Síntese de evidências para políticas de saúde: enfrentamento da sífilis congênita no âmbito da atenção primária à saúde

Autores

  • Mariana de Sales Dias Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Emiliana Maria Gaiotto Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Marcia Regina Cunha Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Lúcia Izumi Yasuko Nichiata Instituto de Saúde/CCTIES-SES

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34486

Palavras-chave:

Sífilis Congênita; Atenção Primária à Saúde; Política Informada por Evidências.

Resumo

Introdução: O controle da sífilis congênita (SC) é um desafio pa-ra profissionais e gestores da Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: Apresentar os resultados da síntese de evidências cien-tíficas pela qual foram identificadas opções para enfrentamento da SC que apoiam a APS. Método: Utilizou-se a ferramenta SUPPORT sugerida pela Rede para Políticas Informadas por Evidências (EVIP-Net) para a busca de revisões sistemáticas e elaboração das opções para enfrentar o problema. As buscas foram realizadas em Biblioteca Virtual de Saúde, Cochrane Library, Embase, Health Evidence, Health Systems Evidence, Nice Evidence, Pubmed, Scopus. Resultados: Foram encontrados 310 estudos. Após seleção, analisaram-se 20 revisões sistemáticas que resultaram nas seguintes opções: 1) Am-pliar a oferta de teste de triagem para todas as gestantes e parceiros sexuais; 2) Realizar tratamento com penicilina benzatina para ges-tantes e parceiros sexuais com teste de triagem positivo para sífilis; 3) Elaborar estratégias para notificar parceiros sexuais de pacien-tes com diagnóstico de infecção sexualmente transmissível (IST); 4) Realizar campanhas de saúde para informar sobre as medidas de prevenção da sífilis congênita; promover intervenções educacionais sobre o uso de preservativos, prevenção de IST e gravidez na ado-lescência. Conclusão: As evidências científicas apresentadas neste artigo têm potencial para apoiar gestores e profissionais da APS na construção de políticas de saúde para enfrentamento da SC.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana de Sales Dias, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, Mestre em Ciências pelo Programa de Mestrado Profissional em Enfermagem na Atenção Primária em Saúde no Sistema Único de Saúde da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (USP).

Emiliana Maria Gaiotto, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Marcia Regina Cunha, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, Mestre em Ciências pelo Programa de Mestrado Profissional em Enfermagem na Atenção Primária em Saúde no Sistema Único de Saúde da Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo e doutoranda no Programa de Pós--Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Lúcia Izumi Yasuko Nichiata, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, doutora, Pro-fessora Associada do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo.

