Entre a arte e a ciência: a trajetória de Augusto Esteves

Autores

  • Jorge Augusto Carreta Bacharel e Licenciado em Ciências Sociais (UNICAMP, 1994), Mestre em Sociologia (UNICAMP, 1999), Doutor em Política Científica e Tecnológica (UNICAMP, 2006) e Pós-Doutor em Medicina Preventiva (USP, 2014). Professor das Faculdades de Campinas (FACAMP).

DOI:

https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2013.v9.34312

Palavras-chave:

Augusto Esteves, ceroplastia, Faculdade de Medicina de São Paulo, Instituto Butantan, Instituto Oscar Freire, dermatologia

Resumo

Este artigo traça a trajetória de Augusto Esteves, desenhista e ceroplastia que atuou no Instituto Butantan e nos departamentos de dermatologia e medicina legal da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Esteves produziu centenas de trabalhos, com destaque para as peças em cera que reproduziam doenças dermatológicas, venéreas e temas do ensino de medicina legal, tais como ferimentos infligidos por instrumentos cortantes ou armas de fogo e lesões causadas por acidentes de trabalho. No Instituto Butantan, seu trabalho consistiu essencialmente em reproduzir por meio de desenhos e ceroplastia as serpentes e demais animais estudados na instituição.

Referências

Ballestriero R. Anatomical models and wax Venuses: art masterpieces or scientific craft works? Journal of Anatomy, 2010; n(216): 223-234.
Bernard C. Introducción al estudio de la medicina experimental. Buenos Aires: Losada S.A., 1944.
Brazil V. A defesa contra o ophidismo. São Paulo: Pocai & Weiss, 1911.
Canguilhem G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.
Esteves A. Das moldagens a serviço da Medicina Legal e da Justiça. IV Semana Paulista de Medicina Legalda Sociedade de Medicina Legal e Criminologia de São Paulo. São Paulo, Tip. do Departamento de Investigações, 1950.
______. Autobiografia. c. 1960, mimeo. (Fundo Augusto Esteves – Museu Histórico da Faculdade de Medicina da Universidade de São
Paulo).
Foucault M. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.
Haviland TN, Parish LC. A brief account of use of wax models in the study of medicine. Journal of history of Medicine and allied sciences, 1970; v(XXV) n(1): 52-75.
Lacaz CS. Museu Ceroplástico “Augusto Esteves”. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, abr.-jun. 1993; v(26) n(2): 125-126.
Landes JB. Wax fibers, wax bodies and moving figures: artifice and nature in Eighteenth-Century anatomy.
In: Panzanelli R (ed.). Ephemeral bodies: wax sculpture and human figure. Los Angeles:
Getty Research Institute, 2008.
Mota A (org.). Arte e medicina: interfaces de uma profissão. São Paulo: FMUSP/Casa de Soluções e
Editora, 2010.
Ribeiro MAR. Saúde pública e as empresas químico-farmacêuticas. História, Ciências, Saúde — Manguinhos, nov. 2000-fev. 2001; v(7) n(3): 607-626.
Sevalho G. Uma abordagem histórica das representações sociais de saúde e doença. Cadernos de Saúde Pública, jul/set, 1993; v(9) n(3): 349-363.
Schnalke T. Diseases in wax: The history of the medical moulage. Berlim: Quinteessence Books, 1995.
______. A brief history of dermatologic moulage in Europe – Part III: Prosperity and decline. International Journal of dermatology, Jun.
1993; v(32) n(6): 453-463.
______. A brief history of dermatologic moulage in Europe – Part II: Breakthrough and rise. International Journal of dermatology, Feb. 1992; v(31) n(2): 134-141.
______. A brief history of dermatologic moulage in Europe – Part I: The origin. International Journal of dermatology, Mar. 1988; v(27) n(2): 134-139.
Tarasantchi RS. Pintores paisagistas: São Paulo, 1890 a 1920. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Imprensa Oficial do Estado, 2002.

Downloads

Publicado

2013-12-31

Como Citar

Carreta, J. A. (2013). Entre a arte e a ciência: a trajetória de Augusto Esteves. Cadernos De História Da Ciência, 9(2), 108–125. https://doi.org/10.47692/cadhistcienc.2013.v9.34312