Percepções sobre o tratamento de homens com diagnóstico de sífilis: uma síntese rápida de evidências qualitativas

Autores

  • Danielle Galindo Martins Tebet Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Vanessa Calmont Gusmão Gigante Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Wanessa da Silva Peres Bezerra Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Jannayna Hammoud Brandão Hammoud Brandão Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Micheli Luize Grenze Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Anamaria Mello Miranda Paniago Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Silvia Helena Mendonça de Moraes Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira Instituto de Saúde/CCTIES-SES
  • Jorge Otávio Maia Barreto Instituto de Saúde/CCTIES-SES

DOI:

https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34487

Palavras-chave:

Sífilis, sífilis congênita, homens, síntese qualitativa rápida.

Resumo

A sífilis atinge mais de 12 milhões de pessoas em todo o mundo e os homens são importante fonte de transmissão para suas parcerias, quando inadequadamente diagnosticados e tratados. Fatores indi-viduais relacionados aos homens podem ser importantes barreiras para buscar e aderir ao tratamento adequado. O objetivo deste es-tudo foi descrever aspectos relacionados ao tratamento de homens com diagnóstico de sífilis, na percepção deles, de suas parcerias e de profissionais de saúde. Foi conduzida uma síntese rápida de evidências qualitativas, a partir da análise de estudos primários qua-litativos e posterior descrição dos resultados. A busca foi feita no MEDLINE (via PubMed), EMBASE (via Elsevier), LILACS (via BVS), Psy-cINFO, literatura cinzenta no Google Scholar, sem restrição de língua ou tempo. Dois revisores realizaram a seleção e as discrepâncias fo-ram resolvidas por consenso. A qualidade metodológica foi avaliada utilizando o instrumento CASP. Foram identificados 2.881 estudos, dos quais, após seleção, cinco foram incluídos. Os conteúdos sele-cionados e categorizados para uma melhor apresentação dos resul-tados mostram que os aspectos que podem influenciar a população masculina no tratamento da sífilis estão associados à escolaridade, visão pessoal de gênero, baixa compreensão da doença e dificulda-des de acesso aos serviços, inclusive relacionadas à organização do processo de trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Danielle Galindo Martins Tebet, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Terapeuta ocupacional, especialista em saúde pública e vigilância em saúde com enfoque em epidemiologia, mestranda em doenças infecciosas e parasitárias pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, pesquisadora do Núcleo de Evidências, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Vanessa Calmont Gusmão Gigante, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, mestranda em saúde da família pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Wanessa da Silva Peres Bezerra, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Enfer-meira, mestranda em doenças infecciosas e parasitárias, pesquisadora do Núcleo de Evidências da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

 

Jannayna Hammoud Brandão Hammoud Brandão, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Enfer-meira do Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian (HUMAP), mes-tranda em doenças infecciosas e parasitárias pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Micheli Luize Grenze, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Graduação em Enfermagem, especialista em Enfermagem em Urgência e Emergência, saúde coletiva e saúde da família e mestrado-profissionalizante em Saúde da Família pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Anamaria Mello Miranda Paniago, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Graduada em medicina, mestre e doutora em medicina tropical pela Fundação Osvaldo Cruz, docente do programa de pós-graduação doenças infecciosas e parasi-tárias pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, pesquisadora do Núcleo de Evidências, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Silvia Helena Mendonça de Moraes, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

 Psicóloga, mestre em Saúde Pública, doutoranda em Enfermagem Fundamental, pesqui-sadora em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz Mato Grosso do Sul.

Sandra Maria do Valle Leone de Oliveira, Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Enfermeira, Especialista em Politicas Informadas por Evidencias, Mestre em Saúde Coletiva, Doutora em Doenças Infecciosas e Parasitárias pela Univer-sidade Federal de Mato Grosso do Sul. Vinculada a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Faculdade de Medicina, Núcleo de Evidencia de Mato Grosso do Sul.

Jorge Otávio Maia Barreto , Instituto de Saúde/CCTIES-SES

Doutor em Políticas Públicas. Pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, Brasília.

