silva Jr., M. O Ofidismo no Brasil. Ministério da Saúde, Rio de Janeiro. 346p. 1956.
Spinelli Jr., J. A conservação de acervos bibliográficos & documentais. Rio de Janeiro. Fundação Biblioteca Nacional, Dep. de Processos Técnicos. 1997. 90p.
Tanasov, V.S.; Furtado, M.F.D. & Salomão, M.G. Avaliação dos impactos causados pelos procedimentos de permuta de serpentes no Brasil em cem anos de existência do Instituto Butantan. Publicações Avulsas do Instituto Pau Brasil de História Natural. São Paulo, n° 6, p. 1- 48. 2003.
Vanzolini, P.E. & Brandão, J.H.F. Notas sobre algumas diferenças sexuais na folidose de Bothrops alternata D. & B., 1854 e sua variação geográfica. Memórias do Instituto Butantan. TOMO XVIII, São Paulo, Brasil, 1944/45, 18:251-258.
Vaz, E. Fundamentos da História do Instituto Butantan e seu desenvolvimento. São Paulo. 123p. 1949.

Downloads

Publicado

2007-12-31

Como Citar

Calleffo, M. E. V., & Barbarini, C. C. (2007). A origem e a constituição dos acervos ofiológicos do Instituto Butantan . Cadernos De História Da Ciência, 3(2), 73–100. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2007.v3.35725