Avaliação da estruturação da gestão municipal para execução do teste rápido de triagem no diagnóstico da leishmaniose visceral canina, na região de São José do Rio Preto, São Paulo

Autores

  • Denise Maria Bussoni Bertollo instituto Adolfo Lutz
  • Helena Hilomi Taniguchi Instituto Adolfo Lutz
  • Roberto Mitsuyoshi Hiramoto Instituto Adolfo Lutz

Resumo

Objetivo do estudo foi apresentar e avaliar os requisitos mínimos para
implantação da estruturação da gestão municipal para execução do teste
rápido de triagem no diagnóstico da leishmaniose visceral (LV) em cães, na
região de São José do Rio Preto. Estudo descritivo com base em informações
de relatórios de visitas técnicas realizadas pelo laboratório estadual,
responsável pela subrede de leishmaniose. A região é constituída por 102
municípios, destes, 58 foram caracterizados como municípios que possuem
alguma situação epidemiológica para LV e, consequentemente, necessidade
de estruturação municipal para realização de inquérito soroepidemiológico.
Os gestores municipais de 43/58 (74,1%) municípios de estudo solicitaram
visita técnica para avaliação das salas de triagem. Destes, 40/58 (69,0%)
possuem estruturação mínima para execução do teste rápido de triagem,
3/58 (5,2%) não atendem condições mínimas e foram reprovados. Os
demais 15/58 (25,8%) os gestores não solicitaram visita técnica. Dentre
os municípios que possuem estruturação, o tempo gasto/ano para alguns
dos gestores municipais organizarem a estruturação da sala foi de até 4
(quatro) anos. Entre as principais causas apresentadas pelos gestores
municipais para não atendimento, estão questões orçamentárias e contração
de médico veterinário. A detecção precoce da infecção por Leishmania
em cães é essencial para controlar a disseminação do parasita ao homem.
Tais supervisões visam garantir o cumprimento das normas e identificar
as necessidades prioritárias da rede de laboratórios descentralizados, com
vistas a assegurar a contenção e a expansão da doença.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Lainson R, Shaw JJ. Epidemiology and ecology of leishmaniasis in
Latin-America. Reprinted from Nature. 978; 273 (5664): 595-600.

2. Botelho ACA, Natal D. Primeira descrição epidemiológica da leishmaniose
visceral em Campo Grande, estado de Mato Grosso do Sul. Rev Soc Bras
Med Trop. 2009;42(5): 503-8.

3. Marzochi MCA, Fagundes A, Andrade
MV, Souza MB, Madeira MF, Mouta- Confort E, et al. A leishmaniose visceral
no Rio de Janeiro, Brasil: aspectos e controle de eco-epidemiológicos. Rev
Soc Bras Med Trop. 2009;42(5):570-80.


4. 4- Gallati EAB, Nunes VLB, Rêgo Jr.
FA, Oshiro ET, Chang MR. Estudo de Flebotomíneos (Diptera:Psychodidae) em
foco de leishmaniose visceral no estado de Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista
de Saúde Pública.1997;31:378-90

5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de
Vigilância em Saúde. Fortalecimento das ações de prevenção, controle e
eliminação da malária e ações de vigilância da leishmaniose visceral e doença de
Chagas. Bol Epi. 2019; 40(50):10-5.

6. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de
Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e
controle de zoonoses: normas técnicas e operacionais. Brasília (DF); 2016.

7. Secretaria de Estado da Saúde do estado de São Paulo. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral Americana do
estado de São Paulo. São Paulo (SP); 2006.

8. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de
Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose
Visceral. Brasília: Brasília (DF); 2006.


9. Ministério da Saúde (BR). Nota técnica conjunta nº 01/2011. CGDT-CGLAB/
DEVIT/SVS-MS: Brasília (DF); 2011.


10. Rangel O, Hiramoto RM, Henriques
LF, Taniguchi HH, Ciaravolo RMC, Tolezano JE et al. Classificação epidemiológica dos municípios segundo o Programa de Vigilância e Controle da
Leishmaniose Visceral Americana no estado de São Paulo, para 2013. Bol.
Epidemiol. Paul. 2013;10(111):3-14.


11. D’Andrea LAZ, Oliveira ACF, Romão
MM. Atuação do Centro de Laboratório Regional-Instituto Adolfo Lutz no controle de qualidade do diagnóstico da leishmaniose visceral canina.
Colloquium Vitae. 2017; 9, 14-20.


12. Rodrigues RCA, Zuben APBV, Lucca
T, Castagna CL, Nitsche A, Presotto
D, et al. De CCZ a UVZ: mudança de paradigma no controle de zoonoses. Bol. Epidemiol. Paul. 2017;14(162):33-41. 13. Benini SM, Dias LS, Américo-Pinheiro JHP. Saneamento e o ambiente, 2018. 2. Ed. Tupã, São Paulo: ANAP, 2018.



14. D’Andrea LAZ, Samizava EY, Romão MM, Hiramoto RH, Tolezano JE.Leishmaniose Visceral: implantação do teste rápido DPP® BioManguinhos nos inquéritos sorológicos canino na área de abrangência do Instituto Adolfo Lutz Presidente Prudente/SP. In: Dias, LS, Guimarães RB. (Orgs.). Desafios da Saúde Ambiental 1. Tupã: ANAP, 2015.;26-140.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Como Citar

1.
Maria Bussoni Bertollo D, Hilomi Taniguchi H, Mitsuyoshi Hiramoto R. Avaliação da estruturação da gestão municipal para execução do teste rápido de triagem no diagnóstico da leishmaniose visceral canina, na região de São José do Rio Preto, São Paulo. Bepa [Internet]. 31º de maio de 2021 [citado 3º de dezembro de 2022];18(209):1-15. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/36650

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)