A Saúde e as Ações Intersetoriais no município de Embu das Artes

Autores

  • Roberta Cristina Boaretto é psicóloga, Faculdade de Medicina do ABC
  • Emílio Telesi Júnior é médico sanitarista, Instituto de Saúde e Faculdade de Medicina de Jundiaí
  • Manuela de Resende B. R. Pucci é psicóloga, especialista em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde
  • Joyce Bernardo é enfermeira, especialista em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2012.v13.33709

Palavras-chave:

Planejamento Urbano, Promoção da Saúde, Ações Integrada, Intersetorialidade, Política Social

Resumo

As formas hegemônicas de enfrentamento dos complexos problemas em saúde se mostraram ao longo do tempo insuficientes e, neste contexto, a intersetorialidade surge como alternativa para a superação deste modelo fragmentado, propondo a articulação de saberes, vontades e setores
sociais diversos como resposta às demandas da população. Partindo desta nova lógica para a gestão nos municípios, a pesquisa tem como objetivo a identificação e reflexão acerca das ações intersetoriais existentes no município de Embu, visando a redução da mortalidade infantil e seus determinantes. Para a discussão sobre o desafio da intersetorialidade, faz-se necessária a abordagem de temas que estão diretamente interconectados na teia de gestão em saúde como equidade, qualidade de vida, participação social e promoção de saúde, que, por sua vez, pode
se apresentar sob diversas óticas de compreensão – desde seu entendimento conceitual às práticas desenvolvidas. Parte-se aqui da compreensão de que a redução dos óbitos infantis poderá ser atingida como reflexo de uma adequada e potencializadora articulação intersetorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. I Conferência Internacional de Promoção de Saúde; 1986, Ottawa, Canadá. Carta de Otawa [acesso em 10 set 2010]. Disponível em: http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Ottawa.pdf
2. I Conferência Internacional sobre Cuidados Primários à
Saúde; 1978, Alma-Ata: URSS. Declaração de Alma-Ata [acesso em 10 set 2010]. Disponível em: http://www.opas.org.br/coletiva/uploadArq/Alma-Ata.pdf
3. 4ª Conferência Internacional de Promoção da Saúde; 1997, Jacarta, Indonésia. Declaração de Jacarta. [acesso em 10set 2010]. Disponível em: http://www.opas.org.br/promocao/uploadArq/Jacarta.pdf
4. Feuerwerker L; Costa H. Intersetorialidade na Rede Unida. Rev. Div Saúde Deb. 2000;22:25-35.
5. Inojosa RM; Junqueira LAP. O Setor de saúde e o desafio da intersetorialidade. Cadernos FUNDAP. 1997;21:156-64.
6. Junqueira LAP. Intersetorialidade, transetorialidade e redes sociais na saúde. Rev Adm Pública. 2000;34(6):35-45.
7. Lefevre F, Lefevre AAMC. Promoção de saúde: a negação da negação. Rio de Janeiro: Vieira e Lent; 2004.
8. Ministério da Saúde. Portaria Nº 936, de 18 de Maio de 2004. Dispõe sobre a estruturação da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde e a Implantação e Implementação de Núcleos de Prevenção à Violência em Estados e Municípios. Diário Oficial União. 20 maio 2004; Seção 1: 8.
9. Rabello LS. Promoção da saúde: a construção social de um conceito em perspectiva comparada. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2010.
10. Secretaria Municipal de Saúde de Embu. Plano Municipal de Saúde 2010-2013. Embu; 2010 [ Mimeo]. 11. Secretaria Municipal de Saúde de Embu. Projeto UBS Integradora, 2010. Embu; 2010 [Mimeo].

Downloads

Publicado

2012-07-31

Como Citar

Boaretto, R. C., Júnior, E. T., Pucci, M. de R. B. R., & Bernardo , J. (2012). A Saúde e as Ações Intersetoriais no município de Embu das Artes. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 13(3), 253–259. https://doi.org/10.52753/bis.2012.v13.33709