Roda de conversa LGBTQIA+ no SUS

experiência do Ambulatório de Especialidades Médicas de Atibaia

Autores

  • Caio Vinicius Carvalho Margin Secretaria Estadual da Saúde de Atibaia (SP). Ambulatório Médico de Especialidades

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39624

Palavras-chave:

LGBTQIA , Roda de conversa, Humanização

Resumo

Devido ao histrico de lutas por direitos, dignidade e do livre exercicio da cidadania pela comunidade LGBTQIA+, os —avanços de
politicas publicas de inclusão e reconhecimento das individualidades desse grupo demonstram a necessidade da drea da saúde
de garantir um atendimento adequado a todos, incluindo a oferta de acolhimento humanizado e incentivo aos profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS), e de repensar as praticas e condutas relacionadas a essa minoria vulnerável. A Roda de Conversa
LGBTQIA+, realizada no Ambulatério Médico de Especialidades de Atibaia, possibilitou, por meio do olhar técnico de uma profissional da área de Infectologia, responsével pelo grupo de apoio a transexuais do municipio de Atibaia, propor a sensibilização dos profissionais do serviço a respeito do assunto. Visando a uma melhor compreensao da realidade vivenciada por essas pessoas, esta formação foi feita com a apresentagéo de depoimentos de membros da comunidade LGBTQIA+ e discussão de estudos cientificos e experiéncias profissionais no tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Caio Vinicius Carvalho Margin, Secretaria Estadual da Saúde de Atibaia (SP). Ambulatório Médico de Especialidades

Caio Vinicius Carvalho Margini (qualidade.ameat@alsf.org.br) é gestor hospitalar e pós graduando em Gestão da Saúde pela Universidade São Francisco, técnico de Qualidade Il e coordenador de Humanização do Ambulatório Médico de Especialidades (AME) de Atibaia.

Referências

Brasil, Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil [internet]. Brasília (DF): Senado Federal; 1988 [acesso em 24 mar 2022]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

ONU - Organização das Nações Unidas Brasil. Brasil esta entre os cinco países mais desiguais, diz estudo de centro da ONU [internet]. 2018 [acesso em 24 mar 2022]. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/ 79054-brasil-esta-entre-0s-cinco-paises-mais-desiguais-diz-estudo-de-centro-da-onu.

Moraes MP. Brasil ocupa nono lugar em ranking de desigualdade social [internet]. 2021 [acesso em 24 mar 2022]. Disponível em: http://edicaodobrasil.com.br/2021/07/09/brasil-e-o-nono-pais-com-mais-desigualdade-social-no mundo/#:~:text=De%202012%20a%202019%2C%20"13%2C6%20milh%C3%B5es%20de%20cidad%C3%A30s.&- text=0%20Brasil%20%C3%A9%200%20non0%20pa%-C3%ADs%20com%20mais%20desigualdade%20social.

Bezerra JL. Preconceito contra LGBTQIA+ ainda é problema na saúde [internet]. 2020[acesso em 24 mar 2022]. Disponível em: https://saude.abril.com.br/coluna/com-a-palavra/preconceito-contra-Igbtgia-ainda-e-problema-na-saude/.

São Paulo (Estado). Lei n° 10.948 - dispõe sobre as penalidades a serem aplicadas a pratica de discriminação em razão de orientação sexual e dá outras providências [internet]. 2001 [acesso em 24 mar 2022]. Disponível em: https://governo sp.jusbrasil.com.br/legislação/165355/lei-10948-01.

Governo do Estado de São Paulo. Decreto n° 54.032. São Paulo; 18 fev. 2009. (Internet). Disponível em: https://justica.sp.gov.br/wp-content/uploads/2017/07/6%20-%20Decreto%2054032.pdf. [acesso em: 24 mar. 2022].

Governo do Estado de São Paulo. Histérico da Humanização no Estado de São Paulo. (Internet). Disponivel em:

https://www.saude.sp.gov.br/humanizacao/institucional/historico=-da-humanizacao-no-estado-de-sao-paulo#:~:textÁNSReferências A%20partir%20de%202003%2C%20ano,sensibiliza%-C3%AT7%C3%A30%20de%20gestores%20e%20trabalhadores.[acesso em: 24 mar. 2022].

Downloads

Publicado

2022-07-30

Como Citar

Margin, C. V. C. (2022). Roda de conversa LGBTQIA+ no SUS: experiência do Ambulatório de Especialidades Médicas de Atibaia. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 23(1), 66–70. https://doi.org/10.52753/bis.v23i1.39624