Distribuição espacial da concentração de casos de Leishmaniose Tegumentar em municípios da Região de Campinas e as considerações sobre os limites espaciais das Sub-bacias Hidrográficas para construção do cenário da Vigilância Entomológica nesta Região

Autores

  • Osias Rangel Superintendência de Controle de Endemias (Sucen)
  • Susy Mary Perpetuo Sampaio Superintendência de Controle de Endemias (Sucen)

Palavras-chave:

Leishmaniose tegumentar, Vigilância epidemiológica, Distribuição espacial, Ecologia de paisagens

Resumo

Durante vários anos de transmissão de Leishmaniose tegumentar na região de
Campinas-SP, alguns municípios apresentaram elevado número de casos em relação a
esta região. Os principais municípios foram estudados, considerando os limites espaciais
das Sub-bacias Hidrográficas dos Rios Principais e a concentração de casos avaliada pelo
estimador de Kernel no contexto das relações ecológicas do modelo mancha-corredormatriz
como relevantes para estabelecer o cenário para Vigilância Entomológica da doença
nesta região. Os resultados demonstraram que 86% (6/7) dos principais “pontos quentes”
de casos e 77,6% (38/49) das Sub-bacias Hidrográficas com ocorrência de casos, os Rios
Principais estavam presentes. Os resultados observados neste estudo sugeriram maior
permeabilidade da matriz para ocorrência da doença em mosaicos com a presença dos
Rios Principais e reforça a necessidade de considerar os limites espaciais das Sub-bacias
Hidrográficas dos Rios Principais para elaboração dos cenários da Vigilância Entomológica
da doença nesta Região.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

1. Leishmaniose Tegumentar (LT): o que é, causas, sintomas, tratamento e prevenção. Brasil
2020. Ministério da Saúde. [Acesso Junho de 2020]. Disponível em https://www.gov.br/
saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/l/leishmaniose-tegumentar-lt

2. Shimabukuro PHF, Galati EAB. Lista de espécies de Phebotominae (Diptera, Pisychodidae)
do Estado de São Paulo, Brasil com comentários sobre sua distribuição geográfica. Biota
Neotropica. 2011; 11 (Supl. 1): 685-704.

3. Silveira R. Frequência e Distribuição da Leishmaniose em São Paulo [Tese de doutorado].
São Paulo. Faculdade de Medicina e Cirurgia de São Paulo 1919.

4. Takaoka S. Estudo topográfico sobre a prevenção contra a “Leishmaniose Americana”.
Boletim da Sociedade de Medicina e Cirurgia de São Paulo, 11:32-47,1928.

5. Miranda C, Massa JL Marques CC. Análise de Ocorrência de leishmaniose tegumentar
Americana através de imagem obtida por sensoriamento remoto orbital em localidade
urbana da região Sudeste do Brasil. Revista de Saúde Pública. 30(5): 433-7, 1996.

6. Costa AIP. Estudos de fatores ambientais associados à transmissão da leishmaniose
tegumentar americana através do sensoriamento remoto orbital e sistema de informação
geográfica. [Tese de Doutorado]. São Paulo. Universidade de São Paulo 2001.
7. Aparício C. Utilização de geoprocessamento e sensoriamento remoto orbital para análise
espacial da paisagem com incidência da leishmaniose tegumentar americana. [Dissertação
de Mestrado]. São Paulo. Universidade de São Paulo. 2004.

8. São Paulo. Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo.
Coordenadoria de Planejamento Ambiental. Sub-Bacias do estado de São Paulo [Acesso
setembro de 2020]. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/
cpla/sub-bacias-do-estado-de-sao-paulo/

9. Formam RTT & Godron M 1986. Landscape Ecology. Wiley Sons Editora New York, 1986.

10. Kitron U. Landscape Ecology and epidemiology of vector-borne diseases: tools for spatial
analysis. Jornal of Medical Entomology. 35 (4): 435-45, 1998.

11. Junior WB, Balbueno RA, Cunha AS, Duarte MM. Utilização dos elementos da paisagem
como ferramenta de avaliação de impacto ambiental sobre o meio biótico. Cadernos da
Biodiversidade. 3(1):27-32, 2002.

12. Rangel O. Estudo da expansão das áreas geográficas de transmissão de leishmaniose
tegumentar americana. [Tese de Doutorado]. Campinas. Universidade Estadual de
Campinas. 2004.

13. São Paulo. Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo.
Infraestrutura e Meio Ambiente. Relatório de Qualidade Ambiental 2019. [Acesso
setembro de 2020]. Disponível em: https://www.infraestruturameioambiente.sp.gov.br/
publicacoes/2020/05/relatorios-de-qualidade-ambiental-2019/

14. Barry Rowlingson and Peter Diggle (2017). SPLANCS: Spatial and Space-Time Point Pattern
Analysis. R package version 2.01-40. https://CRAN.R-project.org/package=splancs

15. R core Team. A Language and Enviromennt for statical Computing. R Fundation for Statical
Computing, Vienna, Astria. http.www.R-project.org/org

16. Fushita AG. Análise da fragmentação de áreas de vegetação natural e semi-natural do
município de Santa Cruz da Conceição, São Paulo, Brasil. [Tese de Mestrado]. Universidade
de São Paulo. 2006.

17. PMC. Plano Municipal do Verde. Prognóstico Preliminar.[acesso junho de 2020]. Disponível
em: http://www.campinas.sp.gov.br/arquivos/meio-ambiente/vol-3-prognostico.pdf.

18. Corte AA, Nozawa MR, Ferreira MC, Pignatti MG, Rangel O, Lacerra SS. Aspectos ecoepidemiológicos
da leishmaniose tegumentar americana no Município de Campinas.
Cadernos de Saúde Pública 12(4): 465-472, 1996.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

1.
Rangel O, Mary Perpetuo Sampaio S. Distribuição espacial da concentração de casos de Leishmaniose Tegumentar em municípios da Região de Campinas e as considerações sobre os limites espaciais das Sub-bacias Hidrográficas para construção do cenário da Vigilância Entomológica nesta Região. Bepa [Internet]. 31º de outubro de 2021 [citado 3º de dezembro de 2022];18(214):9-19. Disponível em: https://periodicos.saude.sp.gov.br/BEPA182/article/view/37209

Edição

Seção

Artigo Original

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>