Referências

1. Berman SM. Maternal syphilis: Pathophysiology and tre-atment. Bull World Health Organ. 2004; 82(6):433-38.
2. Walker GJA. Antibiotics for syphilis diagnosed during preg-nancy. Cochrane Database of Systematic Reviews; 2001.
3. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 3.242, de 30 de De-zembro de 2011. Dispõe sobre o Fluxograma Laboratorial da Sífilis e a utilização de testes rápidos para triagem da sífilis. Brasília; 2011.
4. Nascimento DSF, Silva RC, Tártari DO, Cardoso EK. Re-lato da dificuldade na implementação de teste rápido para detecção de sífilis em gestantes na Atenção Básica do SUS em um município do Sul do Brasil. Rev Bras Med Fam Comu-nidade. 2018;13(40):1-8.
5. Ministério da Saúde (BR). Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Prevenção da Transmissão Vertical de HIV, Sífilis e Hepatites Virais. Brasília (DF); 2018.
6. Domingues RMSM, Saraceni V, Hartz ZMDA, Leal MDC. Sífilis congênita: evento sentinela da qualidade da assistên-cia pré-natal. Rev Nutr. 2013; 47(1):147–57.
7. World Health Organization. The Global elimination of con-genital syphilis: rationale and strategy for action; 2007.
8. Domingues RMSM, Leal MC. Incidência de sífilis congê-nita e fatores associados à transmissão vertical da sífilis: dados do estudo Nascer no Brasil; 2016.
9. Rocha AFB, Araújo MAL, Miranda AE, Leon RGP, Junior GBS, Vasconcelos LDPG. Management of sexual partners of pregnant women with syphilis in northeastern Brazil: a quali-tative study. BMC Health Services Research; 2019.
10. Lavis JN, Oxman AD, Lewin S, Fretheim A. SUPPORT tooll for evidence-informed health policymaking (STP). Intro-duction. Health Research Policy and Systems; 2009.
11. Vettore M. O abismo entre o saber e o fazer: a experiên-cia do município de Piripiri com o Núcleo de Evidências em Saúde no planejamento de política em saúde; 2011.
12. Shea BJ, Grimshaw JM, Wells GA, Boers M, Andersson N, Hamel C, et al. Development of AMSTAR: a measurement tool to assess the methodological quality of systematic re-views. BMC Medical Research Methodology. 2007; 7(10).
13. Shahrook S, Mori R, Ochirbat T, Gomi H. Strategies of testing for syphilis during pregnancy; 2014.
14. Harriet DG, Peeling RW, Kamb ML, Toskin I, Wi TE, Taylor MM. A systematic review and meta-analysis of studies eva-luating the performance and operational characteristics of dual point-of-care tests for HIV and syphilis; 2016.
15. Swartzendruber A, Steiner RJ, Adler MR, Kamb ML, New-man LM. Introduction of rapid syphilis testing in antenatal care: A systematic review of the impact on HIV and syphilis testing uptake and coverage; 2015.
16. Di Mario S, Say L, Lincetto O. Risk factors for stillbirth in developing countries: a systematic review of the literatu-re; 2007.
17. Hawkes S, Matin N, Broutet N, Low N. Effectiveness of interventions to improve screening for syphilis in pregnancy: a systematic review and meta-analysis; 2011.
18. Jafari Y, Peeling RW, Shivkumar S, Claessens C, Jose-ph L, Pai NP. Are Treponema pallidum Specific Rapid and Point-of-Care Tests for Syphilis Accurate Enough for Scree-ning in Resource Limited Settings? Evidence from a Meta--Analysis; 2013.
19. Rogozinska E, Kara-Newton L, Zamora JR, Khan KS. On--site test to detect syphilis in pregnancy: a systematic re-view of test accuracy studies; 2017.
20. Blencowe H, Cousens S, Kamb M, Berman S, Lawn JE. Lives Saved Tool supplement detection and treatment of syphilis in pregnancy to reduce syphilis related stillbirths and neonatal mortality. BMC Public Health; 2011.
21. Bhutta et al. Effectiveness of interventions to screen and manage infections during pregnancy on reducing still-births: a review. BMC Public Health; 2011.
22. Lauren A, Serruya S, Duran P. Gestational syphilis and stillbirth in the Americas: a systematic review and meta-analysis; 2015
23. Ferreira A, Young T, Mathews C, Zunza M, Low N. Stra-tegies for partner notification for sexually transmitted infec-tions, including HIV; 2013.
24. Mason-Jones AJ, Sinclair D, Mathews C, Kagee A, Hill-man A, Lombard C. School-based interventions for preven-ting HIV, sexually transmitted infections, and pregnancy in adolescents; 2014.
25. Moreno R, Nababan HY, Ota E, Wariki WMV, Ezoe S, Gil-mour S, Shibuya K. Structural and community-level interven-tions for increasing condom use to prevent the transmission of HIV and other sexually transmitted infections; 2014.
26. Saraceni V, Leal M do C, Hartz ZM de A. Avaliação de campanhas de saúde com ênfase na sífilis congênita: uma revisão sistemática. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2005; 5(3):263–73.
27. Barros FPC, Sousa MF. Equidade: seus conceitos, signi-ficações e implicações para o SUS São Paulo: Saúde Soc. 2016; 25(1):9-18.
28. Sanine et al. Sífilis Congênita: avaliação em serviços de Atenção Primária do estado de São Paulo, Brasil. BIS, Bol. Inst. Saúde. 2016; 17(2):1809-7529.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

de Sales Dias, M., Maria Gaiotto, E. ., Regina Cunha, M. ., & Izumi Yasuko Nichiata, L. . . (2021). Síntese de evidências para políticas de saúde: enfrentamento da sífilis congênita no âmbito da atenção primária à saúde. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 89–95. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34486