O Cuidado de Adolescentes com Doença Falciforme: possibilidades e desafios

Autores

  • Taís Rodrigues Tesser Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.
  • Tereza Setsuko Toma Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Luís Eduardo Batista Instituto de Saúde/CCTIES-SES

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34480

Palavras-chave:

Adolescente; Anemia Falciforme; Política Informada por Evidências

Resumo

A doença falciforme é uma das doenças hereditárias mais comuns no mundo. As pessoas que vivem com esta doença podem apre-sentar sintomatologia importante e graves complicações desde a infância. Por isso, os cuidados globais a esses indivíduos são um grande desafio para gestores e profissionais de saúde. Apesar de algumas medidas no cuidado terem melhorado a expectativa de vida destas pessoas, o período da adolescência é de grande vulnerabilidade, uma vez que os jovens enfrentam as questões do desenvolvimento físico e psicológico próprios dessa fase e as mudanças no seu acompanhamento pelos serviços de atenção pe-diátrica para os de atenção a adultos. Este estudo, realizado com base na metodologia proposta nas ferramentas SUPPORT, identi-ficou três opções para políticas para lidar com essa fase de tran-sição: 1) Utilização de intervenções psicológicas para melhorar a adesão ao tratamento; 2) Implantação de programa de transição da atenção pediátrica para a de adultos; 3) Promoção do autocui-dado em adolescentes. Também são discutidas barreiras e facilita-dores, além de considerações sobre equidade na implementação dessas opções.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Taís Rodrigues Tesser, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Educadora, com Aprimoramento Profissional em Saúde Coletiva pelo Instituto de Saúde e Mestranda do Programa de Mudança Social e Participação Política da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Tereza Setsuko Toma, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

médica, Doutora em Nu-trição em Saúde Pública, Diretora do Centro de Tecnologias de Saúde para SUS-SP e Coordenadora do Núcleo de Evidências do Instituto de Saúde.

Luís Eduardo Batista, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Sociólogo, Pós-doutor em Enfermagem Materno Infantil e Psiquiátrica, Mestre e Doutor em Sociologia, líder do grupo de pesquisa Saúde da População Negra e Indígena do Instituto de Saúde e do Grupo de Pesquisa em Educação, Territórios Negros e Saúde da UFSCar. Integra o colegiado gestor do Grupo de Trabalho Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO).

