Estratégias de comunicação no processo de trabalho do Apoio Matricial

  • Mônica Martins de Oliveira Viana Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Instituto de Saúde
Palavras-chave: Comunicação, Apoio Matricial, Atenção Primária, Atenção à Saúde

Resumo

A fim de alcançar o compartilhamento de saberes e o cuidado integral à saúde, é imprescindível que as equipes de Apoio Matricial estabeleçam fluxos efetivos de comunicação com as equipes da Atenção Primária. Por isto, o presente artigo tem como objetivo analisar a percepção de equipes de Apoio Matricial sediadas em Campinas (SP), Curitiba (PR) e Uberlândia (MG) sobre as principais ferramentas de comunicação utilizadaspara o compartilhamento do cuidado. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de estudo de casos múltiplos com único nível de análise. Combina aplicação de questionário e realização de grupo focal com equipes que realizam Apoio Matricial. Os resultados indicam que os profissionais tendem a valorizar espaços coletivos de discussão, reuniões e mecanismos formais de comunicação. Contudo, as equipes reconhecem que na prática prevalecem os contatos informais, apontando para a necessidade de rever as estratégias de comunicação. O estudo ressalta a importânciado incremento das estratégias de comunicação interna, a fim de proporcionar a sistematização e institucionalização dos processos de trabalho que favoreçam os encontros e as trocas de saberes entre as equipes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

01. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Legislação em Saúde. Brasília(DF);2012. (Série E)
02. Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia.Brasília (DF): Unesco; 2002.
03. Starfield B. William Pickles Lecture. Primary and specialty care interfaces: the imperative of disease continuity. Br J Gen Pract. 2003; 53(494):723-729.
04. Andrade LOM et al. Atenção Primária à saúde e estratégia saúde da família. In: Campos GWS. et al, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed. São Paulo: Hucitec; 2006. p. 783–836.
05. Campos GWS, Cunha GT, Figueiredo MD. Práxis e formação Paideia: apoio e cogestão em saúde. São Paulo: Hucitec; 2013.
06. Campos GWS. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria Paideia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: Campos GWS et al, organizadores. Tratado de Saúde Coletiva. 2. ed.
São Paulo: Hucitec; 2012. p.41-80.
07. Campos GWS, Domitti AC. Apoio Matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública. 2007; 23(2):399-407.
08. Ministério da Saúde (BR). Diretrizes do NASF. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília(DF);2009. (Cadernos de Atenção Básica).
09. Ministério da Saúde (BR).Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família. Brasília(DF); 2014.
(Cadernos de Atenção Básica; 39).
10. Lourau R. Análise Institucional. 3. ed. Petrópolis: Vozes; 2014.
11. Tavares FB, Ferreira AR. Rádio peão como ferramenta de comunicação interna. Rev Panorama.2013;3(1):292-302.
12. Brandão NG. A comunicação interna estratégica como reforço da valorização das pessoas e seu nível de engagement nas organizações. Media & Jornalismo.2018; 18(33):91-102.
13. Almeida LAS. A importância da comunicação interna para a motivação dos colaboradores. Rev Comunicação e Ciências Empresariais online. 2013;8:90-103.
14. Neiva F. Comunicação das Organizações: um olhar sobre a importância da Comunicação Interna. Media & Jornalismo. 2018; 18(33):61-73.
15. Marchiori M. Os desafios da comunicação interna nas organizações. Conexão - Comunicação e Cultura.2010;9(17):145-158.
16. Bueno WC. A Rádio Peão e democracia interna nas organizações. Rev Fac Adm Economia.2011;2(2):92-100.
17. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec;2010.
18. Champagne F, et al. A análise da implantação. In: Brousselle A. et al, organizadores. Avaliação: conceitos e métodos. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz;2011. p. 217-238.
19. Trad LAB. Grupos focais: conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis. 2009;19(3):777-796.
20. Westphal MF, Bógus CM, Faria MM. Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol Oficina Sanitária do Panamá. 1996;120(6):472-482.
21. Onocko-Campos RT. Pesquisa qualitativa em políticas, planejamento e gestão em saúde coletiva. In: Barros et al, organizadores. Pesquisa qualitativa em saúde: múltiplos olhares. Campinas: Unicamp;2005a. p.261-271.
22. Onocko-Campos RT. O encontro trabalhador-usuário na atenção à saúde: uma contribuição da narrativa psicanalítica ao tema do sujeito na saúde coletiva. Rev Ciência & Saúde Coletiva.2005b;10(3):573-583.
23. Oliveira MM. Apoio Matricial na atenção básica de campinas: formação e prática [dissertação].Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2014.
Publicado
2020-07-01
Como Citar
Martins de Oliveira Viana, M. (2020). Estratégias de comunicação no processo de trabalho do Apoio Matricial. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 21(1), 87-96. https://doi.org/10.52753/bis.2020.v21.36731