Leishmaniose Visceral Canina: Razão de Prevalência e distribuição espacial do risco para infecção no município de São Pedro, estado de São Paulo, Brasil

Autores

  • Osias Rangel Superintendência de Controle de Endemias. Secretaria de Estado da Saúde
  • Matheus de Melo Murbach Prefeitura Municipal de São Pedro

Palavras-chave:

Leishmaniose Visceral, Cães, Análise espacial

Resumo

A leishmaniose visceral (LV) é uma doença de transmissão vetorial com ampla distribuição geográfica no mundo. No Brasil, ocorre a forma zoonótica tendo no cão (Canis familiares) o seu principal reservatório. Objetivo: Analisar a Razão de Prevalência (RP) de cães soropositivos para L. infantum em áreas com diferentes quantidades de cães por imóvel, e a distribuição espacial do Risco Relativo (RR) para infecção por L. infantum por Setor Censitário do município de São Pedro-SP Métodos: Foram analisadas amostras de 1.283 cães distribuídos em 710 imóveis de uma região composta por dez Setores Censitários do município de São Pedro-SP, no ano de 2016. Os resultados sorológicos dos cães positivos foram confirmados por meio da concordância positiva dos testes imunocromatográfico rápido em dupla plataforma (DPP®) e Ensaio de Imunoabsorção Enzimática(ELISA) realizados em laboratório de referência estadual com amostras de inquérito sorológico canino, como atividade do Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral do estado de São Paulo. A RP foi obtida por regressão binomial negativa Tipo I, e a distribuição espacial do risco RR por estimador bayesiano empírico global. Resultados e discussão: Os resultados demonstraram que, em média, a cada cão adicional por imóvel, a RP aumenta em 63% o risco de infecção por L.infantum. Em dois Setores Censitários houve acréscimo médio de 10% para a infecção e, em um Setor Censitário, o acréscimo médio foi de 20%. Conclusões: Conclui-se que as ações de vigilância e controle para leishmaniose visceral vigentes no país devem ser priorizadas e intensificadas nos imóveis e nos Setores Censitários identificados por este estudo como sendo de maior risco para LVC.

 

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

World Health Organization. Report on global surveillance of epidemic-prone Infectius diseases - leishmaniasis. 2014 [acesso em 12 mar 2020]. Disponível em: http://www.who.int/csr/resources/publications/CSR_ISR_2000_1leish/en/

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Leishmaniose Visceral: o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção. [acesso em 18 abr 2020]. Disponível em: http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/leishmaniose-visceral

Abrantes TR, Werneck GL, Almeida AS, Figueiredo FB. Fatores ambientais associados à ocorrência de leishmaniose visceral canina em uma área de recente introdução da doença no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública (online). 34(1): e00021117, 2018. doi: 10.1590/0102-311X00021117 [acesso em 17 abr 2020]. Disponível em: https://scielosp.org/pdf/csp/2018.v34n1/e00021117/pt

Azevedo AAA, Dias AKK, Paula HB, Perri SHV, Nunes CM. Avaliação daleishmaniose visceral canina em Poxoréo, Estado do Mato Groso, Brasil. Rev bras parasitol vet. 2008; 17(3):123-7

Borges BKA, Silva JA, Haddad JPA, Moreira EC, Magalhães DF, Ribeiro LMF et al. Presença de animais associada ao risco de transmissão da leishmaniose visceral em humanos em Belo Horizonte, Minas Gerais. Arq. bras. med. vet. zotec. 2009; 61(5): 1035-43.

Ursine RL, Dias JVL, Morais HA, Pires HHR. Human and canine visceral leishmaniasis in an emerging focus in Araçuaí, Minas Gerais: spatial distribution and socio-environmental factors. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2016; 111(8): 505-11.

Chica AL, Perecin G, Holckman NM, Ciaravolo RM, Sampaio SMP, Holtz TM et al. Primeiras experiências da Vigilância Epidemiológica do município de São Pedro, Estado de São Paulo, frente a introdução da Leishmaniose Visceral Americana. In: Anais XXI Congresso do I Congresso Brasileiro de Parasitologia, II Encontro de Parasitologia do Mercosul. Novos Horizontes de Parasitologia. Foz do Iguaçu (PR). Revista de Patologia Tropical 38 (1) Suplemento (julho - setembro) 2009 CD.

Secretaria da Saúde (SP). Coordenadoria de Controle de Doenças. Superintendência de Controle de Endemias. Sistema de Informação Siszoo [internet] (Dados não publicados): Campinas: SUCEN; 2014.

Stasinopoulos DM, Rigby RA. Generalized additive models for location scale and shape (GAMLSS0) 2007; 23(7):1-46. doi:10.1111/j.1467-9876.2005. 00510.x

Camey SA, Torman VBL, Hirakata VN, Cortes RX, Vigo A. Bias of using odds ratio estimates in multinomial logistic regressions to estimate relative risk or prevalence ratio and alternatives. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(1):21-9. doi http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00077313

Clayton D, Kaldor J. Empirical Bayes Estimates of Age-standardized Relative Risks for Use in Disease Mapping (1987). Biometrics, 43, 671-81

Albert Y. Kim and Jon Wakefield (2018). SpatialEpi: Methods and Data for Spatial

Epidemiology R package version1.2.3 [internet]; 2018. Disponível em https://CRAN.R-project.org/package=SpatialEpi

Silva SLC, Fachel JMG, Kato KK, Bassanesi SL. Visualização dos padrões de variação da taxa de mortalidade infantil no Rio Grande do Sul, Brasil: comparação entre as abordagens Bayesiana Empírica e Totalmente Bayesiana. Cad. Saúde Pública. 2011; 27(7):1423-32.

Marcondes M, Rossi CN. Leishmaniose no Brasil. Braz. J. Vet. Res. Anim. Sci. 2013; 50 (5):341-52.

Carvalho MR, Dias AFLR, Almeida ABPFA, Alves MR, Paes AS, Souza RF. Canine visceral leishmaniais: perception prevalence, and spatial distribution in municipality of Nossa Senhora do Livramento, Mato Grosso Brazil.. Braz J. Vet. Parsitol [internet]; 29(2): e 021019. [acesso em 26 fev 2021]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1984/-29612020017 doi: 10.1590/S1984-29612020017

Rodrigues TF, Benitez NA, Sevá AP, Okamura LH, Galvão AB, Gomes JF et al. Spatial and seroepidemiology of canine visceral leishmaniasis in na endemic Southeast Brazilian area. Rev Soc Bras Med Trop (on line) 53: e 20190525, 2020. [acesso 26 fev 2021]. Disponível em: https://doi. org/10.1590/0037-8682-0525-2019.

Downloads

Publicado

2021-03-31

Como Citar

1.
Rangel O, de Melo Murbach M. Leishmaniose Visceral Canina: Razão de Prevalência e distribuição espacial do risco para infecção no município de São Pedro, estado de São Paulo, Brasil. Bepa [Internet]. 31º de março de 2021 [citado 3º de dezembro de 2022];18(207):2-11. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/35743

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)