Câncer de pênis, aspectos epidemiológicos e fatores de risco: tecendo considerações sobre a promoção e prevenção na Atenção Básica

Autores

  • Silvia Helena Bastos de Paula é enfermeira, doutora em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação da Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria de Estado de São Paulo e pesquisadora científica III do Núcleo de Práticas do Instituto de Saúde
  • Maria José Leonardo Souza é biomédica, doutora Resumo Abstract Palavras-chave: Câncer de pênis, Saúde do homem, Masculinidade Penile cancer, epidemiologic aspects and risk factors: making considerations about the promotion and prevention in the Primary Attention Keywords: Penile cancer, Men’s health, Masculinity em Ciências com concentração em oncologia pelo Hospital do Câncer de São Paulo, pesquisadora em patologia dos tumores e transição epitélio-mesênquima
  • Juliane Daniee Almeida é estagiária da Fundação do Desenvolvimento Administrativo (Fundap) no Núcleo de Práticas do Instituto de Saúde e graduanda em enfermagem pela Faculdade Santa Marcelina

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2012.v14.33726

Palavras-chave:

Câncer de pênis, Saúde do homem, Masculinidade

Resumo

O carcinoma de pênis representa 2% dos casos de câncer em homens no país. Embora raro, manifesta-se de forma agressiva por lesões e alterações de coloração
da glande, ou em forma de ferida ou úlcera persistente e tumoração. As lesões situam-se na glande, no prepúcio ou no corpo do pênis e nos gânglios inguinais. Este artigo explora aspectos epidemiológicos e riscos para câncer de pênis, elabora síntese e breves reflexões a partir de levantamento bibliográfico em fontes disponíveis na Biblioteca Virtual de Saúde. A literatura mostra que o grande desafio seria trazer os homens para o cuidado em saúde, promover autoconhecimento do corpo e higiene adequada do pênis, discutir estilo de vida sadio, evitar o tabagismo e até mesmo parar com essa prática, realizar circuncisão neonatal, assim como estimular os homens quanto à procura de serviços de saúde, uma vez que é necessário conceber espaços de atuação para atender às necessidades da população masculina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Badinter E. XY: sobre a identidade masculina. Estrada MID, tradutor. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1993. O homem mutilado; cap.1, p.131-142.
2. Barros EM, Melo MCB. Câncer de pênis: perfil sócio-demográfico e respostas emocionais à penectomia em pacientes atendidos no Serviço de Psicologia do Hospital do Câncer de Pernambuco. Rev SBPH. 2009;12(1):99-111.
3. Bezerra ALR, Lopes A, Landman G, Alencar GN, Torloni H, Villa LL. Clinicopathologic features and human papillomavirus DNA prevalence of warty and squamous cell carcinoma of the penis. Am J Surg Pathol. 2001;25:673-8.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria 1.944, de 27 de agosto de 2009. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem. Brasília; 2008. [acesso em 20 de junho de 2012]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/prt1944_27_08_2009.html
5. Carvalho JJM, Moreira R, Vedovato BC, Silva DB, Carvalho JZM, Trevizo AP, et al. Câncer de pênis em jovem de 23 anos associado a infecção por HPV-62: relato de caso. DST J bras Doenças Sex Transm. 2011; 23(1):44-47.
6. Carvalho NS, Kannenberg AP, Munaretto C, Yoshioka D, Absy MCV, Ferreira, MA, Tambara Filho R. Associação entre HPV e câncer peniano: revisão de literatura. DST J bras Doenças Sex Transm. 2007;19(2):92-5.
7. Cavalcanti M. Sexualidade humana: uma perspectiva histórica. Rev Bras Sexual Hum. 1990; 1:43-51.
8. Dennis EJ, Heins HC, Latham E, Mciver FA, Pratt-Thomas HR. The carcinogenic effector human smegma: an experimental study. I. Preliminary report. Cancer. 1956;9:671-80.
9. Dorais M. O erotismo masculino. Gonçalves ME, Sobral AU, tradutores. São Paulo: Loyola;1994.
10. Eble JN, Sauter G, Epstein JI, Sesterhenn IA. Pathology and genetics tumours of the urinary system and male genital organs. Lyon: IARC; 2004. (IARC WHO Classification of Tumours, 6).
11. Edge SB, Byrd DR, Compton CC, Fritz AG, Greene FL, Trotti. AJCC cancer staging manual. 7.ed. New York: Springer-Verlag; 2009. Penis; p.447-55.
12. Favorito LA, Nardi AC, Ronalsa M, Zequi SC, Sampaio FJ, Glina S. Epidemiologic study on penile cancer in Brazil. Int Braz J Urol 2008; 34:587-93.
13. Ficarra V, Martignoni G, Maffei N, Cerruto MA, Novara G, Cavalleri. S, et al. Predictive pathological factors of lymphnode involvement in the squamous cell carcinoma of the penis. Int Urol Nephrol. 2002; 32:245-50.
14. Figueiredo R, Bastos S. Saúde e direitos sexuais e reprodutivos: o Poder Judiciário deve garantir o acesso à contracepção de emergência. In: Keinert TMM, Bastos de Paula SH, Bonfim JRA, organizadores. As ações judiciais no SUS e a promoção do direito saúde. São Paulo: Instituto de Saúde, 2009. p.119-126. (Série Temas em Saúde Coletiva, 10)
