Revisão Rápida para informar a Política Nacional de Medicamentos Biológicos no SUS

Autores

  • Cecilia Menezes Farinasso Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Roberta Borges Silva Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Betânia Ferreira Leite Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Dalila Gomes Fernandes Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Virginia Kagure Wachira Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Aurelina Aguiar de Lima Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Daniela Fortunato Rêgo Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Luciana Simões Camara Leão Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Camile Giaretta Sachetti Instituto de Saúde/CCTIES-SES

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34492

Palavras-chave:

Revisão rápida; Produtos Biológicos; Políticas In-formadas por Evidências.

Resumo

Contexto: O gasto elevado com medicamentos biológicos ameaça a sustentabilidade dos serviços de saúde. O objetivo da presente re-visão rápida foi embasar a discussão da Política Nacional de Medi-camentos Biológicos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da identificação de barreiras de acesso a esses medica-mentos. Metodologia: Revisão rápida da literatura nas fontes de infor-mação Medline via PubMed, EMBASE, Biblioteca Cochrane e Center for Review and Dissemination (CRD). Resultados: Foram incluídos nove estudos com delineamento transversal. No contexto do usuário, as barreiras foram a falta de conhecimento sobre o medicamento, a dis-tância entre a moradia e o serviço de saúde, os longos períodos de espera por atendimento e a passividade sobre decisão de tratamen-to. Para os profissionais de saúde, as barreiras referem-se a aceitabi-lidade em relação ao medicamento, intercambialidade e substituição, percepção de ausência de dados clínicos que favoreçam eficácia e segurança. No contexto do gestor, as barreiras foram alto custo do medicamento, problemas de reembolso e de assistência. Não foram encontradas barreiras no âmbito governamental do sistema de saúde nos estudos incluídos, apenas no âmbito privado, isto é, a proprieda-de industrial. Conclusão: Para que políticas de saúde sejam efetivas, é essencial o emprego de evidências científicas. São necessárias soluções para as barreiras de acesso de medicamentos biológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Cecilia Menezes Farinasso, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Farmacêutica, Especialista em Análises Clínicas e Toxicológicas e Mestre em Ciências da Saúde. Consultora Técnica. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Roberta Borges Silva, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Nutricionista, Mestre em Nutrição Humana. Consultora Técnica. Departamento de Ciência e Tecno-logia. Técnica. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Betânia Ferreira Leite, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Farmacêutica, MBA em Economia e Avaliação de Tecnologias em Saúde. Consultora Técnica. De-partamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias.

Dalila Gomes Fernandes, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Sanitarista, Especialista em Saúde Coletiva e Mestre em Saúde Coletiva. Consultora Técnica. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Virginia Kagure Wachira, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Enfermeira, Mestre em Medicina Tropical. Consultora Técnica. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Aurelina Aguiar de Lima, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Nutricionista, Especialista em Gestão Pública e Especialista em Gestão de Políticas de Saúde Informadas por Evidencias. Consultora Técnica. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Daniela Fortunato Rêgo, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Cirurgiã dentista, Especialista em Avaliação em Saúde e Mestre em Ciências da Saúde. Ana-lista Técnica de Políticas Sociais. Departamento de Ciência e Tecnologia.

Luciana Simões Camara Leão, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Farmacêu-tica, MBA em Economia e Avaliação de Tecnologias em Saúde. Consultora.

Camile Giaretta Sachetti, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Farmacêutica, Especialista em Farmacologia, Bioética e Pesquisa Clínica, Mestre em Ciên-cias da Saúde. Diretora do Departamento de Ciência e Tecnologia.

