Ilustrações no vitral do Museu do Instituto de Botânica de São Paulo

Autores

  • Luíza Teixeira Costa Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo/ Museu Biológico do Instituto Butantan; doutoranda; Bióloga; Mestra em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo.
  • Yasmin Vidal Hirao Museu Biológico do Instituto Butantan; Bióloga; Mestra em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo.
  • Erika Hingst Zaher Museu Biológico do Instituto Butantan; Bióloga; Doutora em Ciências Biológicas (Genética) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33862

Palavras-chave:

Museu Botânico Dr. João Barbosa Rodrigues, plantas medicinai, ilustração científica, Instituto de Botânica, Frederico Hoehne

Resumo

Apresentamos aqui alguns aspectos sobre a origem e o papel dos vitrais na arquitetura e seus primeiros empregos no Brasil, tanto no contexto decorativo quanto no de divulgação científica. Discutimos o estudo das plantas úteis no Brasil, sua relação com a história da Botânica e o papel do botânico Frederico Carlos Hoehne no contexto científico e de divulgação. Relacionamos também o emprego de ilustrações científicas ao amplo uso popular de espécies vegetais até o começo do século XX no Brasil, em especial aquelas de interesse ao ramo da medicina. Buscamos discutir tal relação por meio de análise e exposição das ilustrações botânicas presentes no vitral do Museu Botânico Dr. João Barbosa Rodrigues.
Ressalta-se que, embora as imagens do vitral analisado não apresentem os detalhes e particularidades de cada planta, necessários para identificação de algumas das espécies, seu papel na relação entre arte e saúde se cumpre como objeto de divulgação do conhecimento científico no contexto do Museu Botânico. A abordagem de uma obra localizada em um museu acrescenta ainda à discussão o importante papel exercido por museus e jardins botânicos na divulgação científica de temas relacionados à botânica e preservação da biodiversidade. 

