Aspectos da epidemiologia dos acidentes com escorpiões no estado de São Paulo e no município de Jundiaí, Brasil

Autores

  • Thamires Fernandes Pazetti Faculdade de Medicina de Jundiaí
  • Pedro Dresch de Michel Faculdade de Medicina de Jundiaí
  • Juliana Quero Reimão Faculdade de Medicina de Jundiaí

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2021.v.18.37181

Palavras-chave:

Animais peçonhentos, Escorpiões, Escorpionismo, Epidemiologia, Sistemas de Informação em Saúde, Saúde pública

Resumo

Realizou-se estudo retrospectivo, quantitativo e descritivo-analítico dos indicadores
epidemiológicos obtidos das fichas de investigação de acidentes por animais peçonhentos,
notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), cujos dados
foram obtidos por meio do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde do
Brasil (DATASUS) pertencente ao Ministério da Saúde. Foram notificados 222.302 casos de
acidentes por animais peçonhentos no estado de São Paulo e 1.571 no município de Jundiaí,
de 2007 a 2017. Desses, respectivamente 116.705 e 509 notificações corresponderam a
acidentes causados por escorpiões. O sexo mais acometido foi o masculino, com 60% dos
casos. Em Jundiaí, as faixas etárias de 20-39 e 40-59 respondem por 69% dos acidentes
e a escolaridade das vítimas foi ignorada em 69% das notificações. A maioria dos casos
evoluiu para cura. Nota-se aumento gradual do número de acidentes por escorpiões no
estado e em Jundiaí ao longo dos anos, o que demanda intensificar as medidas de controle
e prevenção, para controlar a população desses aracnídeos de risco à saúde humana.
Faz-se necessário também, intensificar as ações de educação em saúde, compartilhando
informações sobre fatores de risco e divulgando ações preventivas contra acidentes com
escorpiões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Elkhoury ANSM, Romano AP, Dantas APC, Madeira A, Igansi CN, Assis DM et al.
Situação epidemiológica das zoonoses de interesse à saúde pública. Boletim Eletrônico
Epidemiológico 2009; 9(1).

2. Fiszon JT, Bochner R. Subnotificação de acidentes por animais peçonhentos registrados
pelo SINAN no estado do Rio de Janeiro no período de 2001 a 2005. Rev Bras Epidemiol.
2008;11(1):114-27.

3. Ministério da Saúde. Ofídismo. FUNASA (ed). Manual de diagnóstico e tratamento de
acidentes por animais peçonhentos. FUNASA. 2001;2:9-12.

4. Brites-Neto J, Brasil J. Estratégias de controle do escorpionismo no município de
Americana. Boletim Epidemiológico Paulista. 2012;9(101):4-15.

5. Chippaux JP, Goyffon M. Epidemiology of scorpionism: a global appraisal. Acta Trop.
2008;107:71-9.

6. Silva NA, Alburqueque CMR, Marinho Ad, Jorge RJB, Neto AGSN, Monteiro HSA et al.
Effects of Tityus stigmurus (Thorell 1876) (Scorpiones: Buthidae) venom in isolated
perfused rat kidneys. Anais da Academia Brasileira de Ciências. 2016;88(1):665-75.
7. Cupo P. Clinical update on scorpion envenoming. Rev Soc Bras Med Trop. 2015;48(6):642-9.

8. Albuquerque C, Porto T, Amorim M, Santana Neto P. Escorpionismo por Tityus pusillus
Pocock, 1893 (Scorpiones; Buthidae) no estado de Pernambuco. Revista da Sociedade
Brasileira de Medicina Tropical. 2009;42(2):206-8

9. Cupo P, Azevedo-Marques MM, Hering SE. Acidentes por animais peçonhentos: escorpiões
e aranhas. Medicina Ribeirão Preto. 2003; 36(1):490-7.

10. Roodt AR. Veneno de escorpiones (Alacranes) y envenenamiento. Acta Bioquimica Clinica
Latinoamericana. 2015; 49(1):55-71.

11. Cupo P. Acidente escorpiônico na sala de urgência. QualidadeHC. 2018.

12. Campolina D. Georreferenciamento e estudo clínico-epidemiológico dos
acidentes escorpiônicos atendidos em Belo Horizonte no serviço de toxicologia de Minas
Gerais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina.
2006.


13. Ciruffo PD, Coutinho LO, Boroni JD. Diniz AET, Diniz WF. Escorpionismo: quadro clínico e
manejo dos pacientes. Rev. méd. Minas Gerais. 2012;22(8):29-33.


14. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violênciasexual contra mulheres e
adolescentes: norma técnica. 3. ed. atual. e amplia.,1. reimpr.; Brasília, 2012.

15. Lemos JC, Almeida T, Fook SML, Paiva AA, Simões MOS. Epidemiologia dos acidentes
ofídicos notificados pelo Centro de Assistência e Informação Toxicológica de Campina
Grande (Ceatox-CG), Paraíba. Rev. bras. epidemiol. 2009;12(1):50-9.


16. Oliveira HFA, Costa CF, Sassi R. Relatos de acidentes por animais peçonhentos e medicina
popular em agricultores de Cuité, região do Curimataú, Paraíba, Brasil. Bras. epidemiol.
2013;16(3):633-43.


17. Fernandes VCDC, Barros JDDS. Acidentes com animais peçonhentos: saberes locais e
medicina popular em comunidades rurais da cidade de Uiraúna-Pb. Polêm!ca 2017;
17(3):79-92.


18. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância
Epidemiológica. Manual de controle de escorpiões/Ministério da Saúde, Secretaria de
Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. – Brasília: Ministério da
Saúde. V. 1, 2009.

19. Martins MR, Rafaine D, Neves MF, Sacco SR. Escorpiões: biologia e acidentes. Revolução.
Cient. Eletr. de Med. Vet. 2008;6(10).

20. Costa Clso. Aspectos epidemiológicos do escorpionismo na região de Santarém, estado do
Pará, Brasil. Rev. Colombiana Cienc. Anim. 2012;4(1):59-68.

21. Bucaretchi F, Fernandes LC, Fernandes CB, Branco MM, Prado CC, Vieira RJ, Capitani EM,
Hyslop S. Clinical consequences of Tityus bahiensis and Tityus serrulatus scorpion stings in
the region of Campinas, southeastern Brazil. Toxicon. 2014;89:17-25.

22. Nunes C, Bevilacqua P, Jardim C. Aspectos demográficos e espaciais dos acidentes
escorpiônicos no Distrito Sanitário Noroeste, Município de Belo Horizonte, Minas Gerais,
1993 a 1996. Cadernos de Saúde Pública. 2000;16(1):213-23


23. Lopes MP. Epidemiologia dos acidentes com animais peçonhentos no estado de Minas
Ferais [Mestrado]. Universidade Federal de Alfenas. 2015.

24. Fuentes-Silva D, Santos-Jr A, Oliveira J. Envenomation caused by Rhopalurus amazonicus
Lourenço, 1986 (Scorpiones, Buthidae) in Pará State, Brazil. Journal of Venomous Animals
and Toxins including Tropical Diseases. 2014;20(1):52.

25. Ribeiro LA, Rodrigues L, Tanús MJ. Aspectos clínicos e epidemiológicos do envenenamento
por escorpiões em São Paulo e municípios próximos. Rev. Patol. Trop. 2011;30(1):83-92.

26. Guerra CM, Carvalho LF, Colosimo EA, Freire HB. Analysis of variables related to fatal
outcomes of scorpion envenomation in children and adolescents in the state of Minas
Gerais, Brazil, from 2001 to 2005. J Pediatr. 2008;84(6):509-15.

27. Nodari FR, Leite ML, Nascimento E. Aspectos demográficos, espaciais e temporais dos
acidentes escorpiônicos ocorridos na área de abrangência da 3ª regional de saúde – Ponta Grossa,
PR, no período de 2001 a 2004. Publ UEPG Cienc Biol Saúde. 2006;12(1):15-26.

28. Santana V, Suchara E. Epidemiology of accidents with poisonous animals registered in Nova
Xavantina - MT. Journal of Epidemiology and Infection Control. 2015;(5):3-5.

29. Azevedo-Marques MM, Cupo P, Hering SE. Acidentes por animais peçonhentos. Medicina
Ribeirão Preto Online. 2003;36(2/4):480-9.

30. Barbosa IR. Aspectos clínicos e epidemiológicos dos acidentes provocados por animais
peçonhentos no estado do Rio Grande do Norte. Rev. Ciên. Plural. 2016;1(3):2-13.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

1.
Fernandes Pazetti T, Dresch de Michel P, Quero Reimão J. Aspectos da epidemiologia dos acidentes com escorpiões no estado de São Paulo e no município de Jundiaí, Brasil. Bepa [Internet]. 30º de setembro de 2021 [citado 25º de maio de 2024];18(213):9-25. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37181

Edição

Seção

Artigo Original