Motivações e condições para a viagem de um naturalista na Amazônia

Henry Bates

Autores

  • Jose Jerônimo de Alencar Alves Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2022.v16.37263

Palavras-chave:

Bates, História, Naturalista, Amazônia.

Resumo

O naturalista Henry Bates permaneceu onze anos realizando atividades científicas na região Amazônica. Para que ele concretizasse esse empreendimento, dois fatores são enfatizados pela historiografia: um, de ordem motivacional, refere-se ao acentuado interesse que ele nutria pela História Natural; outro, de ordem econômica, diz respeito ao contrato que assinou antes da viagem, por meio do qual receberia pagamento pelas espécies que enviasse à Europa. Essas afirmações decorrem de uma minuciosa leitura dos textos historiográficos que incluem a jornada do naturalista na Amazônia, entre os quais estão aqueles escritos por Henry Bates mesmo, sobretudo no livro de viagem, em que enfatiza as próprias impressões estéticas e sensíveis, e não apenas suas atividades científicas na região. A leitura desses escritos nos levou à seguinte questão: Teriam sido essa motivação e esse pagamento os únicos fatores que contribuíram para a longa temporada passada nessa região? Concluímos que essa permanência — condição necessária para as atividades científicas que ele realizou, conforme expressa nos próprios escritos —, além dos propósitos científicos, foi estimulada por sentimentos afetivos e valores estéticos relativos à natureza e favorecida pelo apoio da população local.

Biografia do Autor

Jose Jerônimo de Alencar Alves, Universidade Federal do Pará

Universidade Federal do Pará. Professor, Pesquisador e Coordenador do Grupo de Filosofia e História da Ciência e Educação do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Educação em Ciências e Matemática da Universidade Federal do Pará

Referências

AGASSIZ, Luiz. Viagem ao Brasil (1865-1866). Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/ Edusp, 1975.
ALVES, Jerônimo. Determinismo climático e salubridade amazônica na percepção de Bates e Wallace. Cadernos de Historia da Ciência, v.4, n.2, p.37-49. 2009.
ALVES, Jerônimo. A natureza e a cultura no compasso de um naturalista do século XIX: Wallace e a Amazônia. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, Rio de Janeiro, v.18, n.3, p.775-788. 2011.
BATES, Henry Walter. Notes on coleopteros insects frequenting damping places, Zoologist, n.1, p.144-155. 1843.
BATES, Henry Walter. Um naturalista no rio Amazonas. Belo Horizonte/São Paulo: Itatiaia/ Edusp, 1979.
CRAWFORTH, Anthony. The Butterfly Hunter: The life of Henry Walter Bates. United Kingdom: University Buckingham Press. 2009.
EDWARDS, Willian, A voyage up the River Amazon: including a residence at Pará. New York: Cornell University. 1847.
FERREIRA, Ricardo. Battes, Darwin, Wallace e a Teoria da Evolução. Brasília/São Paulo: UNB/Edusp. 1990.
FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1987.
GUALTIERI, Regina Cândida Ellero, A Amazônia sob olhares evolucionistas: a ciência no Museu Paraense (1894- 1914). In: ALVES, Jerônimo (Org.). Múltiplas faces da História das Ciências na Amazônia, Belém, Edufpa, p.103-134. 2005.
KURY, Lorelai. Entre a utopia e o pragmatismo a História Natural no Iluminismo Tardio. In: SOARES, Luiz Carlos (Org.). Da Revolução Científica à Big (Business) Science. São Paulo:Ucitec/Niterói EdUFF, p.105-154, 2000.
KURY, Lorelai. Viajantes naturalistas no Brasil Oitocentista: experiência, relato e imagem. História, Ciência e Saúde:Manguinhos, v. VIII (suplemento), p.863-880. 2001.
LEITE, Mirian L. Moreira. Naturalistas Viajantes. História Ciências Saúde. v.2, n.1, p.7-19, 1994.
PINHEIRO, Rachel e LOPES, M. Margareth. Aspectos das produções textuais nas viagens dos naturalistas, Triplov.com, 2003.
RICOTTA, Lúcia. Natureza, Ciência e Estética em Alexander von Humboldt. Rio de Janeiro: Mauad. 2003.
SANJAD, Nelson. Emilio Goeldi (1859-1917): A Ventura de um Naturalista entre a Europa e o Brasil. Rio de Janeiro, EMC, 2009.
SANTANA, José Carlos Barreto de. Euclides da Cunha, as ciências naturais e a busca do paraíso perdido. In: ALVES, J. Jerônimo (Org.). Múltiplas Faces da História das Ciências na Amazônia. Belém, Edufpa, p.135-151, 2005.
SEVCENKO, Nicolau. O Front Brasileiro na Guerra do Verde: Vegetais, Colonialismo e Cultura, Revista USP, n.30, p.108-119. 1996.
STEPAN, Nancy Leys. Picturing Tropical Nature. London: Reaktion Books. 2001.
VENTURA, Roberto. Estilo Tropical. São Paulo: Cia das Letras. 1991.
WALLACE, Alfred Russel. Viagens pelos rios Amazonas e Negro. Belo Horizonte: Itatiaia. 1979.
VANZOLINI, Paulo. A Contribuição dos Primeiros Naturalistas Viajante no Brasil: Dossiê Brasil dos Viajantes. Revista da Universidade de São Paulo, 1989.

Downloads

Publicado

2022-08-24

Como Citar

Alves, J. J. de A. (2022). Motivações e condições para a viagem de um naturalista na Amazônia: Henry Bates. Cadernos De História Da Ciência, 16. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2022.v16.37263

Edição

Seção

Artigo Original