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saú-de. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado [internet]. 2015 [acesso em 31 mar 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falci-forme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf.
2. Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [internet]. 2007 [acesso em 08 set 2016]; 29(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbhh/v29n3/v29n3a02.pdf.
3. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tec-nologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ges-tão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Hidroxiu-reia para crianças com doença falciforme: Relatório n°57 [internet]. 2013 [acesso em 5 dez 2013]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area. cfm?id_area=1611.
4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde.1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saú-de. Departamento de Atenção Hospitalar e de Urgência. Doença falciforme: diretrizes básicas da linha de cuidado [internet]. 2015 [acesso em 31 mar 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doenca_falci-forme_diretrizes_basicas_linha_cuidado.pdf.
2. Cançado RD, Jesus JA. A doença falciforme no Brasil. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [internet]. 2007 [acesso em 08 set 2016]; 29(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbhh/v29n3/v29n3a02.pdf.
3. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tec-nologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ges-tão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Hidroxiu-reia para crianças com doença falciforme: Relatório n°57 [internet]. 2013 [acesso em 5 dez 2013]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saude/Gestor/area. cfm?id_area=1611.
4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Portaria Conjunta nº 05 de fevereiro de 2018. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Doença Fal-ciforme [internet]. 2018 [acesso em 16 abr 2019]. Dis-ponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/fevereiro/22/Portaria-Conjunta-PCDT-Doenca--Falciforme.fev.2018.pdf.
5. Batista TF. Con [vivendo] com a anemia falciforme: o olhar da enfermagem para o cotidiano de adolescentes [dis-sertação]. Salvador: Universidade Federal da Bahia; 2008 [acesso em 08 set 2016] Disponível em: http://www.ccado-entescola.faced.ufba.br/arquivos/tatianafancobatista.pdf.
6. Bryant R, Walsh T. Transition of the chronically ill youth with hemoglobinopathy to adult health care: an integrative review of the literature. J of Pediatric Health Care. 2009; 23(1):37-48.
7. Fegran L. et al. Adolescents’ and young adults’ transition experiences when transferring from paediatric to adult care: a qualitative metasynthesis. Int J of Nursing Studies, Wal-tham. 2014; 51(1):123-135.
8. Lavis JN, Oxman AD, Lewin S, Fretheim A. Ferramentas SUPPORT para a elaboração de políticas de saúde basea-das em evidências (STP) [internet]. 2009 [acesso em 16 abr 2019]. Disponível em: http://sintese.evipnet.net/livro/ferramentas-support-para-a-elaboracao-de-politicas-de-saude-baseadas-em-evidencias-stp/.
9. Shea BJ, Grimshaw JM, Wells GA, Boers M, Andersson N, Hamel C, et al. Development of AMSTAR: a measure-ment tool to assess the methodological quality of syste-matic reviews. BMC Medical Research Methodology [inter-net]. 2007 [acesso em 18 dez 2015]; 7(10). Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1810543/pdf/1471-2288-7-10.pdf.
10. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saú-de. Departamento de Atenção Especializada. Manual de Educação em Saúde [internet]. 2008 [acesso em 08 set 2016]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_educacao_saude_volume1.
11. Molter BL, Abrahamson K. Self-efficacy, transition, and patient outcomes in the sickle cell disease population. Pain Manag Nurs. 2015; 16(3):418-424.
12. De Jongh T. et al. Mobile pone messaging for facilitating self-management of long-term illnesses. Cochrane Databa-se of Systematic Reviews. 2012.
13. Franek J. Self-management support interventions for persons with chronic disease: an evidence-based analysis. Ont Health Technol Assess Ser [internet]. 2013 [acesso em 06 jul 2016]; 13(9). Disponível em https://www.ncbi.nlm. nih.gov/pmc/articles/PMC3814807/pdf/ohtas-13-60.pdf.
14. Pai AL, Mcgrady M. Systematic review and meta-analy-sis of psychological interventions to promote treatment adherence in children, adolescents, and young adults with chronic illness. Journal of Pediatric Psychology [internet]. 2014 [acesso em 06 set 2016]; 39(8). Disponível em: ht-tps://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4192048/pdf/jsu038.pdf.
15. López LC. O conceito de racismo institucional: aplicações no campo da saúde. Interface - Comunic. Saude, Educ [inter-net]. 2012 [acesso em 08 set 2016]; 16(40). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v16n40/aop0412.pdf.
16. Sansom-Daly UM. et al. A systematic review of psycho-logical interventions for adolescents and young adults living with chronic illness. Health Psychology. 2012; 31(3):380-393.
17. Dean AJ, Walters J, Hall A. A systematic review of in-terventions to enhance medication adherence in children and adolescents with chronic illness. Archives of Disease in Childhood [internet]. 2010 [acesso em 08 set 2016]; 95(9). Disponível em: http://adc.bmj.com/content/95/9/717.full. pdf+html.
18. Kahana S, Drotar D, Frazier T. Meta-analysis of psycho-logical interventions to promote adherence to treatment in pediatric chronic health conditions. Journal of Pedia-tric Psychology [internet]. 2008 [acesso em 06 jul 2016]; 33(6). Disponível em: http://jpepsy.oxfordjournals.org/con-tent/33/6/590.full.pdf+html.
19. Crowley R. et al. Improving the transition between pae-diatric and adult healthcare: a systematic review. Archives of Disease in Childhood. 2011; 96(6): 548-553.
20. Jordan L, Swerdlow P, Coates TD. Systematic review of transition from adolescent to adult care in patients with sickle cell disease. Journal of Pediatric Hematology/Onco-logy. 2013; 35(3):165-169.
21. Campbell F. et al. Transition of care for adolescents from paediatric services to adult health services. Cochrane Database of Systematic Reviews. 2016.
22. Lorig K. Chronic Disease Self-Management Program: Insights from the Eye of the Storm. Frontiers in Public He-alth [internet]. 2015 [acesso em 06 set 2016]; 2(253). Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4410327/pdf/fpubh-02-00253.pdf.
23. Oliveira VZ, Gomes WB. Comunicação médico-paciente e adesão ao tratamento em adolescentes portadores de doenças orgânicas crônicas. Estudos de Psicologia [inter-net]. 2004 [acesso em 06 set 2016]; 9(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/epsic/v9n3/a08v09n3.pdf.
24. Silva RBP, Ramalho AS, Cassorla RMS. A anemia falci-forme como problema de Saúde Pública no Brasil. Rev. Saú-de Públ. [internet]. 1993 [acesso em 08 set 2016]; 27(1). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rsp/v27n1/09.pdf.
25. Gomes LMX, Barbosa TLA, Vieira EDS, Caldeira AP, Tor-res HC, Viana MB. Perception of primary care doctors and nurses about care provided to sickle cell disease patients. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [internet]. 2015 [acesso em 06 jul. 2016]; 37(4). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbhh/v37n4/1516-8484-rbhh-37-04-00247.pdf.
26. Kikuchi BA. Assistência de enfermagem na doença falci-forme nos serviços de atenção básica. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [internet]. 2007 [acesso em 08 set 2016]; 29(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbhh/v29n3/v29n3a27.pdf.
27. Lobo C, Marra VN, Silva RMG. Crises dolorosas na do-ença falciforme. Rev. Bras. Hematol. Hemoter. [internet]. 2007 [acesso em 08 set 2016]; 29(3). Disponível em: ht-tp://www.scielo.br/pdf/rbhh/v29n3/v29n3a11.pdf.
28. Gomes LMX, Pereira IA, Torres HC, Caldeira AP, Via-na MB. Acesso e assistência à pessoa com anemia falci-forme na Atenção Primária. Acta Paulista de Enfermagem [internet]. 2014 [acesso em 06 jul 2016]; 27(4). Disponí-vel em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n4/1982-0194-ape-027-004-0348.pdf.
29. Sobota A, Neufeld EJ, Sprinz P, Heeney MM. Transition from pediatric to adult care for sickle cell disease: results of a survey of pediatric providers. Am J Hematol [internet]. 2011 [acesso em 08 set. 2016]; 86(6). Disponível em: ht-tp://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/ajh.22016/epdf.
30. Sav A, McMillan SS, Kelly F, King MA, Whitty JÁ, Ken-dall E, et al. The ideal healthcare: priorities of people with chronic conditions and their carers. BMC Health Services Research [internet]. 2015 [acesso em 31 mar. 2016]. Dis-ponível em: http://bmchealthservres.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12913-015-1215-3.
31. Santana CA, Cordeiro RC, Ferreira SL. Conhecimento de enfermeiras sobre educação para o autocuidado na ane-mia falciforme. Rev Baiana de Enfermagem [internet]. 2013 [acesso em 08 set 2016]; 27(1). Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/6742/6783.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Rodrigues Tesser, T., Setsuko Toma, T., & Batista, L. E. (2020). O Cuidado de Adolescentes com Doença Falciforme: possibilidades e desafios. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 63–76. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34480

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)