Arte e saúde: a parceria entre o Centro de Atenção Psicossocial Jaçanã-Tremembé e o Programa Educativo para Públicos Especiais da Pinacoteca de São Paulo

Autores

  • Gabriela Aidar Graduada em História pela USP, especialista em Estudos de Museus de Arte pelo MAC/ USP e em Museologia pelo MAE/ USP. Obteve o título de Master of Arts in Museum Studies pela Universidade de Leicester, na Inglaterra, com revalidação pelo Programa de Mestrado em Museologia da UNIRIO. É coordenadora dos Programas Educativos Inclusivos do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.
  • Luísa Rodrigues Barcelli Graduada e licenciada em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e técnica em Museu pelo Centro Paula Souza, é educadora do Programa Educativo para Públicos Especiais do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.
  • Margarete de Oliveira Museóloga com registo no COREM 4R, Mestre em Museologia pela USP, graduada e licenciada em Letras pela USP e Pós-graduada em “Praxis Artísticas e Terapêuticas: Interface da Arte e da Saúde” pela Faculdade de Terapia Ocupacional da FM-USP. Assistente de Coordenação, docente e educadora do Programa Educativo para Públicos Especiais do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo.
  • Mariana Carvalho Groetares de Castro Graduada em Terapia Ocupacional pela Universidade Estadual de São Paulo com especialização em saúde mental, é terapeuta ocupacional do Centro de Atenção Psicossocial II/ Adulto Jaçanã-Tremembé Dr. Leonidio Galvão dos Santos.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33860

Palavras-chave:

Saúde mental, museus, acessibilidade cultural, educação em arte, educação em museus

Resumo

Este artigo apresenta a parceria entre o Centro de Atenção Psicossocial (Caps) Jaçanã-Tremembé e o Programa Educativo para Públicos Especiais (Pepe), do Núcleo de Ação Educativa da Pinacoteca de São Paulo, estabelecida no início de 2016 com o objetivo de aproximar um grupo de jovens que fazem acompanhamento no serviço de saúde do acervo da Pinacoteca, e de suas potencialidades educativas, ampliando seu repertório social e cultural, estimulando a autonomia do grupo.

Referências

BENETTON, M.J. Trilhas Associativas: ampliando subsídios metodológicos à Clínica da Terapia Ocupacional. Campinas: Arte Brasil Editora/Unisalesiano, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde Mental no SUS: os centros
de atenção psicossocial. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.
DELGADO, P.G.G. Democracia e reforma psiquiátrica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, 2011; 16(12):4701-6.
LIMA, E.M.F.A.; PELBART, P.P. Arte, clínica e loucura: um território de mutação. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, jul-set 2007; 14(3):709-35.
MAXIMINO,V.S. Grupo de Atividade com Pacientes Psicóticos. São José dos Campos: Univap, 2001.
TOJAL, A.P.F. Políticas Públicas Culturais de Inclusão de Públicos Especiais em Museus. Tese (Doutorado em Ciências da Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

Aidar, G., Barcelli, L. R., Oliveira, M. de, & Castro, M. C. G. de. (2016). Arte e saúde: a parceria entre o Centro de Atenção Psicossocial Jaçanã-Tremembé e o Programa Educativo para Públicos Especiais da Pinacoteca de São Paulo. Cadernos De História Da Ciência, 12(1), 145–160. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33860

Edição

Seção

Artigo Original