Referências

1. Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: diagnóstico, trata-mento e controle. An Bras Dermatol [internet]. 2006 [acesso em 26 de set de 2018];81(2):111–26. Dispo-nível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0365-05962006000200002&lng=pt&tlng =pt.
2. Organização Pan-Americana da Saúde (BR). [internet]. 2018 [acesso em 24 de out de 2018]. Disponível em: ht-tps://www.paho.org/bra/.
3. Moher D, Liberati A, Tetzlaff J, Altman DG. Preferred Re-porting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLoS Med 6(7): e1000097.
4. Ouzzani M, Hammady H, Fedorowicz Z, Elmagarmid A. Rayyan—a web and mobile app for systematic reviews. Syste-matic Reviews. 2016;5(1):210.
5. Snilstveit B, Oliver S, Vojtkova M. Narrative approaches to systematic review and synthesis of evidence for internatio-nal development policy and practice. Journal of Development Effectiveness. 2016;4(3):409-429.
6. Critical Appraisal Skills Programme (2018). CASP (Qualitati-ve) Checklist. [online] Available at: https://casp-uk.net/wp-con-tent/uploads/2018/03/CASP-Qualitative-Checklist-2018_ fillable_form.pdf. Accessed: 30/03/2019.
7. Williams B, Garcia P, Carcamo C, Chiape Guiterrez M, De la Rosa Roca S, Calderon MV, Peeling R. Partner notification and treatment for maternal syphilis in Lima, Peru: knowledge, attitudes, and practices of health providers and patients. Sex Transm Infect. 2011; 87(1).
8. Rocha AFB, Araújo MAL, Miranda AE, Ponce de Leon RG, Silva Junior GB, Vasconcelos LDPG. Management of sexual partners of pregnant women with syphilis in northeastern Bra-zil: a qualitative study. BMC Health Services Research. 2019; 19:65.
9. Silva MRB, Silva AP, Messias CM, Silva HCDA, Silva LA, Ri-zzo ER. Conhecimento das puérperas sobre a sífilis: Transmis-são e tratamento. Revista Nursing, 2017;20 (224):1556-1560.
10. Silva Junior GB, Rocha AFB, Romualdo KS, Xavier PS, Araú-jo MAL. Primary healthcare workers’ perceptions regarding calling sexual partners of pregnant women with syphilis for tre-atment. Sex Transm Infect 2017;93(2):A1–A272.
11. Figueiredo MSN, Cavalcante EGR, Oliveira CJ, Monteiro MFV, Quirino GS, Oliveira DR. Percepção de enfermeiros sobre a adesão ao tratamento dos parceiros de gestantes com sífi-lis. Rev Rene. 2015;16(3):345-54.
12. Palacio MB, Figueiredo MAC, Souza LB. O cuida-do em HIV/AIDS e a atenção primária em saúde. Psico. 2012;43(3):360-367.
13. Brignol S, Dourado I, Amorim LD, Kerr LRSF. Vulnerabilida-de no contexto da infecção por HIV e sífilis numa população de homens que fazem sexo com homens (HSH) no Município de Salvador, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2015;31(5):1-14.
14. Amir J, Ginat S, Cohen YH, Marcus TE, Keller N, Varsano I. Lidocaine as a diluent for administration of benzathine peni-cillin G. Pediatr Infect Dis J. 1998;17(10):890–3.
15. Taylor B, Henshall C, Kenyon S, Litchfield I, Greenfield S. Can rapid approaches to qualitative analysis deliver timely, va-lid findings to clinical leaders? A mixed methods study compa-ring rapid and thematic analysis. BMJ open. 2018; 8(10).

Downloads

Publicado

2020-12-31

Como Citar

Galindo Martins Tebet, D. ., Calmont Gusmão Gigante, V. ., da Silva Peres Bezerra, W. ., Hammoud Brandão, J. H. B., Luize Grenze, M. ., Mello Miranda Paniago, A. ., Mendonça de Moraes, S. H. ., do Valle Leone de Oliveira, S. M. ., & Maia Barreto , J. O. . . (2020). Percepções sobre o tratamento de homens com diagnóstico de sífilis: uma síntese rápida de evidências qualitativas. BIS. Boletim Do Instituto De Saúde, 20(2), 96–104. https://doi.org/10.52753/bis.2019.v20.34487

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)