15. Frisch M, Friis S, Kjaer SK, Melbye M. Falling incidence of penis cancer in an uncircumcised population. BMJ 1995; 311:1471.
16. Gloeckler-Reis LA,Reichman ME,Lewis DR, Hankey BF, Edwards BK. Cancer survival and incidence from the Surveillance, Epidemiology, and End Results (SEER) program.
Oncologist. 2003;8(6):541-52.
17. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad Saúde Pública. 2007; 23:565-74.
18. Guimarães GC, Rocha RM, Zequi SC, Cunha IW, Soares FA. Penile cancer: epidemiology and treatment. Curr Oncol Rep. 2011; 13:231-9.
19. Hellberg D, Valentin J, Eklund T, Nilsson S. Penile cancer: is there an epidemiological role for smoking and sexual behavior? Br Med J. 1987; 1295:1306-8.
20. Hospital A.C. Camargo. Pênis [monografia na internet]. São Paulo;2012 [acesso em 10 maio 2012]. Disponível em: http://www.accamargo.org.br/tudo-sobre-o-cancer/penis/46/21. Hossne R S. Prevalência de papiloma vírus (HPV) perianal assintomático em pacientes portadores de HPV genital tratados no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu Rev bras colo-proctol [periódico na internet]. 2008 [20 de maio de 2012]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-8802008000200011.
22. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro: Inca; 2011. 118 p.
23. Koifman L, Vides AJ, Koifman J, Carvalho JP, Ornellas AA. Epidemiological aspects of penile cancer in Rio de Janeiro: evaluation of 230 cases. Int braz j urol. 2011; 37(2):231-243.
24. Maddineni SB, Lau MM, Snagar VK. Identifying the needs of penile cancer sufferers: a systematic review of the quality of life, psychosexual and psychosocial literature in penile cancer. BMC Urol [periódico na internet]. 2009. [2 de maio de 2012]; 9:8. Disponível em: http://www.biomedcentral. com/1471-2490/9/8.
25. Minhas S, Manseck A, Watya S, Hegarty PK. Penile cancer: prevention and premalignant conditions. Urology. 2010; 76(2 Suppl): S24-35.
26. Moscicki AB; Palefsky JM. HPV in men: an update. J Low Genit Tract Dis. 2011:15(3): 231-4.
27. Nascimento ARA, Trindade ZA, Gianordoli-Nascimento,IF, Pereira,FB, Silva, SA T, Cerello A C. Masculinidades e práticas de saúde na região metropolitana de Belo Horizonte - MG. Saúde Soc. 2011; 20(1):182-194.
28. Nolasco S. O mito da masculinidade. Rio de Janeiro: Rocco; 1995.
29. Sociedade Brasileira de Urologia. Carcinoma do pênis - Parte II. (Projeto Diretrizes) [monografia na internet]. 2006 [acesso em 12 março 2012]. Disponível em: http://www.projetodiretrizes.org.br/6_volume/13-CarcinomaPenisParteII.pdf.
30. Raju GC, Naraynsingh V, Venu PS. Carcinoma of the penis in the West Indies: a Trinidad Study. Trop Geogr Med. 1985;37(4):334-6.
31. Ramos M Z, Tittoni J, Nardi H C. A experiência de afastamento do trabalho por adoecimento vivenciada como processo de ruptura ou continuidade nos modos de viver. Cad Psicol Trab. 2008;11(2)209-216.
32. Reis AAS, Paula LB, Paula AAP, Saddi VA, Cruz AD. Aspectos clínico-epidemiológicos associados ao câncer de pênis. Ciên Saúde Coletiva 2010;15(Suppl 1):1105-11.
33. Salvioni R, Necchi A, Piva L, Colecchia M, Nicolai N. Penile cancer. Urol Oncol. 2009;27:677-85.
34. Sarkar FH, Miles BJ, Plieth DH, Crissman JD. Detection of human papillomavirus in squamous neoplasm of the penis. J Urol. 1992;147:389-92.
35. Scheiner MA, Campos MM, Ornellas AA, Chin EW, Ornellas MH, Andrada-Serpa MJ. Human papillomavirus and penile cancers in Rio de Janeiro, Brazil: HPV typing and clinical features Int Braz J Urol. 2008;34:467-76.
36. Schraiber LB, Figueiredo WS, Gomes R, Couto MT, Pinheiro TF, Machin R, et al. Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens. Cad Saúde Pública. 2010;26(5):961-970.
37. Shabad AL. Some aspects of etiology and prevention of penile cancer. J Urol. 1964; 92:696-702.
38. Sobin LH, Wittekind C. TNM classificação de tumores malignos. 6.ed. Rio de Janeiro: INCA; 2004. Tumores urológicos: pênis; p.187-9.
39. Souza K W, Reis Paula E D, Gomes I P, Carvalho E C. Estratégias de prevenção para câncer de testículo e pênis: revisão integrativa. Rev esc. enferm. USP. 2011;45(1):277-282.
40. Tsen HF, Morgenstern H, Mack T, Peters RK. Risk factors for penile cancer: results of a population based case-control study in Los Angeles County (United States). Cancer Causes Control. 2001; 12:267–77.
41. Zequi SD, Guimarães GC, Fonseca FP, Ferreira U, Matheus WE, Reis LO, et al. Sex with Animals (SWA): behavioral characteristics and possible association with penile cancer. A Multicenter Study. Journal of Sexual Medicine. doi: 10.1111/j.1743 6109.2011.02512.x

Downloads

Publicado

2012-08-31

Como Citar

Paula, S. H. B. de, Souza, M. J. L., & Almeida, J. D. (2012). Câncer de pênis, aspectos epidemiológicos e fatores de risco: tecendo considerações sobre a promoção e prevenção na Atenção Básica. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 14(1), 111–118. https://doi.org/10.52753/bis.2012.v14.33726