A criança pequena e a relação com o mundo microbiano

Autores

  • Cynthia Iszlaji Educadora do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade de Santo Amaro; mestre em Ensino de Ciência pela Universidade de São Paulo.
  • Angela Cerqueira Ex-estagiária do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Graduada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo.
  • Camila Karolina de Freitas Ex-estagiária do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Licenciatura em Ciências da Natureza pela Cynthia Iszlaji2 Angela Cerqueira3 Camila Karolina de Freitas4 Marília Marcondes5 Rafaela Molina de Angelo6 Glaucia Colli Inglez7 The young children and the relationship with the microbial world 174 Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.
  • Marília Marcondes Educadora do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Cruzeiro do Sul.
  • Rafaela Molina de Angelo Ex-estagiária do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Licenciatura em Ciências da Natureza pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.
  • Glaucia Colli Inglez Diretora do Museu de Microbiologia do Instituto Butantan. Graduada em Ciências Biológicas pelo Instituto de Biociência da Universidade de São Paulo.

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2014.v10.33922

Palavras-chave:

ensino de ciências, museu de ciências, criança pequena e microrganismos

Resumo

Os museus de ciências vêm estruturando suas ações educativas para os diferentes públicos, garantindo a acessibilidade a todo e qualquer cidadão. O Museu de Microbiologia, pensando no público infantil, elaborou a atividade “A descoberta de Sofia ao mundo invisível dos micróbios”, para crianças de até 6 anos, oferecida na programação de férias do Instituto Butantan em julho/2015. O objetivo da proposta foi investigar, ao longo da atividade, a compreensão das crianças sobre os microrganismos e sua relação com seu cotidiano, por meio de diferentes estratégias como contação de história, roda de conversa e desenho. A observação durante toda a atividade, a interação durante a contação e a análise das falas e dos desenhos, com as devidas explicações pelos pequenos, evidenciaram que as crianças conseguiram relacionar o conteúdo abordado com suas vivências, transpondo seus conhecimentos prévios e suas interpretações, sugerindo que houve um processo de aprendizagem.

Referências

Alves-Mazzotti AJ, Gewandsnajder F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2.ed. São Paulo: Pioneira, 1999.
Bizerra A et al. Crianças pequenas e seus conhecimentos sobre microrganismos. In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 7, 2009, Florianópolis. Anais do VII ENPEC, Florianópolis: FaE UFMG, 2009. [internet]. [Acessado em 07/06/2016]. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/472.pdf.
Bogdan R, Bilken S. Investigação qualitativa em educação. Porto: Editora Porto, 1994. Borba AM. A brincadeira como experiência de cultura na educação infantil. Rev. Criança. Brasília, 2007, n(44): 12-14. [internet]. [Acessado em 07/06/2016]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Educinf/revista44.pdf.
Brasil. Ministério da Educação. Secretária da Educação Básica. Diretrizes urriculares nacionais para educação infantil. Brasília: MEC/SEB (2010).
Brasil. Ministério da Educação e Desporto. Secretária da Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998, 270p.
Carabetta Jr. V. Uma abordagem sócio-interacionista para o ensino de ciências na pré-escola. In: IV Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia, 1997, São Paulo, Coletânea. São Paulo: FEUSP, 1997.
Castro ST. O museu e o ensino de ciências na educação infantil: experiências do museu oceanográfico – Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo. In: IV Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia. São Paulo, 2000, São Paulo. Coletânea. São Paulo: FEUSP, 2000.
Cavalcanti Z. (Coord.) Trabalhando com história e ciência na pré-escola. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
Colinvaux D. Ciências e crianças: delineando caminhos de uma iniciação às ciências para crianças pequenas. Contrapontos. Itajaí; jan. / abr. 2004; v(4), n(1): 105-123.
Dominguez CRC. Rodas de ciências na Educação Infantil: um aprendizado lúdico e prazeroso. Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2001.
______. Desenhos, palavras e borboletas na Educação Infantil: brincadeiras com as ideias no processo de significação sobre os seres vivos. Tese (Doutorado em Educação). Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2006.
______. Quando professoras de Educação Infantil “brincam com as ideias” para aprender a ensinar ciências. In: Barzano MAL, Fernandes JAB, Fonseca LCS, Shuvartz M (Orgs.) Ensino de Biologia: experiências e contextos formativos. Goiânia: Índice Editora, 2014, pp.103-116.
Fagionato-Ruffino S. Pensando as ciências nas séries iniciais a partir das crianças. In: Barzano MAL, Fernandes JAB, Fonseca LCS, Shuvartz M. (Orgs.). Ensino de Biologia: experiências e contextos formativos. Goiânia: Índice Editora, 2014, pp.117-132.
Franco MT et al. Aprendizagem em museus de ciências: o pequeno visitante no Museu de Microbiologia. Relatório de Pesquisa, Fapesp, 2012.
Gobbi MA, Pinazza MA. Linguagens infantis: convite à leitura. In: ______ (Orgs.) Infância e suas linguagens. São Paulo: Cortez, 2014, pp.11-19.
Goulart M. Conhecimento do mundo natural e social: desafios para a educação infantil. Rev. Criança. Brasília, abr. 2005, n(39): 25-29 [internet]. [Acessado em 07/06/2016] Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/rev_crian_39.pdf.
Kawasaki CS. Calendário biológico: uma experiência pedagógica desenvolvida na creche carochinha do campus da USP de Ribeirão Preto. In: IV Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia. São Paulo, 2000. Coletânea. São Paulo: FEUSP, 2000.
Leite MI. Linguagens e autoria: registro, cotidiano e expressão. In: Ostetto LE, Leite MI. Arte, infância e formação de professores: autoria e transgressão. 3.ed. Campinas: Papirus, 2004, pp.25-39.
Leporo N. Micróbios na Educação Infantil: o que as crianças pensam sobre os microrganismos? In: VII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação
em Ciências, 7, 2009, Florianópolis. Anais do VII ENPEC. Florianópolis: FaE UFMG, 2009. [internet]. [Acesso em 7/06/2016]. Disponível em: http://posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/396.pdf.
Lima MECC, Maués E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio. Belo Horizonte; dez. 2006; v(8) n(2): 161-175.
Meirinhos M, Osório A. O estudo de caso como estratégia de investigação em educação. EDUSER – Revista de educação. Bragança, 2010, v.(2), n(2): 49-65.
Moraes TSV. O desenvolvimento de processos de investigação científica para o 1º ano do Ensino Fundamental. Tese (Doutorado em Educação), Universidade de São Paulo, Faculdade de Educação, São Paulo, 2015.
Oliveira G. Conceituando digestão na educação infantil. In: IV Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia. São Paulo, 7, 2000, São Paulo. Coletânea. São Paulo: FEUSP, 2000.
Queiroz NLN, Maciel, DA, Branco AU. Brincadeira e desenvolvimento infantil: um olhar sociocultural construtivista. Paidéia. Ribeirão Preto, 2006, v(16), n(34): 169-179.
Scarpa D, Trivelato SLF. Aula de ciências sob um olhar vygotskyniano e bakhtiniano: será que golfinho é peixe? In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 3, 2001, Atibaia. Atas do III ENPEC. Porto Alegre: UFRGS, CD-ROM, 2001.
Vygotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.
______. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
Yin R. Estudo de caso. Planejamentos e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2014-12-31

Como Citar

Iszlaji, C., Cerqueira, A., Freitas, C. K. de, Marcondes, M., Angelo, R. M. de, & Inglez, G. C. (2014). A criança pequena e a relação com o mundo microbiano. Cadernos De História Da Ciência, 10(2), 174–194. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2014.v10.33922