Mortalidade perinatal em guarulhos: análise sob o enfoque da evitabilidade

Autores

  • Andréia Kaori Sasaki Prefeitura de Guarulhos
  • Sonia Isoyama Venancio Instituto de Saúde
  • Cátia Martinez Minto Centro de Informações em Vigilância a Saúde

DOI:

https://doi.org/10.57148/bepa.2021.v.18.37182

Palavras-chave:

Mortalidade Perinatal, Estatísticas vitais, Causas de Mortes evitáveis, Mortalidade Fetal e Mortalidade Neonatal Precoce

Resumo

Objetivo: Analisar a evolução das taxas de mortalidade perinatal e de sua classificação, segundo evitabilidade no município de Guarulhos, São Paulo, entre 2010 e 2017. Métodos: Estudo epidemiológico descritivo, utilizando dados secundários,
extraídos da base estadual do Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) e Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) de São Paulo. A população foi composta por todos os óbitos perinatais de mães residentes em Guarulhos. Para a classificação da evitabilidade foi utilizada a Lista de Causas de Mortes Evitáveis por Intervenções do Sistema Único de Saúde. A análise dos dados foi realizada por meio de estatística descritiva e as taxas de mortalidade e sua classificação, segundo a evitabilidade, foram comparadas por triênios 2010-2012 e 2015-2017. Resultados: A taxa de mortalidade perinatal aumentou
em 3,02%, com elevação de 8,36% da mortalidade fetal e redução de 4,52% da neonatal precoce. Quanto à evitabilidade, 83,87% dos óbitos foram evitáveis, com quase a totalidade na categoria “Reduzíveis por Atenção à Gestação, Parto e Recém-nascido” com maior
proporção relacionada ao parto (47,52%), seguidos de gestação (25,38%) e recém-nascido (10,68%). Na comparação dos triênios houve aumento de 27,36 % dos óbitos evitáveis por causas relacionadas à assistência à gestante e de 0,81% em decorrência do parto. Houve
redução nos óbitos por assistência ao recém-nascido (24,83%) e por causas mal definidas (21,23%). Conclusões: Este estudo identificou aumento das taxas de mortalidade perinatal à custa do aumento dos óbitos fetais. Em relação à evitabilidade, evidenciou-se maior proporção e aumento de óbitos relacionados ao pré-natal e parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Rego MGS, et al. Óbitos perinatais evitáveis por intervenções do Sistema Único de
Saúde do Brasil. Rev Gaucha Enferm. 2018;39:e 2017-0084. Disponível em:<https://doi.
org/ 10.1590/1983-1447.2018.20170084>. Acesso em 01/05/21.

2. Santos HG, Andrade SM, Silva AMR, Mathias TAF, Ferrari LL, Mesas AE. Mortes
infantis evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde: comparação de duas
coortes de nascimentos. Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2014 Mar [cited 2021 May
02]; 19(3): 907-916. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1413-81232014000300907&lng=em

3. Blencowe H, Cousens S, Jassir FB, Say L, Chou D, Mathers C, et al. National, regional,
and worldwide estimates of stillbirth rates in 2015, with trends from 2000: a systematic
analysis. Lancet Glob Health. 2016 Feb;4(2): e98-e108. Disponível em: <http://dx.doi.
org/10.1016/S2214-109X(15)00275-2>


4. Heráclio IL, Silva MA, Vilela MBR, Oliveira CM, Frias PG, Bonfim CV. Avaliação da
qualidade da investigação epidemiológica dos óbitos perinatais, Recife-Pernambuco.
Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2018 Oct [cited 2021 Apr 18]; 71(5): 2519-2526.
Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
71672018000502519&lng=em

5. Goldenberg RL, Mcclure EM. Maternal, fetal and neonatal mortality: lessons learned
from historical changes in high income countries and their potential application to
low-income countries. Maternal Health Neonatol Perinatol [Internet]. 2015 [cited 2017
Oct 22]; 1:3. Available from: <https://hnpjournal.biomedcentral.com/ articles/10.1186/
s40748-014-0004-z>