Referências

ABDEL-AZEEM, A. M. The history, fungal biodiversity, conservation, and future perspectives for mycology in Egypt. IMA Fungus. 2010. v.1, n.2, p.123-42.
ALVES, C. F. A fundação de Santos na ótica de Benedito Calixto. Revista USP. 1999. v.41, p.120-33.
ALVES, L. F. Produção de Fitoterápicos no Brasil: História, Problemas e Perspectivas. Rev. Virtual Quim., 2013, v.5, n.3, p.450-513.
AMBRIZZI, M. L. Caminhos Cruzados: Artistas entre viagens, olhares e tempos: arte e ciência na expedição Langsdorff - séculos XIX e XX. Dissertação(mestrado), Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás, 2007.
BATTISTI, E. L’antirinascimento. Milão: Feltrinelli, 1962.
BEDIAGA, B. Conciliar o útil ao agradável e fazer ciência: Jardim Botânico do Rio de Janeiro – 1808 a 1860. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 2007, v.14, n.4, p.1131-57.
BELL, P.; LEWENSTEIN, B.; SHOUSE, A.; FEDER, M. (Ed.). Learning science in informal environments: people, places and pursuits. Washington: National Academies Press, 2009.
BERNSTEIN, J. W. (Ed.). Stained-glass craft. Nova Iorque: Macmillian Publishing Co., 1973. BRAGA, C. M. Histórico da Utilização de Plantas Medicinais. Monografia(Licenciatura em Biologia) , Consórcio Setentrional de Educação à Distância, Universidade de Brasília/Universidade Estadual de Goiás, 2011.
BRANDÃO, I. L. Luz no extase: vitrais e vitralistas no Brasil. São Paulo: Dorea Books and Art, 1994.
BRANDÃO, M. G. L.; GOMES-BEZERRA, K. M.; SANTOS, A. C.; GRAEL, C. F. F. Naturalistas europeus e as plantas medicinais do Estado de Minas Gerais, Brasil. Arquivos do Museu de História Natural e Jardim Botânico, 2012, v.21, n.2, p.207-30.
BRISAC, C. Le Vitrail. Paris: Editions de la Martinière, 1994.
BULPITT, C. J. The uses and misuses of orchids in medicine. Q J Med. 2005, v.98, p.625-31.
CARNEIRO, H. O saber indígena e os naturalistas europeus. Trajetos, 2009, v.7, n.13, p.47-66.
CASTRO, C. M.; DEVIDE, A. C. P. Resgate de conhecimentos tradicionais: produção e consumo de plantas não convencionais. Pesquisa & Tecnologia, 2015, v.12, n.1.
CORRÊA, P. Diccionario das plantas uteis do Brasil e das exoticas cultivadas. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1926.
CRIBB, P.; SPRUNGER, S.; DE BRITO, A. T. The orchid paintings of João Barbosa Rodrigues (1842–1909). Curti’s Botanical Magazine. 1996, v.13, n.3, p.152-7.
DE JESUS, C. A. M. Amato Lusitano e a importância da ilustração botânica no século XVI em torno das edições lionesas das Enarrationes (1558). In: Humanismo e Ciência: Antiguidade e Renascimento. Aveiro/Coimbra/São Paulo, 2015.
DEMATTÊ, M. E. S. P. Princípios de paisagismo. 2 ed. Jaboticabal: Funep, 1999.
ELKADI, H. Cultures of glass in architecture. Hampshire, Inglaterra: Ashgate Publishing, 2006.
FIORAVANTI, C. Observador das cidades. Revista FAPESP, Memória. São Paulo, 2011, n.187, p.8-9.
FRANCO, J. L. A.; DRUMMOND, J. A. Frederico Carlos Hoehne: a atualidade de um pioneiro no campo da proteção à natureza no Brasil. Ambiente & Sociedade, 2005, v.8, n.1, p.1-26.
HARRIS, S. Barnadesia caryophylla (Vell.) S.F. Blake (Asteraceae). In: Oxford Plants. 2017.
HINGST-ZAHER, E.; TEIXEIRA-COSTA, L. Raízes do paisagismo no Butantan: o Horto Osvaldo Cruz e a contribuição de F. C. Hoehne. In: ENOKIBARA, M.; GHIRARDELLO, N.; SALCEDO, R. F. B. (Orgs.). Patrimônio, paisagem e cidade, Tupã: Amigos da Natureza, 2016.
HOEHNE, F. C.; KUHLMANN, M.; HANDRO, O. O Jardim Botânico de São Paulo. São Paulo: Departamento de Botânica do Estado. Secretaria da Agricultura e Comércio de São Paulo, 1941.
HOEHNE, F. C. Caracteres botânicos, história e cultura das cinchonas. São Paulo: Instituto Butantan, 1919.
______. Vegetaes anthelminticos ou enumeração dos vegetaes empregados na medicina popular como vermífugos. São Paulo: Weiszflog, 1920.
______. Album da Seção de Botânica do Museu Paulista e suas dependências. São Paulo: Imprensa Methodista Editora, 1925.
______. Plantas ornamentaes da flora brasilica e o seu papel como factores da salubridade publica, da esthetica urbana e artes decorativas nacionais. São Paulo: Secretaria da Agricultura, Indústria e Comércio, 1936.
______. Plantas e Substâncias Vegetais Tóxicas e Medicinais. São Paulo: Departamento de Botânica do Estado. Secretaria da Agricultura e Comércio de São Paulo, 1939.
______. Arborização Urbana. São Paulo: Departamento de Botânica do Estado. Secretaria da Agricultura e Comércio de São Paulo, 1944.
______. Iconografia de Orchidaceaes do Brasil. São Paulo: Secretaria da Agricultura e Comércio de São Paulo, 1949.
LAWS, B. 50 Plantas que mudaram o rumo da história. Trad. Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.
