Implementação da gestão clínica pelo kanban nos serviços de emergência: uma revisão sistemática qualitativa Implementation of kanban clinical management in emergency services: a qualitative systematic review

Autores

  • Mariana Cabral Schveitzer Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).
  • Allan Gomes de Lorena Faculdade de Saúde Pública/USP)
  • Beatriz de Almeida Simmerman de Almeida Simmerman Faculdade de Saúde Pública/USP
  • Ademar Arthur Chioro dos Reis Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).
  • Luiz Carlos de Oliveira Cecilio Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).
  • Rosemarie Andreazza Escola Paulista de Medicina da Uni-versidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34474

Palavras-chave:

Administração Hospitalar, Serviço Hospitalar de Emergência; Revisão Qualitativa.

Resumo

 Objetivo foi avaliar a aplicação e implementação da gestão clínica pelo kanban nos serviços hospitalares de emergência (SHE). Mé-todo: Revisão sistemática qualitativa com metassíntese. A coleta de dados foi realizada nas seguintes fontes de informação: Web of Science, Scopus, CINAHL, PsycoInfo, Embase, Eric, Pubmed (inclu-ded Medline), Lilacs, ScienceDirect, Google Scholar. Foram utiliza-dos os seguintes descritores: pessoal de saúde; health personnel; assistência integral a saúde; patient care team; continuidade da assistência ao paciente; quality improvement; assistência centra-da no paciente; healthcare; guia de prática clínica; lean thinking; qualidade da assistência a saúde; lean management; serviço de emergência hospitalar; hospital/hospital logistics; emergency medi-cal services. Foram incluídos artigos em inglês, português e espa-nhol, publicados entre 2008 e 2016. Utilizaram-se as ferramentas de análise de qualidade metodológica de pesquisas qualitativas e extração de dados padronizadas do JBI-SUMARI. A categorização dos achados foi realizada com base em semelhança de significado e as categorias foram agregadas em sínteses. Resultados: 22 arti-gos foram incluídos, analisados e agregados em oito categorias e três sínteses. O kanban aparece enquanto ferramenta relacionada ao lean thinking nos SHE. A implementação do lean thinking deve ser mais explorada nos serviços de emergência, com foco na sus-tentabilidade, tempo de cuidado e satisfação do usuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana Cabral Schveitzer, Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

Professora Doutora do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

 

Allan Gomes de Lorena, Faculdade de Saúde Pública/USP)

 Sanitarista (Faculda-de de Saúde Pública/USP) Mestrando em Saúde Coletiva do Dep. Medicina Preventiva da Fac.Medicina da USP.

Beatriz de Almeida Simmerman de Almeida Simmerman, Faculdade de Saúde Pública/USP

Sanitarista (Faculdade de Saúde Pública/USP) Agente Redutora de Danos do CAPS III Álcool e Drogas Brasilândia.

Ademar Arthur Chioro dos Reis, Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

Professor Doutor do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

Luiz Carlos de Oliveira Cecilio, Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

Professor Sênior do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

 

Rosemarie Andreazza, Escola Paulista de Medicina da Uni-versidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

Professora Doutora do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Uni-versidade Federal de São Paulo (EPM/UNIFESP).

 