6. Vanderlei Lygia Carmen de Moraes, Frias Paulo Germano de. A vigilância do óbito
como instrumento para reduzir a invisibilidade da exclusão social e assistencial de
mulheres e crianças. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. [Internet]. 2017 Dec [cited 2021
Apr 18]; 17(4): 633-634. Available from: http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S1519-38292017000400633&lng=em

7. Malta DC, Prado RR, Saltarelli R MF, Monteiro RA, Souza MFM, Almeida MF. Mortes
evitáveis na infância, segundo ações do Sistema Único de Saúde, Brasil. Rev. bras.
epidemiol. [Internet]. 2019 [cited 2021 May 02]; 22: e190014. Available from: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2019000100427&lng=en

8. Malta DC, Duarte EC, Almeida MF, Dias, MAS, Moura L, Ferraz W, Souza MFM. Lista
de causas de mortes evitáveis por intervenções do Sistema Único de Saúde do Brasil
[Internet]. 2007. 16 (4). Disponível em: http://www.scielo. br/scielo.php?pid=S1519-
38292012000300007&script=sci_arttext

9. Malta DC, Duarte ElC, Escalante JJC, Almeida MF, Sardinha LMV, et al. Mortes evitáveis
em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de
desempenho do Sistema Único de Saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 26, n.
3, p. 481-491, Mar. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S0102-311X2010000300006&lng =en&nrm=isso

10. Ruoff AB, Andrade SR, Schimdt MD. Atividades desenvolvidas pelos comitês de
prevenção do óbito infantil e fetal: revisão integrativa. Revista Gaúcha de Enfermagem
2017 mar; 38(1):e67342. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/19831447.2017.
01.67342

11. Oliveira CM, Bonfim CV, Guimarães MJB, Frias PG, Antonino VCS, Medeiros ZM.
Vigilância do óbito infantil no Recife, Pernambuco: operacionalização, potencialidades
e limites. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 26, n. 2, p. 413-419, June 2017a.
Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext &pid=S2237-
96222017000200413&lng=en&nrm=isso

12. Willcox ML, Price J, Scott S, Nicholson BD, Stuart B, Roberts NW, et al. Death audits and
reviews for reducing maternal, perinatal and child mortality (Review). Disponível em:
<https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858. CD012982.pub2/epdf/
full>

13. IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil. Cidades. 2010. Disponível
em: https://cidades.ibge.gov.br/

14. Brasil, Ministério da Saúde. Banco de dados do Sistema Único de Saúde - DATASUS,
Estatísticas Vitais. 2019. Disponível em: <http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.
php? area=0205&id=6937>

15. Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. SEADE [Internet]. São Paulo. [citado
em abril de 2021]. Disponível em https://www.seade.gov.br/produtos2/mortalidadeinfantil/

16. Silva, FLG. Mortalidade perinatal: comportamento em um município de grande porte.
Dissertação de mestrado em Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo.
2020. Disponível em: < https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6143/tde-
21102020-151633/pt-br.php>

17. Marques LJP, Silva ZP, Alencar GP, Almeida MF. Contribuições da investigação dos óbitos
fetais para melhoria da definição da causa básica do óbito no Município de São Paulo,
Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2021 [cited 2021 Apr 19]; 37(2): e00079120.
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-
311X2021000205017&lng=en>.

18. Miranda MHH, Fernandes FECV, Campos MEAL. Determinantes associados à
mortalidade perinatal e fatores associados. Rev. enferm. UFPE on line; 11(3): 1171-
1178, mar.2017. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-
30917>.

19. Barros PS, Aquino ÉC, Souza MR. Mortalidade fetal e os desafios para a atenção à
saúde da mulher no Brasil. Rev. Saúde Pública [Internet]. 2019 [cited 2021 Apr 19];
53:12. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-
89102019000100209&lng=em

20. Pingray V, Althabe F, Vazquez P, Correa M, Pajuelo M, Belizán JM. Stillbirth rates in 20
countries of Latin America: an ecological study. BJOG. 2018; 125:1263-70. Disponível
em: https://www.scielosp.org/article/csp/2021.v37n2/e00079120/

21. Carlo WA, Travers CP. Mortalidade materna e neonatal: hora de agir. J. Pediatr. (Rio J.)
[Internet]. 2016 Dez [citado 2021 Abr 19]; 92(6): 543-545. Disponível em: http://www.
scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572016000700543&lng=pt