Referências

1. GBD 2016 Brazil Collaborators. Burden of disease in Brazil, 1990-2016: a systematic subnational analysis for the Global Burden of Disease Study; 2016.
2. Fernandes GS SC, Lopes G, Chammas R, Gifoni MAC, Gil RA, Araujo DV. The use of biosimilar medicines in oncology- position statement of the Brazilian Society of Clinical Onco-logy (SBOC). Braz J Med Biol Res. 2018; 51(3).
3. Vieira, FS. Evolução do gasto com medicamentos do Sistema Único de Saúde no período de 2010 A 2016. Texto para discussão / Instituto de Pesquisa Econômica Aplica-da. Rio de Janeiro; 2018.
4. Dylst P, Vulto A, Simoens S. Barriers to the uptake of biosimilars and possible solutions: A Belgian case study. PharmacoEconomics. 2014; 32(7):681-91.
5. Hemmington A, Dalbeth N, Jarrett P, Fraser AG, Broom R, Browett P, et al. Medical specialists’ attitudes to prescribing biosimilars. Pharmacoepidemiology and Drug Safety. 2017; 26(5):570-7.
6. Presidência da República (BR). Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, com alterações resultantes da Lei nº 8.883, de 08 de junho de 1994 e da Lei Nº 9.648, DE 27 DE MAIO DE 1998. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constitui-ção Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências.
7. Azevedo VF, Meirelles Ede S, Kochen Jde A, Medeiros AC, Miszputen SJ, Teixeira FV, Damião AO, Kotze PG, Romiti R, Arnone M, Magalhães RF, Maia CP, de Carvalho AV. Re-commendations on the use of biosimilars by the Brazilian Society of Rheumatology, Brazilian Society of Dermatology, Brazilian Federation of Gastroenterology and Brazilian Stu-dy Group on Inflammatory Bowel Disease--Focus on clini-cal evaluation of monoclonal antibodies and fusion proteins used in the treatment of autoimmune diseases. Autoimmun Rev. 2015; 14(9):769-73.
8. Torres P. Consenso brasileiro multi-institucional de pa-cientes sobre medicamentos biossimilares. Jornal Brasilei-ro de Economia da Saúde. 2017; 9(1):39-43.
9. Ministério da Saúde (BR). Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.160, de 3 de maio de 2018. Brasília (DF); 2018.
10. Ministério da Saúde (BR). Grupo de Trabalho para dis-cussão e formulação da Política Nacional de Medicamentos Biológicos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Re-gimento Interno.[internet] 2018. [acesso em 9 ago 2019]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/ima-ges/pdf/2018/outubro/19/3-Regimento-GT-Biologicos.pdf.
11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria-Executiva. Subse-cretaria de Assuntos Administrativos. Regimento Interno do Ministério da Saúde : Decreto nº 8.901, de 10 de novembro de 2016. Brasília (DF); 2017.
12. Oxman AD, Lavis JN, Lewin S, Fretheim A. SUPPORT To-ols for evidence-informed health Policymaking (STP) 1: What is evidence-informed policymaking? Health Res Policy Syst. 2009; 16(7).
13. Tricco AC, Langlois EV, Straus SE, editors. Rapid re-views to strengthen health policy and systems: a practical guide. Geneva: World Health Organization; 2017.
14. Rompas SG, T; Amanuel, S; Coutinho, V; Lai, Z; Anto-nini, P; Murphy, MF. Demonstrating Value for Biosimilars: A Conceptual Framework. Am Health Drug Benefits. 2015; 8(3):129-39.
15. Moorkens E, Jonker-Exler C, Huys I, Declerck P, Simo-ens S, Vulto AG. Overcoming barriers to the market access of biosimilars in the European union: The case of biosi-milar monoclonal antibodies. Frontiers in Pharmacology. 2016; 7.
16. Inotai AC, M; D, Vitezic; Francetic, I; Tesar, T; Bochenek, T; Lorenzovici, L; Dylst, P; Kalo, Z Policy Practices to Maximi-se Social Benefit from Biosimilars. Journal of Bioequivalen-ce & Bioavailability. 2017; 09(04).
17. Australian Government. Department of Health. Litera-ture Review of International Biosimilar Medicines: Update; 2017.
18. Rickwood SD, S. Searching for Terra Firma in the Biosi-milars and Non-original Biologics Market. IMS Health; 2013.
19. Prescribing and Research in Medicines Management (UK and Ireland) Annual Conference 2017. Pharmacoepide-miology and Drug Safety. 2017; 26.
20. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tec-nologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes metodológicas : Sistema GRADE –Manual de graduação da qualidade da evidência e força de recomendação para tomada de decisão em saúde. Brasília (DF); 2014.
21. Inotai A, Prins CPJ, Csanádi M, Vitezic D, Codreanu C, Kaló Z. Is there a reason for concern or is it just hype?–a systematic literature review of the clinical consequences of switching from originator biologics to biosimilars. Expert Opinion on Biological Therapy. 2017; 17(8):915-26.
22. Inotai A, Csanadi M, Petrova G, Dimitrova M, Boche-nek T, Tesar T, York K, Fuksa L, Kostyuk A, Lorenzovici L, Omelyanovskiy V, Egyed K, Kalo Z. Patient Access, Unmet Medical Need, Expected Benefits, and Concerns Related to the Utilisation of Biosimilars in Eastern European Countries: A Survey of Experts. Biomed Res Int; 2018.
23. Laires PA, Mesquita R, Veloso L, Martins AP, Cernadas R, Fonseca JE. Patient’s access to healthcare and treat-ment in rheumatoid arthritis: the views of stakeholders in Portugal. BMC Musculoskelet Disord. 2013; 14:279.
24. Lammers P, Criscitiello C, Curigliano G, Jacobs I. Bar-riers to the Use of Trastuzumab for HER2+ Breast Cancer and the Potential Impact of Biosimilars: a Physician Survey in the United States and Emerging Markets. Pharmaceuti-cals (Basel). 2014;7(9):943-53.
25. O’Callaghan J, Bermingham M, Leonard M, Hallinan F, Morris JM, Moore U, Griffin BT. Assessing awareness and attitudes of healthcare professionals on the use of biosi-milar medicines: A survey of physicians and pharmacists in Ireland. Regul Toxicol Pharmacol. 2017; 88:252-261.
26. Sandorff E, Pinheiro AV, Bruni DS, Halbert R, Azeve-do VF. Payer and physician evidence and discount require-ments for biosimilars in three Latin American countries. Ga-BI Journal. 2015; 4(1):11-6.
27. Sullivan E, Piercy J, Waller J, Black CM, Kachroo S. As-sessing gastroenterologist and patient acceptance of biosi-milars in ulcerative colitis and Crohn’s disease across Ger-many. PLoS One. 2017; 12(4).
28. Waller J, Sullivan E, Piercy J, Black CM, Kachroo S. Assessing physician and patient acceptance of infliximab biosimilars in rheumatoid arthritis, ankylosing spondyloar-thritis and psoriatic arthritis across Germany. Patient Prefer Adherence. 2017; 11:519-530.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Menezes Farinasso, C. ., Borges Silva, R. ., Ferreira Leite, B. ., Gomes Fernandes, D. ., Kagure Wachira, V. ., Aguiar de Lima, A., Fortunato Rêgo, D. ., Simões Camara Leão, L. ., & Giaretta Sachetti, C. . (2020). Revisão Rápida para informar a Política Nacional de Medicamentos Biológicos no SUS. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 114–124. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34492