Patologização da adolescência e alianças psi-jurídicas: algumas considerações sobre a internação psiquiátrica involuntária

Autores

  • Maria Cristina Gonçalves Vicentin é mestre em Psicologia Social e doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Professora do Programa de estudos pós-graduados em Psicologia Social da PUC-SP, no qual coordena o Núcleo de Estudos e Pesquisa Lógicas Institucionais e Coletivas
  • Gabriela Gramkow é mestre em Psicologia Social e doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Integra o Grupo Interinstitucional Saúde Mental e Justiça e a Comissão de Criança e Adolescente do Conselho Regional de Psicologia
  • Adriana Eiko Matsumoto é psicóloga, mestre em Psicologia da Educação e doutoranda em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Palavras-chave:

Medicalização da infância, internação involuntária, patologização

Resumo

Apesar de mudanças significativas ocorridas nas políticas sociais dirigidas às crianças e aos adolescentes, identificam-se processos crescentes de medicalização/patologização, bem como de obtenção do cuidado por ações judiciais. Percebe-se retomada de internações involuntárias de crianças e adolescentes
e crescimento do encaminhamento de adolescentes autores de atos infracionais para perícias psiquiátricas e avaliações psicológicas. Nota-se que algumas composições psi-jurídicas produzem discursos de cuidado e proteção das crianças e dos adolescentes valendo-se de práticas orientadas por lógica tutelarcorrecional e uma perspectiva de defesa social. A instalação de um continuum psi-jurídico e da ideia de proteção como pretexto para o controle social arbitrário de adolescentes configura uma resistência à nova ordenação jurídica e produz práticas de fixação dos adolescentes a espaços de exclusão, na mesma medida em que se reduzem as políticas sociais a eles dirigidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Bentes ALS. Tudo como dantes no quartel d’Abrantes: estudo das internações psiquiátricas de crianças e adolescentes através de encaminhamento judicial. [Dissertação de Mestrado]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública/ Fundação Osvaldo Cruz; 1999.
2. De Leonardis O. Estatuto y figuras de la peligrosidad social. Entre psiquiatría reformada y sistema penal: notas sociológicas. Revista de Ciencias Penales 1998; (4): 429-
449.
3. Frasseto F. A Unidade Experimental de Saúde – mais um triste capítulo da história de paulista no tratamento de jovens infratores. São Paulo: 2008 [Não editado].
4. Joia J. A interface psi-jurídica: estudo de internações de adolescentes por determinação judicial no Hospital Psiquiátrico Pinel. [Relatório final de pesquisa de Iniciação
Científica]. CEPE/PUC/SP; 2006.
5. Ministério da Saúde e Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Levantamento Nacional da Atenção em Saúde Mental aos Adolescentes Privados de
Liberdade e sua Articulação com as Unidades Socioeducativas. [Relatório Preliminar]. 2009.
6. Sarti CA. A saúde mental na ‘nova Febem’. Projeto Quixote. Relatório interno de trabalho apresentado à Febem. São Paulo: Departamento de Psiquiatria da Unifesp;
2000 [Não editado].
7. Scisleski ACC, Maraschin C, Silva RNA. Manicômio em circuito: os percursos dos jovens e a internação psiquiátrica. Cadernos de Saúde Pública 2008; 24(2), 342-352. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n2/12.pdf.
8. Vicentin MCG. Interfaces psi-jurídicas: a psiquiatrização do adolescente em conflito com a lei. Relatório final de pesquisa. Comissão de Ensino e Pesquisa, PUC/SP;
2005 [Não editado].
9. Vicentin MCG. A questão da responsabilidade penal juvenil: notas para uma perspectiva ético-política. In: ABMP, Ilanud, Secretaria Especial de Direitos Humanos, organizadores. Justiça, Adolescente e Ato infracional: socioeducação e responsabilização. São Paulo: Ilanud; 2006.
10. Wacquant L. As duas faces do gheto. São Paulo: Boitempo; 2008.
11. Zaffaroni ER. Criminología: Aproximación desde un margen. Bogotá: Temis; 2003.

Downloads

Publicado

2010-12-31

Como Citar

Vicentin, M. C. G., Gramkow, G., & Matsumoto, A. E. (2010). Patologização da adolescência e alianças psi-jurídicas: algumas considerações sobre a internação psiquiátrica involuntária. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 12(3), 268–272. Recuperado de https://periodicos.saude.sp.gov.br/bis/article/view/33763