Ampliando o olhar à população LGBTQIA+ em grupo de discussão com trabalhadores de saúde do Ambulatório de Especialidades de Tupã

potencialidade e desafios

Autores

  • Marcelen Palu Longhi Secretaria Estadual de Saúde de Tupã (SP). Ambulatório Médico de Especialidades

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39622%20

Palavras-chave:

Acolhimento ao LGBTQIA , Grupos de discussão, Politicas de saúde

Resumo

0 presente estudo se trata de uma pesquisa-agdo realizada com trabalhadores de saúde de um ambulatério médico de especialidade sobre o acolhimento & população LGBTQIA+. Apesar de avangos como a criação da Politica Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuals, Travestis e Transexuais há praticas discriminatórias nos servigos de saúde. O objetivo deste estudo é analisar as discussdes realizadas nestes grupos e seus possiveis desdobramentos nas praticas de saúde do Ambulatório de Especialidades Médicas de Tupa, estado de São Paulo. Também convidamos usuarios de nome social para uma conversa na qual foram apontadas experiéncias que revelam discriminagéo social e dificuldade de acesso ao processo transexualizador. A discussão com os trabalhadores apresentou muitas potencialidades para ampliagao do olhar acerca da populagao LGBTQIA+ e desdobramentos. Constatou- se que houve apropriação do histórico de preconceitos, lutas e conquistas dos LGBTQIA+, reflexdes sobre a vulnerabilidade deste grupo e reorganizagdes no processo de trabalho. Foram observadas algumas fragilidades, como o uso do termo “opção sexua |”, dificuldade de abordagem e expressão de sentimentos homofóbicos ligados a concepções culturais e religiosas. A experiéncia das discussdes com trabalhadores da satde e usuarios de nome social possibilitou a reflexão sobre a necessidade de ampliação do olhar para a população LGBTQIA+, fomentando a construção de um atendimento que garanta seus direitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio a Gestão Participativa. Politica nacional de saúde integral de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Brasília (DF); 2013.

Secretaria Municipal da Cultura do Rio Grande do Sul. O que significa a sigla LBGTQIA+ [internet]. [acesso em 28 mar 2022]. Disponível em: https://cultura.rs.gov.br/o-que-significa-a-sigla-Igbtaia.

Motta JIJ. Sexualidades e politicas publicas: uma abordagem quer para tempos de crise democrática. Saúde debate. 2016; 40(spe):73-86.

Conselho Nacional de Combate à Discriminação. Brasil sem homofobia: programa de combate a violência e a discriminação contra LGTB [internet]. Brasília (DF); 2004 [acesso em 12 maio 2018]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/brasil_sem_homofobia.pdf.

Albuquerque GA, Garcia CL, Alves MJH, Queiroz CMHT, Adami F. Homossexualidade e o direito à saúde: um desafio para as politicas públicas de saúde no Brasil. Saúde debate. 2013; 37(98):516-524.

Ministério da Saúde (BR). O que é a Politica Nacional de Humanização? Brasília (DF); 2013.

Santana ADS, Melo LP. Pandemia de covid-19 e população LGBTI+ (In)visibilidades dos impactos sociais. Sex., salud soc [internet] . 2021 [acesso em 20 jan 2022]; 37. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess5.2021.37.€21202a.

Baldissera A. Pesquisa-ação: uma metodologia do conhecer e do agir coletivo. Soc. Deb. 2001; 7(2):5-25.

Freire L, Cardinali D. O ódio atras das grades: da construção social da discriminação por orientação sexual à criminalização da homofobia. Sex., salud soc. 2012; (12):37-63.

Cardoso MR, Ferro LF. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicol. Cienc. Prof. 2012; 32(3):552-563.

Carvalho MFL. A impossível pureza: medicalização e militância na experiência de travestis e transexuais. Sex., salud soc. 2011; (8):36-62.

WHO - World Health Organization. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD-11) [internet]. 2019 [acesso em 11 abr 2021]. Disponivel em: International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems (ICD).

Apostolo MVA, Moscheta MS, Souza LV. Discursos e posicionamentos em um encontro de diálogo sobre violência a LGBTs. Psicol. USP. 2017; 28(2):266-275.

Moscheta M, Souza LV; Casarini KA; Scorsolini-Comin F. Da impossibilidade do diálogo: conversações publicas e os direitos LGBTS. Psicol. Soc. 2016; 28(3):516-525.

São Paulo (Estado). Decreto nº 55.588. Dispõe sobre o tratamento nominal das pessoas transexuais e travestis nos órgãos públicos do Estado de São Paulo e dá providências correlatas. São Paulo: ALESP, 17 mar 2010.

Brasil. Decreto nº 8.727. Dispõe sobre o uso do nome social e o reconhecimento da identidade de género de pessoas travestis e transexuais no âmbito da administração pública federal direta, autárquica e fundacional. Brasília: Diário Oficial da União. 29 abr 2016.

Macedo A. Identidade de gênero e orientação sexual na pratica clinica. Lisboa: Cafilesa -Soluções Gráficas; 2018.

Costa AB, Nardi, HC. Homofobia e preconceito contra diversidade sexual: debate conceitual. Temas Psicol. 2015; 23(3):715-726.

Santos AC. Sexualidades politizadas: ativismo nas áreas da AIDS e da orientação sexual em Portugal. Cad. Saud. Públ. 2002; 18(3):595-611.

Downloads

Publicado

2022-07-30

Como Citar

Longhi, M. P. (2022). Ampliando o olhar à população LGBTQIA+ em grupo de discussão com trabalhadores de saúde do Ambulatório de Especialidades de Tupã: potencialidade e desafios. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 23(1), 58–65. https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39622