Amamentação em presídio: estudo das condições e práticas no Estado de São Paulo, Brasil

Autores

  • Gabriela Sintra Rios é psicóloga, mestranda em Psicologia Experimental pela Universidade de São Paulo (USP).
  • Ana Lúcia da Silva é enfermeira, doutora em Enfermagem, pesquisadora científica III, docente e Orientadora do Programa de Pós-Graduação da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Palavras-chave:

Aleitamento, mãe presidiária, pesquisa qualitativa

Resumo

Este artigo tem o objetivo de analisar o processo de amamentação em presídio feminino no Estado do São Paulo (Brasil). Para tanto, foi feita uma pesquisa qualitativa do tipo exploratório-analítica. O estudo ocorreu no Centro de Atendimento Hospitalar à Mulher Presa, na cidade de São Paulo. Entrevistaram-se vinte mães em amamentação exclusiva e três profissionais envolvidos em práticas de promoção da amamentação. Observadas as questões éticas, gravaram-se entrevistas semiestruturadas que, transcritas, foram analisadas empregando-se a análise de conteúdo temática. Como resultados, as mães apontaram: o valor do leite materno como fonte de vitaminas e proteção contra doenças; a importância do vínculo criado durante a amamentação; e o sofrimento causado pela separação entre a mãe e o bebê, já que as mulheres permanecem com seus filhos por apenas quatro meses. Os profissionais focaram: a importância da amamentação para a criança nos primeiros
meses de vida; o fato de não estarem preparados para receber e abrigar mães que amamentam; e a relevância das pesquisas científicas, como estímulo para outros profissionais no aprimoramento da qualidade deste serviço. Conclui-se que a amamentação foi vista como relevante, ressaltando que toda criança tem o direito à proteção, à vida e à saúde. Identificou-se que a amamentação em presídios femininos é
realidade, embora haja impedimentos de se cumprir o que está previsto pela legislação, tornando-se necessária a criação de disposições que possam garantir efetivamente a prática de amamentação em presídios femininos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Ainsworth MDS, Blehar MC, Waters E, Wall S. Patterns of attachment: a psychological study of the strange situation. New Jersey: Hillsdale; 1978.
2. Almeida JAG, Novak FR. Amamentação: um híbrido da natureza-cultura. Jornal de Pediatria 2004; 80 (Suppl 5): S119-25. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jped/v80n5s0/v80n5s0a02.pdf
3. Araújo MFM, Del Fiaco A, Pimentel LS, Schimitz BAS, Schmitz BAS. Custo e economia da prática do aleitamento materno para família. Rev Bras Saúde Matern Infant (Recife) 2004; 4(2):135-41. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v4n2/20999.pdf
4. Brasil. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente / Ministério da Saúde. 3. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2006. (Série E. Legislação de Saúde). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/lei_8069_06_0117_M.pdf
5. Caldeira AP, Goulart EMA. A situação do aleitamento materno em Montes Claros, Minas Gerais: estudo de uma amostra representativa. Rio de Janeiro: Jornal de Pediatria 2000; 76(1):65-72. Disponível em: http://www.jped.com.br/conteudo/port_resumo.asp?varArtigo=35&cod=82
6. Carvalho MR, Tames RN. Amamentação: bases científicas para a prática profissional. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.
7. Giugliani ERJ. Amamentação: como e por que promover. Jornal de Pediatria 1994; 70(3): 138-51. Disponível em: http://www.jped.com.br/conteudo/port_resumo.asp?varArtigo=769&cod=119
8. Instituto Terra, Trabalho e Cidadania (ITTC). Manual do direito das presas. São Paulo; 2001. Disponível em: http://www.ittc.org.br/web/manual_das_presas.asp?paTópico=1&/publicacoes.asp
9. Leite AM, Silva IA, Scochi CGS. Comunicação nãoverbal: uma contribuição para o aconselhamento em amamentação. Rev Latino-Am Enfermagem
2004; 12(2):258-64. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692004000200016&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt
10. Mello PBM, Knupp RS, Ferreira DC, Passos MRL. Importância e possibilidade do aleitamento natural e transmissões de doenças infecciosas para o nascituro. Pesqui bras de odontopediatria clín integr 2004; 4(2): 137-41. Disponível em: http://eduep.uepb.edu.br/pboci/pdf/Artigo8v42.pdf
11. Organização Mundial da Saúde. Evidências científicas dos dez passos para o sucesso no aleitamento materno. Tradução de Maria Cristina Gomes do Monte. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2001.
12. Pamplona V. Aspectos psicológicos na lactação. In: Carvalho MR, Thames RN. Amamentação: bases científicas para prática profissional. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005. p. 96-105.
13. Santa Rita RP. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade da pessoa humana [Dissertação de Mestrado]. Universidade de Brasília; 2006. Disponível em: http://consulta.bce.unb.br/pergamum/biblioteca/index.php#posicao_dados_acervo
14. World Health Organization. Infant and young child nutrition. In: 55 World Health Assembly. Geneva; 2002:1-4. Disponível em: http://apps.who.int/gb/archive/pdf_files/WHA55/ewha5525.pdf

Downloads

Publicado

2010-12-31

Como Citar

Rios, G. S., & Silva, A. L. da. (2010). Amamentação em presídio: estudo das condições e práticas no Estado de São Paulo, Brasil. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 12(3), 293–299. Recuperado de https://periodicos.saude.sp.gov.br/bis/article/view/33768