Desenvolvimento de Sistema de Apoio à Regulação de Urgência e Emergência para região de Campinas

Autores

  • Eliane Molina Psaltikidis é enfermeira, assistente técnica e coordenadora do Projeto Manuais HC
  • Paulo Cesar Tibaldi é economista, assessor do Hospital de Clínicas da Unicamp
  • Márcia Bevilacqua é diretora de Departamento Regional de Saúde VII
  • Edson Luiz Kitaka é diretor da Divisão de Informática do HC-Unicamp
  • Rodrigo Usson é programador de Sistemas da Divisão de Informática do HC-Unicamp

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2012.v13.33711

Palavras-chave:

Urgência e Emergência, Regulação, Gestão em Saúde

Resumo

A regulação dos casos de urgência e emergência exige agilidade e eficácia. No Estado de São Paulo, esses casos são regulados pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde (CROSS), localizada na capital, com profissionais reguladores, que enfrentam o desafio de se inteirarem das diferentes realidades do interior. A região de Campinas agrega 42 municípios com 103 serviços de saúde, gerando dúvidas no
referenciamento dos casos, por falta informações relativas aos recursos. O objetivo do artigo é descrever a construção de um Sistema de Apoio à Regulação de Urgência e Emergência para Região de Campinas, por parceria entre o Hospital de Clínicas-Unicamp e o Departamento Regional de Saúde DRS-VII. Teve como premissas seguir a lógica de referenciamento pactuada e substituir o processo manual por sistema eletrônico de fácil manuseio, ágil, gratuito e compatível com qualquer computador. O sistema foi implantado, com êxito, na CROSS e instituições envolvidas,
promovendo acesso às informações de forma prática e rápida, permitindo distribuição regular e correta dos casos aos serviços de saúde. Com esta experiência, a CROSS pretende desenvolver sistema semelhante para atender a todas as regiões do Estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. Adolfi Júnior MS, Pallini FM, Pessotti H, Wolf CM, Patelli HT, Capeli RD et al. Regulação médica em emergência pela plataforma web: um estudo piloto. Rev Saúde Pública. 2010; 44(6):1063-71.
2. Ministério da Saúde, DATASUS . Informações de Saúde. CNES. Estabelecimentos com Tipo de Atendimento Prestado - Urgência - São Paulo. Brasília(DF) [acesso em 9 set 2011. Disponível em:http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?cnes/cnv/aturgSP.def
3. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n.º 2048 de 5 de novembro de 2002. Aprova o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial União nº 219, Seção 1, p. 32-54.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1863 de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial União Seção 1: 56.
5. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Regulação médica das urgências. Brasília(DF): Departamento de Atenção Especializada;2006: 126 p.
6. Davenport TH, Jarvenpaa SL, Beers MC. Improving knowledge work process. Sloan Management Review.1996;37(4):53-65.
7. Mendonça CS, Reis AT dos, Moraes JC, organizadores. A política de regulação do Brasil. Brasília(DF): Organização Pan-Americana da Saúde, 2006. 116 p.
8. Prusak L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Peres L, tradutor. 8.ed. Rio de Janeiro: Campus; 998. 237p.
9. Rossetti AG, Morales ABT. O papel da tecnologia da informação na gestão do conhecimento. Ci Inf. 2007;36(1):124-135.
10. Vilarins GCM. Regulação do acesso à assistência: conceitos e desafios. Com. Ciências Saúde. 2010; 21(1):81-84.

Publicado

2012-07-31

Como Citar

Psaltikidis, E. M., Tibaldi, P. C., Bevilacqua, M., Kitaka, E. L., & Usson, R. (2012). Desenvolvimento de Sistema de Apoio à Regulação de Urgência e Emergência para região de Campinas. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 13(3), 269–276. https://doi.org/10.52753/bis.2012.v13.33711

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)