LEMAIRE, C. A. Hippeastrum procerum, planche 408. In: L’Illustration horticole, v. 11. Gand, Belgium: Imprimerie et lithographie de F. et E. Gyselnyck, 1864.
LORENZI, H.; MATOS, F. J. A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Nova Odessa: Instituto Plantarum de Estudos da Flora, 2008.
MARCGRAVE, G.; Piso, W. Historia Naturalis Brasiliae. 1648. Disponível em: <http://biblio.etnolinguistica.org/marcgrave_1648_historia>.
MEDLIN, D. L.; BANG, M. The cultural side of science communication. PNAS, 2014, v.111, n.4, p.13621-6.
MELLO, R. L. S. Casa Conrado: Cem Anos do Vitral Brasileiro. Dissertação (mestrado em Artes), Instituto de Artes da Universidade de Campinas - Unicamp, 1996.
MILLER, L. G. Historical preface. In: BERNSTEIN, J. W. (Ed.). Stained-glass craft. Nova Iorque: Macmillian Publishing Co., 1973.
MORI, S. A.; FERREIRA. F. C. A distinguished Brazilian botanist, Joao Barbosa Rodrigues (1842-1909). Brittonia, 1987, v.39, n.1, p.73-85.
NEIVA, A. 1918. Discurso na inauguração do Horto Oswaldo Cruz. In: COARACY, V. O perigo japonês. Rio de Janeiro: Jornal do Comércio, 1942.
NEIVA, A. Esboço histórico sobre Botânica e Zoologia no Brasil. Brasília: Editora UNB, 1988.
OLIVEIRA, A. D.; MENDONÇA, R. S.; PUORTO, G. Horto Oswaldo Cruz: histórico e projetos futuros. Cad. hist. ciênc., 2005, v.1, n.1, p.82-90.
PATZLAFF, R. G.; PEIXOTO, A. L. A pesquisa em etnobotânica e o retorno do conhecimento sistematizado à comunidade: um assunto complexo.
História, Ciências, Saúde – Manguinhos, 2009, v.16, n.1, p.237-46.
PECKOLT, T.; PECKOLT, G. Historia das plantas medicinaes e uteis do Brazil. Rio de Janeiro: Typographia Laemmert & C., 1888.
PEREIRA, R. M. A. Ilustração botânica de um Brasil desconhecido. Dissertação (Mestrado Ilustração Científica), Universidade de Évora, 2011.
RAGUIN, V. C. The history of stained-glass. Londres: Thames & Hudson, 2003. REVISTA BRASILEIRA DE HISTÓRIA DA CIÊNCIA. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de História da Ciência, 2012, 5 (suplemento).
ROCHA, Y. T.; CAVALHEIRO, F. Aspectos históricos do Jardim Botânico de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica, 2011, v.24, n.4 (suplemento), p.577-86.
RODRIGUES, J. B. R. Iconographie des Orchidees du Bresil. SPRUNGER, S.; CRIBB, P.; DE BRITO, A.T. (Ed.). 2 vol. 1996.
SAINT-HILAIRE, A. Plantas usuais dos brasileiros/Auguste de Saint-Hilaire. OrgAnizado por Maria das Graças Lins Brandão e Marc Pignal. Belo Horizonte: Código Comunicação, 2009.
SALGADO, P.; BRUNO, J.; PAIVA, M.; PITA, X. A ilustração científica como ferramenta educativa. Interacções, 2015, v.39, p.381-92.
SANJAD, N. R. Os Jardins Botânicos luso-brasileiros. Cienc. Cult., 2010, v.62, n.1, p.20-2.
SANTOS, M. C.; SYLVESTRE, L. S. Aspectos florísticos e econômicos das pteridófitas de um afloramento rochoso do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta bot. bras. 2006, v.20, n.1, p.115-24.
SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica Sistemática. 3. ed. Nova Odessa, São Paulo: Instituto Plantarum, 2012.
STEPHENSON, J.; CHURCHILL, J. M. Medical Botany. In: LOUDON, J.C.; SPOTTISWOODE, A. R. The gardener’s magazine and register of rural & domestic improvement. London: Longman, Rees, Orme, Brown and Green. 1930.
TOMASI, L. T.; HIRSCHAUER, G. A. The Flowering of Florence. Washington, EUA: National Gallery of Art, 2002.
URTUBEY, E. Revision del genero Barnadesia (Asteraceae: Barnadesioideae, Barnadesieae). Annals of the Missouri Botanical Garden. 1999, v.86, n.1, p.57-117.
VON IHERING, R. George Marcgrave, o primeiro sábio que veiu estudar a natureza do Brazil – 1638 a 44. Revista do Museu Paulista. 1914, v.9, p.307-15.
VON MARTIUS, C. F. P. Systema materiae medicae vegetabilis Brasiliensis. 1843. Disponível em: <http://www.biodiversitylibrary.org/bibliography/9541#/summary>.
WARTCHOW, F.; MAIA, L. C.; CAVALCANTI, M. A. Q. Taxonomic studies of Amanita muscaria (L.) Lam. (Amanitaceae, Agaricomycetes) and its
infraspecific taxa in Brazil. Acta Bot. Bras., 2013, v.27, n.1, p.31-9.
WHITTAKER, R. H. New Concepts of Kingdoms of Organisms. Science. 1969, v.163, n.3863, p.150-60. DOI: 10.1126/science.163.3863.150.

Downloads

Publicado

2016-06-30

Como Citar

Costa, L. T., Hirao, Y. V., & Zaher, E. H. (2016). Ilustrações no vitral do Museu do Instituto de Botânica de São Paulo. Cadernos De História Da Ciência, 12(1), 186–208. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2016.v12.33862

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)