22. Bernis L, Kinney MV, Stones W, Hoope-Bender, Vivio D, Leisher MA, et al. Stillbirths:
ending preventable deaths by 2030. Lancet [Internet]. 2016 Jan; Disponível em: https://
www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(15)00954-X/fulltext

23. Pereira RC, Figueiroa MN, Barreto IC, Cabral LNC, Lemos MLC, Marques VLLR. Perfil
epidemiológico sobre mortalidade perinatal e evitabilidade. Rev enferm UFPE on line.,
Recife, 10(5):1763-72, maio., 2016. Disponível em: <https://pesquisa.bvsalud.org/
portal/resource/pt/bde-29661>

24. Vieira FMBarbeiro, Kale PL, Fonseca SC. Aplicabilidade da Lista Brasileira de Causas de
Mortes Evitáveis por intervenção do Sistema Único de Saúde, para análise de óbitos
perinatais em municípios dos estados Rio de Janeiro e São Paulo, 2011. Epidemiol. Serv.
Saúde [Internet]. 2020 [cited 2021 May 02]; 29(2): e201942. Disponível em: http://
www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222020000200312&lng=en

25. Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência
pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad Saúde Colet.
[Internet] 2016 24 (2): 252-61. Disponível em: <http://www.scielo.br/ pdf/cadsc/v24n2/
1414-462X-cadsc-24-2-252.pdf>

25. Nunes JT, Gomes KRO, Rodrigues MTP, Mascarenhas MDM. Qualidade da assistência
pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad Saúde Colet.
[Internet] 2016 24 (2): 252-61. Disponível em: <http://www.scielo.br/ pdf/cadsc/v24n2/
1414-462X-cadsc-24-2-252.pdf>

26. Leal MC, Szwarcwald CL, Almeida PVB, Aquino EML, Barreto ML Barros F, et al . Saúde
reprodutiva, materna, neonatal e infantil nos 30 anos do Sistema Único de Saúde
(SUS). Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2018 June [cited 2021 May 02]; 23(6): 1915-
1928. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-
81232018000601915&lng=em

27. Giraldi LM, Corrêa TRK, Schuelter-Trevisol F, Gonçalves CO. Óbito fetal: fatores
obstétricos, placentários e necroscópicos fetais. J. Bras. Patol. Med. Lab., Rio de Janeiro,
v. 55, n. 1, p. 98-113, fev. 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S1676-24442019000100098 &lng=pt&nrm=isso

28. Lansky S, Franca E, Leal MC. Mortalidade perinatal e evitabilidade: revisão da literatura.
Rev Saúde Pública, v. 36, n. 6, p. 759-72, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/
scielo.php?pid=S0034-89102002000700017 &script=sci_abstract&tlng=pt

29. Gomes MASM, Esteves-Pereira AP, Bittencourt SDA, Augusto LCR, Lamy-Filho F, Lamy
ZC. Atenção hospitalar ao recém-nascido saudável no Brasil: estamos avançando na
garantia das boas práticas? Ciênc. saúde coletiva [Internet]. 2021 Mar [citado 2021
Abr 20]; 26(3): 859-874. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_
arttext&pid=S1413-81232021000300859&lng=pt

30. Nascimento JS. Assistência à Mulher no Pré-Natal, Parto e Nascimento: Contribuições
da Rede Cegonha. Revista Portal: Saúde e Sociedade. 2018 04;3(1):694-709.

31. Lima SS, Braga MC, Vanderlei LCM, Luna CF, Frias PG. Avaliação do impacto de
programas de assistência pré-natal, parto e ao recém-nascido nas mortes neonatais
evitáveis em Pernambuco, Brasil: estudo de adequação. Cad. Saúde Pública, Rio de
Janeiro, v. 36, n. 2, e00039719, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/ pdf/csp/
v36n2/1678-4464-csp-36-02-e00039719.pdf

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

1.
Kaori Sasaki A, Isoyama Venancio S, Martinez Minto C. Mortalidade perinatal em guarulhos: análise sob o enfoque da evitabilidade. Bepa [Internet]. 30º de setembro de 2021 [citado 15º de julho de 2024];18(213):9-39. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37182

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)