Referências

1. Fleury ACC. Organização do trabalho industrial: um con-fronto entre teoria e realidade [tese]. São Paulo: Escola Po-litécnica da Universidade de São Paulo; 1978.
2. Ramanantso AB. Strategic Technology Management. Chi-chester, UK: John Wiley & Sons; 1992.
3. Farrohknia N, Castrén M, Ehrenberg A, Lind L, Oredsson S, Johsson H, Asplund K, Goransson K. Emergency Depart-ment Triage Scales and Their Components: a Systematic Review of their Scientific Evidence. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2011; 19:42.
4. Azeredo TR, Guedes HM, Rebelo de Almeida RA, Chianca TC, Martins. Efficacy of the Manchester Triage System: a systematic review. Int Emerg Nurs. 2015; 23(2):47- 52.
5. Mazzocato P, Savage C, Brommels M, Aronsson H, Thor J. Lean thinking in healthcare: a realist review of the literature. Qual Saf Health Care. 2010; 19:376-382.
6. Andersen A, Rovik KA, Ingebrigtsen T. Lean thinking in hospitals: is thre a cure for the absence of evidence? A syte-matic review of reviews. BMJ Open. 2014; 4.
7. Egger M, Davey Smith G, Altman DG. Systematic Reviews in Health Care: Meta- analysis in context. 2001.
8. Lopes ALM, Fracolli LA. Revisão sistemática de litera-tura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto Contexto En-ferm, Florianópolis. 2008; 17(4): 771-8.
9. JBI - Joanna Briggs Institute. Joanna Briggs Institute Reviewer’s Manual 2011. Institute Joanna Briggs; 2011.
10. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. Preferred Re-porting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLoS Med. 2009; 6(6).
11. Munn Z, Porrit K, Lockwood C, Aromataris E, Pearson A. Establishing confidence in the output of qualitative research synthesis: the ConQual approach BMC Medical Research Methodology. 2014; 14:108.
12. G Leggat S, Gough R, Bartram T, Stanton P, Bamber GJ, Ballardie R, Sohal A. Process redesign for time-based emergency admission targets. J Health Organ Manag. 2016; 19;30(6):939-49.
13. Beck MJ, Okerblom D, Kumar A, Bandyopadhyay S, Scal-zi LV. Lean intervention improves patient discharge times, improves emergency department throughput and reduces congestion. Hosp Pract. 2016; 44(5):252-259.
14. Mazzocato P, Thor J, Bäckman U, Brommels M, Carlsson J, Jonsson F, Hagmar M, Savage C. Complexity complicates lean: lessons from seven emergency services. J Health Or-gan Manag. 2014; 28(2):266-88.
15. Timmons S, Coffey F, Vezyridis P. Implementing lean me-thods in the emergency department: the role of professions and professional status. J Health Organ Manag. 2014; 28(2):214-28.
16. Dickson EW, Anguelov Z, Vetterick D, Eller A, Singh S. Use of lean in the emergency department: a case series of 4 hospitals. Ann Emerg Med. 2009; 54(4):504-10.
17. Parks JK, Klein J, Frankel HL, Friese RS, Shafi S. Dissec-ting delays in trauma care using corporate lean six sigma methodology. J Trauma. 2008; 65(5):1098-104.
18. Dickson EW, Singh S, Cheung DS, Wyatt CC, Nugent AS. Application of lean manufacturing techniques in the Emer-gency Department. JEmergMed. 2009; 37(2):111-82.
19. Santos, VM.  O que é Lean Healthcare e como is-so está mudando a saúde? [internet]. 2017 [acesso em 5 jul 2017]. Disponível em: https://www.fm2s.com. br/o-que-e-lean-healthcare/.
20. InfoQ. Kanban com o pioneiro:  Entrevista com Da-vid J. Anderson. 2012 [acesso em: 10 jul 2017]. Dis-ponível em: https://www.infoq.com/br/articles/kanban-david-anderson-conceitos-e-mitos.
21. Ministério da Saúde (BR). Portaria 1.660/2011. Refor-mula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saú-de - SUS, 2012.
22. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1663 de 6 de agosto de 2012. Dispõe sobre o Programa SOS Emergên-cias no âmbito da Rede de Atenção às Urgências e Emer-gências, 2012.
23. Petry D.  Análise de implantação do Kanban em Hos-pitais do Programa SOS Emergências [dissertação]. Bahia: Faculdade de Medicina da UFBA; 2016.
24. Womack JP, Byrne AP, Fiume OJ, Kaplan GS, Toussaint J, Miller D. Going Lean in Health Care. Int Health Care Improv. Cambridge; 2005.
25. Joosten T, Bongers I, Janssen R. Application of lean thinking to health care: issues and observations. Int J Qual Health Care. 2009; 21:341-347.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Cabral Schveitzer, M. ., Gomes de Lorena, A. ., de Almeida Simmerman, B. de A. S., Chioro dos Reis, A. A., de Oliveira Cecilio, L. C., & Andreazza, R. . (2020). Implementação da gestão clínica pelo kanban nos serviços de emergência: uma revisão sistemática qualitativa Implementation of kanban clinical management in emergency services: a qualitative systematic review. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 44–53. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34474

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)